JK Rowling libera coleção de Harry Potter para professores do mundo todo

Créditos da imagem: Rocco/Divulgação

HQ/Livros

Notícia

JK Rowling libera coleção de Harry Potter para professores do mundo todo

Autora deu acesso a cópias digitais dos livros para que profissionais da educação possam compartilhar vídeos em que leem a saga para seus alunos de quarentena

Nicolaos Garófalo
24.03.2020
00h39
Atualizada em
24.03.2020
09h44
Atualizada em 24.03.2020 às 09h44

Autora de uma das sagas literárias mais bem-sucedidas de todos os tempos, JK Rowling anunciou em seu site oficial que liberou a coleção completa dos livros de Harry Potter para professores de todo o mundo. A iniciativa tem como objetivo permitir que os profissionais gravem e compartilhem videoaulas em que leem os sete capítulos da história do bruxo para seus alunos em quarentena por causa do coronavírus.

De acordo com o comunicado compartilhado na página da escritora, os vídeos devem ser compartilhados pelos servidores seguros das instituições de ensino até o final de julho, quando termina o ano letivo no Reino Unido. Segundo Rowling, essa é a primeira de várias medidas planejadas para levar os livros da franquia para as casas de crianças do mundo todo durante o período de afastamento social causado pela pandemia do COVID-19.

Primeiro livro da série, Harry Potter e a Pedra Filosofal foi publicado originalmente em 1997, sendo adaptado para os cinemas em 2001. Ao todo, a franquia conta com sete livros, dez filmes e uma peça de teatro.

Efeito Coronavírus na cultura pop

O COVID-19 é uma nova mutação da família coronavírus que está se espalhando em ritmo alarmante desde dezembro de 2019. A China foi o primeiro país vítima da epidemia, com infecções e mortes confirmadas em todas as suas províncias. Desde então, a presença do vírus foi confirmada em quatro continentes - incluindo a América do Sul, com casos no Brasil, Argentina e Chile.

Filmes como Pedro Coelho 2 e 007 - Sem Tempo Para Morrer tiveram suas estreias adiadas por causa da pandemia. Entre 13 e 15 de março, os Estados Unidos registraram sua pior arrecadação em 20 anos nas bilheterias.