Filmes

Entrevista

Oppenheimer | Nolan rejeita rótulo de “biopic”: “Esse gênero não existe”

Diretor explica que, se for bem-sucedido, filme biográfico é visto de forma diferente

Omelete
2 min de leitura
18.07.2023, às 06H00.

Christopher Nolan considera Oppenheimer o filme mais pessoal de sua carreira - só não o classifique como uma cinebiografia (ou, no termo em inglês, biopic). Em entrevista ao Omelete, o cineasta explicou o seu problema com o termo.

Para mim, esse é um gênero que não existe: se você tenta contar a história da vida de alguém no cinema, seja em Lawrence da Arábia ou Cidadão Kane, e é bem-sucedido... ninguém mais chama seu filme de cinebiografia! Ele se torna uma aventura, um drama ou algo assim”, comenta.

No caso de Oppenheimer, emenda Nolan, a ideia foi fazer um thriller psicológico: “Minha missão era entrar na cabeça dele, entender o que ele via naquele mundo quântico ao qual só ele tinha acesso, e que ele extrapolou para criar essa arma de destruição em massa.

Abordar a história do físico que criou a bomba atômica, inclusive, foi um exercício quase terapêutico para o cineasta. “Uma parte da minha fascinação [por Oppenheimer] vem do medo terrível de armas nucleares que eu desenvolvi na adolescência. Crescendo durante os anos 1980, no Reino Unido, esse era um assunto muito predominante”, relata.

Por outro lado, a história da vida dele é uma das mais dramáticas que eu já encontrei, então me senti atraído por esse desafio de trazer o público para o mundo dele, contar esse momento histórico através dos olhos dele”, completa.

Oppenheimer estreia em 20 de julho nos cinemas brasileiros.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.