HQ/Livros

Artigo

In Search of Steve Ditko

Documentário marca os oitenta anos do desenhista que criou o Homem-Aranha

Érico Assis
04.11.2007
20h00
Atualizada em
29.06.2018
02h39
Atualizada em 29.06.2018 às 02h39

No momento em que o Homem-Aranha era o personagem mais famoso dos quadrinhos, o desenhista e co-criador do personagem, Steve Ditko, chegou no escritório da Marvel, entregou as páginas de sua última edição e disse que nunca mais trabalharia na série. A promessa feita 40 anos atrás continua mantida. Ditko completou 80 anos na última sexta-feira, dia 2 - e nunca explicou por que tomou aquela atitude.

Ditko deu pouquíssimas entrevistas, raras vezes deixou-se fotografar e vive em semi-reclusão em Nova York. Mas o jornalista inglês Jonathan Ross quis saber mais sobre um de seus ídolos de infância, o que levou à produção do documentário In Search of Steve Ditko ("Em Busca de Steve Ditko").

steve ditko

None

steve ditko

None

steve ditko

None

O Omelete conferiu a produção, exibida no último 30 de setembro pelo Canal 4 da BBC e, até alguns dias atrás, disponível no YouTube - infelizmente, o material foi retirado devido a problemas de direitos autorais.

Antes de ir direto ao homem em Nova York, Ross faz um apanhado histórico da carreira de Ditko, baseando-se tanto na sua memória de fã quanto em entrevistas com outros fãs. E estes outros fãs são BEM interessantes: Mark Millar, Neil Gaiman, Joe Quesada, o editor da Marvel Ralph Macchio e até Alan Moore, entre outros.

Ditko, para quem não sabe, também teve participação importante na criação do Dr. Estranho - segundo o documentário, ele é o único criador do personagem, embora a Marvel não reconheça - e, nos anos 60, criou personagens marcantes como o Questão, Rastejante, Rapina e Columba (todos ainda hoje ativos na DC) e o enigmático Mr. A.

Todos refletem, segundo os fãs, a posição político-filosófica ferrenha do autor, baseada na doutrina do objetivismo, divulgada pela filósofa e romancista Ayn Rand. Questão e Mr. A, principalmente, eram reflexos claros desta orientação: o mundo visto como preto e branco, certo e errado, bem e mal, faziam parte da doutrina objetivista.

As entrevistas são as melhores partes do documentário. Alan Moore - que remodelou personagens ditkianos em Watchmen - dá um show às câmeras, falando tão bem quanto escreve, e até interpretando uma música (!) que dedicou ao trabalho de Ditko. Mas o momento mais marcante é a entrevista de Ross com o magnânimo Stan Lee - que fica sem graça quando questionado por que seu antigo colega não recebe o crédito merecido pelas suas criações, enquanto o "Stan Lee Apresenta" continua forte na Marvel.

Ver Stan Lee sem graça já valeria o documentário. Mas a seção final do programa tem Ross - ao lado do colega de aventuras Neil Gaiman - em frente ao prédio onde fica o escritório de Ditko, em Nova York, com o telefone do desenhista na mão. Eles querem uma entrevista, é claro. E contar aqui o que acontece seria estragar uma grande surpresa.

Apesar de ter conseguido um destaque importante - ser creditado na criação do Aranha nos filmes do personagem -, Ditko ainda é considerado um dos criadores mais injustiçados da história dos quadrinhos. In Search of Steve Ditko é um belíssimo documentário que ressuscita esta discussão, restrita há décadas a um punhado de fãs. É um trabalho inestimável para todos os fãs do Aranha e de seu misterioso co-criador.

Como assistir? Boa pergunta. Ou esperar que a BBC lance o material em DVD ou rodar a Internet. Corra atrás, pois vale a pena.