Minions 2 | Leandro Hassum conta desafios de dublar Gru criança

Créditos da imagem: Divulgação

Filmes

Artigo

Minions 2 | Leandro Hassum conta desafios de dublar Gru criança

Ator falou ao Omelete sobre o novo trabalho

Omelete
4 min de leitura
Pedro Strazza
01.07.2022, às 16H18
ATUALIZADA EM 01.07.2022, ÀS 16H51
ATUALIZADA EM 01.07.2022, ÀS 16H51

Um dos artifícios de venda mais tradicionais do mercado de cinema atual, a escolha de celebridades para dublar animações já há alguns anos se converteu em ponto de discussão da internet brasileira. Em especial porque a dublagem se tornou uma ferramenta popularizada, claro, com profissionais ganhando fãs e trabalhos específicos sendo exaltados como parte da nostalgia vigente, mas também pelos casos de ruído nessas escolhas que marcaram o imaginário do público.

Basta citar Enrolados que muitos já se recordam do trauma da participação de Luciano Huck na dublagem da animação da Disney, por exemplo, mas a questão parece ter transcendido o cenário de um infortúnio isolado para se tornar um tópico em si. Só para ficar na mesma distribuidora, é difícil esquecer do caso midiático que se tornou a escolha de Fábio Porchat para dar voz a Olaf em Frozen: Uma Aventura Congelante - sobretudo em como o ator teve que demonstrar publicamente seu comprometimento com o trabalho - ou, mais recentemente, no trabalho de marketing envolvido para anunciar que Marcos Mion substituiria Guilherme Briggs como voz de Buzz Lightyear no filme solo do personagem.

Todo o destrinchamento vigente do debate do marketing versus dublagem pode parecer uma anomalia na perspectiva histórica, e um bom exemplo disso talvez seja o de Leandro Hassum e Meu Malvado Favorito. O ator e comediante é desde 2010 a voz do protagonista Gru na franquia de animação da Illumination, se mantendo no ofício mesmo depois de três filmes e dois derivados lançados.

Muita coisa mudou nesses doze anos, sobretudo do lado de Hassum. O artista deixou de ser conhecido pela parceria com Marcius Melhem em Os Caras de Pau - que lhe rendeu o convite pro primeiro Meu Malvado Favorito, aliás - para se tornar uma potência de exportação da comédia brasileira, com direito a ser dono tanto de uma franquia de grande sucesso nas bilheterias (Até que a Sorte nos Separe) quanto do filme nacional e original Netflix mais visto da plataforma, o natalino Tudo Bem No Natal Que Vem.

O que explica então o comprometimento do artista com o personagem? Paixão, acima de tudo. Durante conversa com o Omelete para divulgar o novo filme da franquia, Minions 2: A Origem de Gru, Hassum não hesita em declarar inúmeras vezes sua paixão pelo universo da dublagem e o papel que desempenha, citando inclusive ter “um carinho enorme” pelo vilão tornado pai - mesmo que muitos não percebam mais o seu crédito.

Muitas pessoas não sabem que sou eu que faço”, diz o ator na entrevista; “Como a minha voz fica muito diferente quando eu faço Gru as pessoas não sabem, e aí às vezes alguém fala ‘Meu Deus! É você o Gru! Eu amo!’”. A dedicação é tamanha que ele lembra das várias ocasiões em que o público não sabia da informação que ele também era responsável pela dublagem de Dru, o irmão do protagonista apresentado em Meu Malvado Favorito 3: “Muita gente também não sabe que sou eu quem dubla o Dru. Acham que são dois atores”, afirma, brincando logo a seguir com a forma carinhosa com a qual lida com essas situações.

A longa experiência de Hassum com o personagem também lhe rendeu uma experiência muito vasta com o ofício da dublagem, até porque o personagem foi mudando ao longo dos anos. “Eu sou um cara que aprendi a dublar, então consigo chegar lá e já entender um pouco mais do que é que o diretor quer” reflete na conversa; “Eu já consigo às vezes dublar sem olhar para a tela - que é o que os dubladores profissionais fazem, olhando só o número aonde começa a fala para pegar a musicalidade - e você vai pegando uma intimidade maior”. Apesar do progresso, o ator é categórico em dizer que “a dificuldade é sempre igual”, especialmente com os avanços da animação: “ela tem ficado cada vez mais aprimorada no lado tecnológico, então às vezes você sincroniza coisas como os gritos, o berrinho, o detalhe do som para dentro…”.

No caso específico deste segundo Minions, o desafio maior foi de criar uma identidade específica para a voz de Gru quando criança, o que para o artista envolveu sobretudo preservar o personagem no processo. “A gente trabalhou para não perder a característica do Gru, mas demos uma suavizada na voz”, explica; “Eu buscava uma coisa que é o que tá mudando na voz, aquele momento do pré-adolescente em que se começa a mudar a voz. Aí ele às vezes está mais suave, em algo mais delicado para a voz, e às vezes rola aquela escapada”.

Nessa hora se percebe o carinho que Hassum tanto fala possuir pela profissão, mas não apenas nos detalhes do trabalho que conta ao entrevistador. Durante a resposta, o dublador faz questão de incluir o diretor de dublagem Manolo Rey nos créditos pelo sucesso da busca pelo tom de voz do jovem Gru, além de reforçar que Rey é “uma pessoa maravilhosa que, para quem não sabe, é também a voz do Homem-Aranha”. Uma sensação de deslumbre que parte de dentro, de uma criança interior que, depois de todos os anos de ofício, ainda encontra nas pequenas informações um sorriso.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.