Filmes

Artigo

O caminho de Shazam! até os cinemas

Desvendamos os mistérios do filme com Zachary Levy

A cozinha
23.12.2019
18h11

Shazam mostrou um novo lado do universo DC nos cinemas e surpreendeu muita gente na bilheteria. Mas por que esse filme aconteceu? Por que ele foi exatamente como foi? Confira abaixo (e no vídeo acima) as principais curiosidades sobre a produção.

A história de Shazam começa lá em 2014, quando a Warner estava empolgada com a ideia de um possível universo interligado e anunciou filmes até 2020. Em 2017 sairia a primeira parte de Liga da Justiça e em 2019 o filme do herói seria o último antes da parte 2 do filme reunindo os maiores heróis da DC - ele faria algo parecido com Capitã Marvel e Vingadores: Ultimato. Então não demorou muito para a produção começar a mexer os seus pauzinhos.

A ideia original era que o Adão Negro fosse o grande vilão do filme e a Warner queria um nome promissor para o papel. Então, em 2014 mesmo, antes de qualquer coisa, Dwayne "The Rock" Johnson foi escalado. Porém, após Liga da Justiça, muita coisa no Universo Estendido da DC começou a mudar. O filme não chegou a ser um fracasso, mas a mudança de diretor no meio do caminho e o fato de que os maiores heróis da editora fizeram apenas US$ 657 milhões na bilheteria mundial fez com que a DC decidisse mudar de rumo.

Com isso, o filme atrasou e nesse meio tempo um “acidente” aconteceu: The Rock virou uma estrela gigantesca. Então, antes mesmo da produção começar, ele decidiu largar a produção pra fazer um filme solo do personagem e deixou um pepino na mão do diretor David F. Sandberg: encontrar um novo rival para o herói.

A história seria baseada na minissérie de Geoff Johns, então uma adaptação era bem possível. Ao invés do Doutor Silvana estar em uma busca para encontrar o Adão Negro, ele estaria em uma simples busca de poder. Ok, essa é bem tranquila. Para fazer o personagem chamaram Mark Strong, que viveu seu segundo vilão na DC depois de sua participação em Lanterna Verde. Agora, pelo menos era em um filme muito mais promissor. Muito bem, tudo certo. Substituição feita com sucesso, tem uma história de base boa, agora é só filmar… quer dizer, só faltou uma coisa: achar um ator capaz de fazer o Shazam.

O diretor queria um ator que conseguisse equilibrar muito bem as cenas de ação e também entendesse de humor - uma coisa parecida com que a Marvel fez com Chris Pratt em Guardiões da Galáxia. Por isso ele se reuniu com atores como John Cena, Jake McDorman e diversos outros nomes famosos e nem tão famosos de Hollywood. Demorou, mas ele encontrou em Zachary Levi uma pessoa que poderia, basicamente, entender a cabeça de uma criança.

Com um roteiro mais leve e repleto de piadas - que verdadeiramente se diverte com o fato de ser um filme de herói - o longa estreou em abril ao redor do mundo e não fez feio não. A produção não teve um orçamento muito grande - custou em torno de US$ 100 milhões, algo até que baixo se comparado com outras grandes produções baseadas em quadrinhos. Muitos acreditavam que se fizesse US$ 230 milhões já estava bom, mas o longa foi lá e fez US$ 365 milhões, garantiu uma sequência e The Rock pode respirar aliviado pois seu derivado do Adão Negro já tem até data pra estrear: dezembro de 2021.