Filmes

Entrevista

Tron: O Legado | Omelete entrevista Olivia Wilde

Atriz fala sobre os sets do filme, as câmeras 3D, Disneylândia e Woody Allen

Steve Weintraub
16.12.2010
01h47
Atualizada em
11.11.2016
04h11
Atualizada em 11.11.2016 às 04h11

Quase 30 anos se passaram entre Tron (1982) e sua sequência, Tron: O Legado (2010). Nós já publicamos por aqui uma entrevista com o produtor Sean Bailey e o diretor Joe Kosinski. Agora chegou a hora de falar com Olivia Wilde, a 13 de House. Durante o bate-papo com Steve Weintraub, editor do Collider, ela falou do set do filme, as câmeras 3D, Disneylandia e Woody Allen. Veja como foi:

Tron: O Legado

None

Eu estava discutindo Woody Allen com o Jeff Bridges.

Olivia Wilde: Ah, legal. Vamos lá.

Legal, vamos falar de Woody Allen. Você tem algum filme preferido?

Nossa… Hannah e suas Irmãs, Manhattan, não dá para escolher.

Sabe que Manhattan é o meu filme preferido dele.

É muito bom.

Aquela abertura, a música de fundo… Eu venero aquele filme.

É maravilhoso. Mas Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, duvido que qualquer um seja melhor que esse.

Ouvi dizer que ganhou alguns prêmios.

Alguns.

Um ou dois. Já te perguntaram muitas coisas, então vou tentar perguntar o que ainda não foi perguntado.

Certo, legal.

Por exemplo, hipoteticamente falando, quando você está em um filme grande como Tron, o que você gostaria de levar para casa, na hora de ir embora do set? Hipotaticamente, pois sei que você não levaria nada.

Eu não teria levado nada. Mas, se eu pudesse… Eu não levaria a roupa… Provavelmente levaria um dos veículos, eu realmente gostei da minha "light bug", é o único veículo "off-road" de todos. Acho que seria útil.

Acho que voce está certa quanto a isso. Quando você participa de filme grande da Disney, isso significa que você ganha um passe livre para a Disneylândia para a vida toda?

Eu nunca estive na Disney. Nem eu, nem o [diretor] Joe Kosinsky. E quando a Disney descobriu isso eles ficaram tão chocados e horrorizados que acharam que tínhamos sido educados em internatos. Daí decidimos que nós iremos juntos. Agora que tem todo esse mundo do Tron na Disney, acho que é a melhor época para visitar. Mas espero que signifique um passe livre para a vida inteira. Eu espero mesmo.

Uma das coisas que eu realmente gostei no filme é que quando você está dentro do mundo de Tron, tudo parece real.

Sim.

Não é como um desenho

Certo…

Não dá para comparar os set de verdade com a computação gráfica.

Exatamente.

Você poderia falar um pouco mais sobre trabalhar nesses sets construídos e como isso ajuda na sua atuação?

Foi indescritível. Eles podiam ter facilmente colocado a gente nestas plataformas com chroma key e dizer: "Você está em um abrigo. Ali tem uma cama, e ali tem uma moto". Mas tudo estava lá, e era muito importante para nós sentirmos como seria o mundo de Tron de um jeito natural. Porque o que acontece com o chroma key é que cada ator tem uma ideia diferente do que é o mundo imaginário. Joe queria que tivéssemos uma ideia em comum de como era Tron, de como era esse espaço. O abrigo era o meu favorito, era como uma caverna de vidro, branca, com mobília de Philippe Starck. E quando as pessoas entrava no set ficavam sem fôlego, era muito bonito. E demos uma camiseta para o Joe que dizia "Kubrick é o escambau".

Gostei dessa camiseta. Tenho que perguntar uma coisa: trabalhar com câmeras 3D deixa o ritmo da produção mais lenta. E ouvi dizer que é um pouco mais desafiador para o ator manter o que eles organizam para o 3D. Você poderia falar sobre trabalhar com essas câmeras?

Além do tempo a mais que leva para se preparar o plano, essa experiência não afetou a minha performance. Estava um pouco preocupada com isso, não sabia como seria a experiência com a câmera 3D. Eu ficava me perguntando se não ia poder me virar, com o risco de acabar estragando a tomada se virasse para a câmera. Era um mistério para mim. É uma mídia nova, muitos atores estão experimentando pela primeira vez. Poucos filmes são filmados em 3D, ficamos orgulhosos porque estamos um passo na frente, não teve conversão, o que é louvável. Mas para o ator acho que, além do tempo extra de preparação, você só tem que interpretar como faria no palco, com 2D ou 3D.

Sei que tenho que encerrar, mas tenho que perguntar: eu vi o seu perfil no Imdb e vi todos os projectos que você tem pela frente. Você acredita onde chegou?

Eu me sinto muito sortuda. Tenho sorte de interpretar tantos personagens diferentes em tantos projetos ótimos. O fato é que Cowboys e Aliens e Tron são dois projetos que tenho muito orgulho de ter feito e agora que os dois trailers saíram ao mesmo tempo, isso me deixa louca ao ver todo o trabalho duro aparecendo. É demais.

Com certeza. Tenho que encerrar. Mas quero agradecer edizer sinceramente que você estava fantástica nesse filme.

Obrigada.

Tenha um bom dia.

Eu realmente agradeço.

Tron: O Legado estreia nesta sexta com cópias 2D e 3D e o Omelete vai continuar publicando entrevistas diárias até lá.

Leia a Crítica de Tron: O Legado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.