Por dentro de Vingadores - Guerra Infinita: uma conversa com Mantis, Feiticeira Escarlate e Nebulosa

Filmes

Artigo

Por dentro de Vingadores - Guerra Infinita: uma conversa com Mantis, Feiticeira Escarlate e Nebulosa

Visitamos o set do maior filme do Marvel Studios e conversamos com o elenco

Thiago Romariz
24.04.2018
11h59
Atualizada em
25.04.2018
09h31
Atualizada em 25.04.2018 às 09h31

O dia estava terminando. Depois de entrevistar mais da metade do elenco de Vingadores: Guerra Infinita, saí do galpão para andar um pouco. Durante os intervalos entre as entrevistas dava tempo de escrever um texto, tomar um café e conversar com um ou outro assistente de produção que estava por ali. Agora, o assessor repetia a rotina das últimas horas. Ele entrou pela porta dos fundos e anunciou que as próximas a entrar no local seriam Pom Klementieff, Elizabeth Olsen e Karen Gillan. Chegava a hora de entrevistar Mantis, Feiticeira Escarlate e Nebulosa.

Levaria alguns minutos para elas entrarem, então era a minha chance de comer alguma coisa, beber uma água, pelo menos. Enquanto ia até a mesa de frutas e bebidas, um dos assistentes de produção começou a falar sem parar sobre o processo de filmagem. Foram quase mil pessoas participando daquele projeto, mais de um ano de trabalho e inúmeros segredos envolvidos. Ele mesmo não sabia de quase nada do filme - ou ao menos garantia isso. O mais curioso de todo o papo, porém, foi notar como todos os envolvidos no trabalho da Marvel Studios entendem que os filmes são parte de um todo.

O assistente trabalhara em Homem-Aranha: De Volta ao Lar, Homem-Formiga, nas refilmagens de Thor: Ragnarok e estava em Guerra Infinita e Vingadores 4 desde o final de 2016. E a exigência para este projeto, segundo ele, era algo fora do comum, refletido pelo codinome da produção: Mary Lou. A escolha faz referência a uma ginasta americana que conseguiu duas notas 10 seguidas nas Olimpíadas de 1984, garantindo a medalha de ouro. "Eles querem fazer o maior evento do cinema mundial com esses filmes", dizia o assistente. A Marvel, de fato, está em busca de um feito tão incrível quanto o de Mary Lou.

Terminado meu café e ainda com uma maçã em mãos, ouço o burburinho vindo da porta lá atrás. Pom, Elizabeth e Karen estão entrando no galpão. O trio acabara de sair de uma filmagem e as três ainda usavam as roupas das personagens, mas agasalharam-se para evitar o frio que chegava na noite de Atlanta. Ainda assim, a entrevista foi basicamente com Pom, Elizabeth e Nebulosa, já que Karen estava 100% vestida e maquiada como a irmã de Gamora. De cara dava pra notar que não era uma maquiagem propriamente dita. Ela vestia uma máscara que era complementada por maquiagem. Era impressionante, não parecia falso, não parecia de mentira. Era a Nebulosa.

"Fico me coçando aqui no pescoço", disse a atriz quando se sentou para começar a entrevista. Ela foi o primeiro alvo das perguntas, que se direcionaram para entender o desafio daquela maquiagem e do set em si: o mais grandioso da Marvel até aquele momento. "Eu acho que o meu maior desafio ainda é a maquiagem, mas estou tentando pensar em algo que eu possa falar sem entregar nada da trama… Na verdade, toda cena de luta para mim é complicada pois fico parecendo um spaghetti se mexendo. Aí vem a dublê e me faz parecer incrível. Tenho que convencer com o rosto, então tudo bem", brincou.

Para Olsen, o desafio era semelhante, mas num aspecto diferente. "Hoje me senti tão estúpida, honestamente, pois tive que fazer muita coisa sozinha. Sempre que me sinto estúpida é um dia difícil no set. Na verdade, você se sente idiota a maior parte do tempo, mas quando você está com o elenco todo é diferente. É muito mais legal, você acredita e vai. Agora quando estou sozinha e tenho que ficar fazendo gestos e fingindo que estou voando, pulando. Tenho vergonha, me sinto meio ridícula", completou, enquanto fazia os movimentos de voo da personagem, que deve ter um importante papel na Guerra Infinita.

E a maior parte dessa participação da Feiticeira se deve ao relacionamento com Visão, personagem que tem uma Joia do Infinito na testa. "Nós exploramos mais [esse relacionamento]. Foi muito bom trabalhar com Paul [Bettany], pois a gente não sabia como ia ser o desenvolvimento disso tudo lá em Era de Ultron. Ali nós começamos algo que agora sim nos aprofundamos. É algo que nos ancora no filme e adorei trabalhar nisso. Espero poder fazer mais", disse Olsen, cuja personagem apareceu pela primeira vez no Universo Marvel nas cenas pós-créditos de Capitão América: O Soldado Invernal, ao lado do já falecido irmão Mercúrio.

A mais novata da turma era Pom, a esquisitinha Mantis de Guardiões da Galáxia Vol. 2. Mais tímida que as companheiras, ela estava menos falante, mas não menos atenta e empolgada com as filmagens. "É tudo muito grande. Quero dizer, são tantas pessoas e tantos atores incríveis. Em Guardiões, no filme em si, éramos mais parecidos com uma família porque todos nós nos conhecemos. Mas [aqui] começamos a conhecer mais as outras pessoas e assim vamos nos aproximando", disse. "É diferente também porque com James Gunn a gente sabia exatamente o que fazer. Ensaiamos durante semanas, íamos pro set super preparados e adicionamos coisas no momento", falou a atriz, que foi prontamente interrompida por Elizabeth Olsen.

"É sério?". "Sim, juro. Facilitava muito e ensaiamos demais", disse Pom, sendo apoiada por Karen. "Isso facilitaria mesmo a vida. Porque literalmente vou filmar tendo pegado parte do roteiro naquela manhã, porque não estou autorizada a ver nada. Então chego e pergunto pro time de dublês: o que estamos fazendo? Eles são como nós e também não sabem de nada. Então esperamos até saber um pouco para começar. E isso é aterrorizante", contou Olsen. "É, isso é muito diferente, mas estamos todo no mesmo barco aqui. Todo mundo está nessa toada", contemporizou Gillan. "Você leu o roteiro?", questionou a Feiticeira. "Não", respondeu Nebulosa. "Eu li do terceiro", disse Pom. "É, tudo bem", finalizou uma descrente, Elizabeth Olsen.

Das três, talvez a mais ligada à trama de Guerra Infinita seja Karen Gillan. Nebulosa foi apresentada em Guardiões da Galáxia e tem conexão direta com Thanos. Ela é filha do Titã, assim como Gamora. A relação das duas com a pai deve ser explorada em Vingadores, assim como a relação entre as irmãs. "Realmente não sei o que posso dizer sem entrar nos spoilers, mas posso dizer que a relação delas duas fica muito interessante por causa de um certo elemento que não posso falar o que é", contou. E sobre Thanos, a atriz acredita que Josh Brolin fez algo que transcende o vilão tradicional. "Ele conseguiu dar humanidade a um cara que podia ser muito simplório. Ele é ótimo, grande voz aliás. Um cara super engraçado também. Mas não no set. Ele ficou assustador como Thanos", brincou Karen.

"É verdade que o Downey Jr. reuniu todo mundo para um jantar nos últimos dias?", perguntou um jornalista. "Sim, ele faz sempre. Ele tenta. Tenta não, ele consegue sempre reunir todo mundo e fazer o pessoal todo se sentir bem. Teve uma vez que tinha até uma banda de mariachi. Achei meio extravagante, mas foi ótimo. Ele realmente é um cara que consegue agregar", disse Karen. A entrevista estava terminando. Bem mais rápido que o normal. O assessor interrompeu o papo e levou as atrizes. Elas se levantaram e a batida da porta dos fundos denunciou o fim de mais uma etapa daquele dia. No entanto, a primeira coisa que fiz foi procurar entender o porquê do tempo curto no tempo de entrevista das atrizes. "Os diretores são os próximos", respondeu o assessor. Estava explicado. Os responsáveis por tudo seriam os próximos, e encerrariam aquele dia de sonho. Era hora de saber do quarto filme, dos desafios, dos atores e até dos X-Men e dos Vingadores no cinema.

Por dentro de Vingadores: Guerra Infinita