Pôster de Guardiões da Galáxia

Créditos da imagem: Divulgação/ Marvel

Filmes

Notícia

Guardiões da Galáxia | Disney reafirma que não trará James Gunn de volta

Informação veio após nova reunião

Rafael Gonzaga
15.08.2018
23h41
Atualizada em
17.08.2018
16h12
Atualizada em 17.08.2018 às 16h12

Depois de pressão dos fãs para James Gunn voltar à função de diretor de Guardiões da Galáxia Vol. 3, após ser demitido do projeto, Disney e Marvel decidiram se manter firmes à decisão de não restabelecê-lo como colaborador da próxima parte da franquia. A decisão foi tomada após uma reunião entre Gunn e o presidente do estúdio, Alan Horn, segundo informou a Variety.

O diretor foi dispensado do projeto há quase um mês, quando dezenas de tweets de Gunn de quase uma década atrás foram resgatados. Os posts faziam comentários ofensivos em tom de piada sobre assuntos delicados como pedofilia e estupro e foram trazidos à tona por membros da alt-right, o movimento conservador formado pelos supremacistas brancos norte-americanos. O estúdio agiu rapidamente e removeu Gunn da direção da terceira parte da franquia, acreditando que os comentários, apesar de antigos, eram inaceitáveis e não estavam de acordo com a imagem pública da Disney.

Gunn se desculpou pelos comentários antigos, e, desde então, tem recebido apoio tanto de fãs quando de todo o elenco de Guardiões da Galáxia. Atores como Chris Pratt e Zoe Saldana pediram que Gunn fosse reintegrado à equipe em uma carta aberta.

De acordo com a Variety, Horn decidiu fazer uma reunião de cortesia na terça-feira para checar a possibilidade de Gunn voltar à franquia. Embora a reunião tenha sido descrita como civil e profissional, o presidente do estúdio manteve a decisão de não reintegrar Gunn como diretor.

Kevin Feige não participou da reunião e, em breve, DisneyMarvel seguirão na missão de encontrar um novo diretor. Ainda não se sabe se o cronograma de produção será afetado pela mudança, mas, até agora, espera-se que o filme entre em produção no início de 2019.