O Retorno de Mary Poppins | “Tiramos animadores da aposentadoria”, diz diretor

Créditos da imagem: O Retorno de Mary Poppins/Walt Disney/Reprodução

Filmes

Artigo

O Retorno de Mary Poppins | “Tiramos animadores da aposentadoria”, diz diretor

Musical recria momento emblemático do filme original, levando as crianças Banks para um mundo de desenho animado

Mariana Canhisares
19.12.2018
13h49

Em uma época em que a animação é imediatamente associada à computação gráfica, o diretor Rob Marshall se propôs a resgatar em O Retorno de Mary Poppins uma forma de arte praticamente abandonada por Hollywood, a animação 2D feita à mão. A escolha não é um mero capricho para se diferenciar dos demais blockbusters da temporada, como Aquaman e Bumblebee. “Queria realmente prestar uma homenagem ao filme original”, conta o cineasta, fã da babá fantástica desde os quatro anos de idade.

Para manter o DNA de Mary Poppins na sua sequência, Marshall recriou com a técnica um dos momentos mais emblemáticos do musical de 1964, a viagem das crianças Banks para um mundo com animais falantes. Mas, enquanto Julie Andrews e Dick van Dyke pulam para dentro de um desenho de giz no chão do parque, Emily Blunt e Lin-Manuel Miranda foram conhecer este mundo com o trio mirim através de um vaso muito importante para a família. Confira:

“Essa foi a sequência mais complicada de todo o filme”, explica o diretor. Há o óbvio desafio técnico de garantir que a coreografia dos atores, incluindo as crianças, funcionasse por si só, além, é claro, das interações com todos animais animados. Deve-se considerar também que todo o passeio dura cerca de 15 minutos do filme. Logo, as filmagens não foram nem simples, nem rápidas.

Mas os obstáculos começaram antes mesmo da produção, quando o cineasta e sua equipe se deram conta da escassez de profissionais especializados neste estilo de animação. “Precisamos tirar muitos animadores da aposentadoria, porque é uma espécie de arte perdida”. Mas, pelo relato de Marshall, nem tudo está perdido. “O que me deu muita esperança foi que muitos dos nossos animadores também eram novos, com 20 e poucos anos. Eles queriam aprender com os animadores mais velhos essa arte maravilhosa”.

Dificuldades à parte, Rob Marshall ficou muito satisfeito com o resultado final. “Você sente no filme que tudo foi desenhado à mão e parece uma obra de arte. Queria realmente prestar homenagem ao original desse jeito”.

O Retorno de Mary Poppins estreia em 20 de dezembro.