Filmes

Entrevista

Tropa de Elite 2: Omelete Entrevista: José Padilha e Wagner Moura

Diretor e protagonista falam do maior filme nacional do ano

Marcelo Forlani
13.10.2010
23h47
Atualizada em
21.09.2014
14h09
Atualizada em 21.09.2014 às 14h09

O Omelete conversou com o diretor José Padilha e o protagonista Wagner Moura no dia seguinte a assistir a Tropa de Elite 2. A conversa, assim como também foi a coletiva de imprensa, passou pela política, mas aqui tivemos mais tempo de falar sobre o filme. Por isso, saiba que há SPOILERS no texto abaixo. Se você prefere ir ao cinema sem saber coisa alguma sobre a trama, sugerimos dar uma passadinha na seção de Música do site, mas se quiser aprender mais um pouco sobre cinema, discutimos da distribuição independente à produção e montagem do maior filme nacional do ano.

Este filme está sendo lançado de forma independente por vocês. O que mudou? Do que você sentiu falta de ter uma major junto e qual foi a grande vantagem de estar independente?

Tropa de Elite 2

None

Tropa de Elite 2

None

Tropa de Elite 2

None

José Padilha: Olha, são simplesmente processos diferentes. Quando você trabalha com uma major, você tem acesso ao Artigo 3º, que são 3 milhões de reais. Quando você abre mão disso, você abre mão desses recursos e você só pode captar 4 milhões, de um filme que custou 14. Isso significa que você tem que ter um investimento privado. Para você ter investimento privado, você tem que ter a possibilidade deste dinheiro retornar para o investidor. E eu acho que em uma produção independente, essa possibilidade é muito maior. Primeiro porque não tem taxa de distribuição. Segundo porque não tem os prazos de pagamentos das distribuidoras. E terceiro, não tem a crosscolaterização, que é o seguinte: faz de conta que um filme faz dinheiro no Brasil, mas é lançado na Argentina, no Peru e perde - o Brasil paga as perdas dos outros mercados. Sem essas coisas, o filme fica mais rentável. Então eu acho que, de fato, com Tropa de Elite 2, inaugura-se uma via alternativa para o cinema brasileiro, que pode tornar o cinema brasileiro mais rentável, um sistema em que a distribuidora não cobra taxa de distribuição, não retém o dinheiro por um prazo de seis meses, que é o prazo de pagamento, e que a distribuição é remunerada por uma prestação de serviço. Essa é a ideia. E em que artistas, Wagner incluído, investem seu salário no filme. Se o filme der dinheiro, a gente ganha. Se não fizer, não ganha.

E por falar aí na crosscolaterização, o primeiro filme tinha coprodução da Weinstein Company, que distribuiu o filme lá fora. Tropa de Elite 2 tem também planos de internacionalização, de fazer carreira lá fora, correr os festivais e assim por diante?

JP: Nós vamos passar este filme nos festivais - estamos mostrando para Sundance, Berlim, Cannes, Toronto, etc. Se a gente der sorte de alguém gostar, a gente vai projetar lá fora e ver o que acontece. Já tem uma série de compradores também vindo para o Rio e eu sou otimista em relação à distribuição internacional, mas sei que o filme é uma continuação e de um filme brasileiro. Não necessariamente o cara lá da Albânia viu o primeiro filme, então ele precisa do primeiro para entender o segundo. Talvez isso dificulte um pouco. Mas, vamos ver. Vamos tentar!

Muita gente comentou durante a coletiva de imprensa o tema do filme, mas não gênero em si, de ação e policial. Gostaria que vocês comentassem o filme de gênero no Brasil.

JP: Para você entender o mundo, você tem que criar categorias. Você tem, por exemplo, a categoria dos calçados, que é desses negócios que você coloca no pé, tem as blusas porque daí você pode virar para uma criança e falar "pegue o seu sapato" e não correr o risco dela trazer a blusa. A mesma coisa vale para o cinema. Para você poder conversar sobre filmes, você cria categorias. Comédia, drama, terror etc. Não quer dizer que todos os filmes caibam perfeitamente em suas categorias. Os conceitos não dão conta da natureza. Nem no cinema, nem na vida normal, nem na ciência. Acho que Tropa de Elite, tanto o primeiro quanto o segundo, são filmes que escapam da categorização simples. Não caem numa categoria normal. O primeiro é um filme político? É um filme de ação? É o drama do Capitão Nascimento? Você ri pra caramba com o Fábio, então é uma comédia? Não está claro em que gênero exatamente Tropa de Elite cabe. Se eu pegar jornais da época do primeiro filme, estava lá 'Tropa de Elite - Drama - 16 anos'. A maioria dos jornais caracterizou assim. Depois de um tempo, as pessoas vinham falar comigo e perguntava 'você vai fazer outro filme de ação?'. Pô, não era drama? [risos] E no segundo idem.

Então é assim: existem filmes de gênero no Brasil? Claro que existem. Existe comédia romântica - o Wagner acabou de fazer uma que eu estou doido para ver, com o Cláudio Torres, que fez isso muito bem com o Selton Mello e Luana Piovani. Existem filmes que são dramas, existem os filmes infantis, e existem os filmes que escapam desses gêneros. O que você acha?

Wagner Moura: Acho que se por um lado é difícil você colocar filmes em prateleiras, embora sejamos educados de que sapato é sapato e blusa é blusa, uma coisa que eu quero dizer é que o momento brasileiro é muito bom, no sentido da diversidade de filmes que estão sendo feitos. Coisas muito diferentes. Como o Zé falou, acabei de fazer essa comédia romântica com tons de ficção científica, fiz um filme mais intimista, tem um Tropa de Elite... e eu acho que isso é uma coisa saudável do nosso momento atual do cinema brasileiro.

Wagner, gostaria que você falasse um pouco da sua imagem para o Nascimento no Tropa 2, que é muito diferente do personagem do primeiro filme. Ele é um herói que perde o filme inteiro.

WM: Mas no primeiro ele perde também. Ele é um personagem da tragédia grega. Eu descobri isso e achei isso o máximo, é um personagem que caminha para o destino trágico tanto no primeiro quanto nesse. O que acho mais interessante nesse é que Nascimento está mais maduro, mais velho, e mais consciente. Acho que se o narrador e protagonista é mais consciente, nós temos um filme mais complexo. Se nós queríamos um filme mais complexo, esse era o primeiro passo. E nada mais complexo do que a consciência. E no caso dele, a consciência só aumenta o elemento trágico que eu mencionei. Quanto mais consciente ele é, mais o espectador vai vendo a tragédia que é a vida desse cara.

Você pode falar um pouco do seu papel de produtor neste filme?

WM: Essa é a primeira vez que faço isso no cinema. Foi um convite generoso do Zé Padilha, e eu prontamente aceitei. Primeiro porque eu sou um cara interessado no mecanismo de funcionamento do cinema e a oportunidade que o Zé me deu foi de ter um foco mais aberto sobre um negócio que me interessa muito, que apenas como intérprete você não consegue ver. A minha função do filme foi como investidor, eu ajudei a captar recursos, tive alguma importância nisso indo com o Zé em alguns lugares. E o Zé me deu a oportunidade de participar de um monte de coisas de que um ator geralmente não participa. Fui numa reunião de análise técnica, que me deu uma visão que nunca tinha tido antes, muito maior. E acho que tive uma ingerência maior sobre a parte artística do filme, trabalhando com o Zé e com o Bráulio [Mantovani, roteirista] principalmente nessa curva do Nascimento, na hora do desenvolvimento do roteiro. Pude também assistir a montagens diferentes do filme - dei lá algumas opiniões e o Zé acatou algumas.

A gente conversou quando você estava aqui em Paulínia filmando o Homem do Futuro e você mesmo falou que passou quase dois meses "morando" aqui. Essa imersão sua no cinema é uma coisa que vai te levar para trás das câmeras daqui a pouco?

WM: Antes de mais nada preciso falar do que está acontecendo aqui em Paulínia, que é uma coisa extraordinária. Os caras estão fazendo uma coisa aqui que ainda não foi devidamente dimensionada. Isso aqui está virando um negócio raro na América Latina.

Mas respondendo à sua pergunta, essa minha vontade de experimentar, a oportunidade que o Zé me deu de ver de fora e minha curiosidade como ator já rodado no cinema, vai me dando esse interesse de que você fala, sim. Eu acho muito possível eu aparecer com um projeto daqui a um, dois anos.

Vamos falar um pouco do lado ator. Como foi trabalhar de novo com a preparadora de elenco Fátima Toledo? Foi mais fácil achar o personagem dessa vez?

WM: Eu gosto muito de trabalhar com Fátima. E ela me ajudou muito a descolar dessa imagem do Nascimento do primeiro filme, que é uma imagem muito forte para o espectador - e você fica com vontade de corresponder à expectativa do público que quer ver aquele Nascimento - mas a nossa ideia sempre foi de desconstruir esse personagem e apresentar uma coisa nova. E a Fátima me ajudou muito nesse processo de mostrar que ele está 15 anos mais velho e que está dotado de toda essa consciência que nós propositadamente colocamos no roteiro.

Você acha que ele se encaixa na descrição de herói?

WM: Essa é uma das grandes polêmicas do primeiro filme. Para nós, nunca um cara que tortura pessoas e coloca gente no saco pode ser visto como um herói. Neste filme, agora, eu diria que esse personagem é mais digno de alguma admiração do que no primeiro. Justamente por essa consciência, essa tomada de posição que ele não tinha antes. No primeiro filme ele vai sendo levado pelos acontecimentos e agia da forma como ele foi treinado para agir. Essa consciência faz com que ele se torne mais ativo, tome mais as rédeas da sua vida.

Há essa tomada de consciência do Nascimento, mas uma coisa que é externa ao trabalho de vocês é a forma como as pessoas continuam respondendo catarticamente às cenas mais fortes em que o Nascimento vai para cima e não tanto ao discurso dele no final.

JP: Vamos falar sobre essa tomada de consciência do Nascimento: eu vejo que no primeiro filme a gente estava falando de um tabuleiro de xadrez e suas peças, e neste estamos mostrando os jogadores. Essa é uma metáfora que funciona na minha cabeça. A consciência que Nascimento toma é desses jogadores, que mexem nesse tabuleiro onde ele era uma peça no primeiro filme. O primeiro filme se dá no cotidiano da polícia. O Nascimento é o chefe de um departamento e opera nas favelas, mas não é inconsciente. Ele, por exemplo, reclama da operação do Papa. Ele é consciente de que está vivendo um drama e que precisa arranjar um substituto para ele no BOPE e colocar lá, senão a vida dele com a família não vai dar certo. Ou seja, ele tem consciência do drama cotidiano dos policiais. Foi isso o que eu aprendi quando estava escrevendo o primeiro roteiro. Quando ele é alçado, o que faz o personagem ter a consciência dos jogadores e não só a de uma peça? O fato de que as circunstâncias o levam uma posição acima. 'Cheguei onde Caveira nenhum chegou antes de mim', ele fala. Ele sai do cotidiano da polícia, não porque ele quer, mas é levado à interface entre a política e a polícia, que é a segurança pública. O Nascimento nunca foi um personagem público, ele sempre foi um cara inteligente com uma visão torta e canhestra da vida, mas quando ele chega ali, ele vê um mundo diferente.

WM: Quando a gente fala do Nascimento do primeiro para o segundo, vale lembrar que estamos falando do mesmo personagem. É o mesmo cara apenas 15 anos mais velho.

JP: Essa tomada de consciência, ela vem da situação dramática. No primeiro filme, ele quer saber como você lida com uma guerra que faz parte do seu cotidiano. Nos Estados Unidos, quando um soldado vai à guerra, ele sai do seu cotidiano e vai para o Iraque. No Rio de Janeiro, a guerra está no seu dia-a-dia. Ele vai para a guerra e depois deixa os filhos na escola, dá um beijo na sua mulher e vai para a guerra de novo. No segundo filme, ele está vendo o que é que move essa guerra. E um cara que tem essa experiência angustiada do primeiro filme, que sofreu com isso, que perdeu a mulher, não consegue lidar com seu filho, vê isso, não é de graça. A catarse eu acho que vem dessa emoção pessoal do personagem. Ele fica enjaulado o filme inteiro. Ele tá comandando Bangu, mas pelo monitor. Acompanha a subido do morro pelo helicóptero. Quando aquilo chega no limite e vem a catarse, o público vai com o personagem. E por que isso acontece? Porque esse cara é um puta ator.

WM: E acho que tem uma coisa que é preciso reconhecer. Acho que o público reconhece, naquela hora, o Nascimento que eles viram no primeiro.

JP: E isso funciona, porque é o momento da virada do filme. Tem duas frases que resumem o filme para mim: 'Imagine se o BOPE trabalhasse políticos corruptos que nem trabalha traficante na favela' e o público vai abaixo e daí vem a conclusão 'E não é o policial que puxa esse gatilho sozinho'.

Mudando de assunto, tinham alguns projetos internacionais que foram divulgados envolvendo o seu nome. Um deles é o Marching Powder, com o Don Cheadle, e outro é com a Warner envolvendo a fronteira Brasil-Uruguai-Argentina. Como andam estes projetos?

JP: O da Warner a gente parou de fazer. A Warner queria fazer um filme enorme que falasse dos Estados Unidos e eu queria tratar da tríplice fronteira, então amigavelmente paramos de fazer. E o Marching Powder eu estou escrevendo o roteiro, já estamos no segundo tratamento. E tem um outro filme, que é com a Universal, chamado Sigma Protocol, que a gente está desenvolvendo o roteiro.

Quando foi que vocês perceberam o tamanho do sucesso do primeiro Tropa de Elite?

JP: Quando me ligaram em Nova York para falar que o filme tava vendendo pra caralho na Uruguaiana. [risos]

E quando foi decidido que vocês iam fazer o segundo filme?

JP: Várias emissoras de televisão ligaram pra gente na época do primeiro filme - duas aqui do Brasil mais seriamente e duas de fora - e perguntaram se queríamos fazer uma série para a TV. Conversamos com eles, com o Fernando Meirelles, que é amigo do filme e ajudou também e falou que era para fazer, que era legal. Mas sempre essas conversas esbarravam em uma coisa: eu ia ter que assinar um contrato dizendo que o conteúdo final não era meu. A decisão final não ia ser minha porque nenhuma televisão, com toda a razão, faz uma série que ela não controla. Porque vai que o diretor é maluco... vai que é o Zé Padilha! Então chegava na hora e eu não conseguia assinar. Então, não fiz. Mas nesse processo fiquei pensando em que filme eu podia fazer. Há algumas semanas olhei os tratamentos que tínhamos feito para a minissérie e já estão lá alguns elementos que usamos neste filme. E desses pensamentos eu conversei com o Wagner, Bráulio, [Rodrigo] Pimentel, Daniel Rezende [montador], Marcos Prado [produtor] e várias vezes a gente se reuniu para conversar e chegou à conclusão de que a gente tinha mais o que falar. Foi o que eu disse antes: o Estado produz pessoas violentas no crime, produz policiais corruptos porque faltam jogadores, voltando à comparação com o tabuleiro de xadrez. E daí ficamos com vontade de fazer o filme e veio a ideia do lançamento independente. Sou muito feliz com o processo de colaboração que criamos aqui. Eu não acho que diretor é autor. Eu não assino 'Um Filme de José Padilha'. Assino: 'Dirigido por', que é a minha função. Neste filme em particular, foi muito bacana trabalhar com todo mundo e com o Wagner. E já metendo a colher onde não fui chamado, Wagner é diferente de outros grandes atores porque tem ator que pensa no seu personagem, naquela cena. E a minha função como diretor é ajudar o ator a entender o que ele tem que fazer naquele momento, e o encaixe daquilo na história fica comigo como diretor. Wagner é diferente. Ele é um ator que entende o arco do seu personagem, o que cada cena significa neste arco e os arcos dos outros personagens. Então, ele é um ator que tem visão de direção e por isso vai ter que dirigir seu filme... E eu vou ser o produtor! [risos]

WM: Estamos acertados.

Falando ainda de colaboração. Eu sou contemporâneo do Daniel Rezende da época da faculdade e conheço o trabalho do cara fazendo programa para a TV no intervalo, que já era bom. Ele mexeu no primeiro filme inteiro, e aqui ele assina direção de segunda unidade e montagem. Queria que você falasse um pouco mais do trabalho dele.

JP: O Daniel é uma pessoa muito, muito especial. Primeiro, ele é o cara mais gente fina que existe no mundo. Nunca vi o Daniel brigar com ninguém, discutir, nada. Ele é incrível, um amigão. Segundo, ele é talentoso pra dedéu. Então, nada melhor do que trabalhar com o cara. Ele resolve os seus problemas e ainda faz você rir.

WM: É outro que você vai produzir, né? [risos]

JP: Sim. Eu que vou produzir... E eu sabia que o Fernando Meirelles ia filmar, então a gente tinha que andar rápido. Ah e o Daniel fez um curta-metragem...

Que ganhou o Festival do Rio ano passado, Blackout, estrelado pelo Wagner Moura.

JP: Pois é, incrível... E eu acho que Daniel tem uma noção incrível de direção. Ele domina ali. E eu acho que o melhor lugar para você aprender cinema é na ilha de edição. No fundo, é isso. Você vê o que funciona e o que não funciona. Então eu falei 'se o Daniel vier pro set, primeiro eu vou ter um cara para dirigir cenas - a cena da Tainá [Muller] no jornal, eu nem estava lá, foi ele que fez - então nós vamos andar mais rápido. Segundo, eu não vou precisar passar pelo processo explicar todo o filme para o montador, porque ele já está no set, no dia a dia. Terceiro porque ele vai me dar 500 ideias criativas. E quarto, ele fica seguro de trabalhar em um set grande e a gente já pode emplacar um filme do Daniel Rezende.

Padilha, rapidamente, vamos falar de referências. Já foi falado de Scorsese, Michael Mann, mas este especificamente me lembrou um filme recente sobre a máfia italiana, Gomorra. Queria que você falasse de influências e especificamente deste filme, que trata de corrupção.

JP: É inevitável que o filme seja comparado com Gomorra. Faz sentido isso que você está falando. Vou fazer uma digressão para responder à sua pergunta. O deputado Marcelo Freixo foi convidado pela Anistia Internacional para falar sobre a CPI das Milícias na Europa. O primeiro país em que ele passou foi pela Alemanha e começou a explicar: 'A polícia controla o gás, os bombeiros cuidam da televisão a cabo pirata...' e os caras não entendiam do que ele estava falando, diziam que ele era maluco e ele não conseguiu explicar. O último país em que ele foi era a Itália. Quando ele disse 'a polícia controla o gás', os italianos logo sacaram 'ah, isso é a máfia'. [risos] Por isso acho que é uma comparação que faz sentido. Eu gosto muito do filme, mas não me inspirei nele. São formato muito diferentes etc. Agora, Tropa 2 é sobretudo inspirado no Tropa de Elite 1. É uma evolução do jeito de filmar. E eu gosto muito do jeito como os dois filmes contam uma história. Você olha os dois e não há redundância. Podia colar um no outro e fazer um filme só. A história anda para frente. A gente ralou muito para isso. Não queríamos cair no erro só para ser um caça-níquel porque o primeiro fez sucesso. E confesso que se esse filme espezinhar os nossos políticos e fizer com que eles se pronunciem sobre segurança pública condignamente, ótimo, porque até agora já foram sei lá quantos debates [na eleição] e não vi ninguém falar nada nesse assunto, como se não houvesse um problema. Não fiz o filme para isso, mas não vou achar ruim, não.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.