Filmes

Artigo

Lembra desse? Batman no cinema - Parte 4

Burton está de volta a Gotham em Batman: O Retorno

José Aguiar
30.10.2002
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h13
Atualizada em 21.09.2014 às 13h13

BURTON RETURNS

Leia o especial Lembra Desse? Batman no cinema completo, clicando aqui

Em 1992, chegou, novamente sob a tutela de Tim Burton, Batman: O retorno. Desta vez, parecia que a coisa ia dar pé. Graças ao sucesso do primeiro, agora o diretor tinha total liberdade criativa. Mais Dark, mais sombrio, mas ainda assim... algo estava errado.

 

A atmosfera gótica continuou perfeita, os cenários mais deslumbrantes, mas o tal do roteiro que é bom... continuou aquela coisa de louco.

Em todos os aspectos, este filme tem melhor acabamento do que o primeiro. É bem mais agradável de se ver. Burton está completamente à vontade na direção e tudo parece mais maduro. Infelizmente, no entanto, ele ainda deve ter se recusado a ler qualquer gibi do Morcegão, tamanhas as mancadas que os fãs foram obrigados a engolir.

Verdade seja dita, o roteiro tenta ganhar o espectador. Para se integrar à sociedade, o Pingüim, vivido por Danny DeVito, um paria que governa os subterrâneos, seqüestra o filho do prefeito e o devolve como um samaritano, tornando-se o novo ídolo da cidade. O inescrupuloso empresário Schreck vê nisso a oportunidade de ganhar poder político e lança a candidatura do Pingüim à prefeitura de Gotham. Acredita que pode facilmente manipulá-lo. Sua secretária, Selina Kyle, interpretada por Michelle Pffeifer ouve os planos e é jogada da janela. Mais tarde, volta como Mulher-Gato para se vingar. Batman tenta impedi-la, mas acaba sendo acusado de assassinato e perseguido pela polícia. Neste interim, Bruce Wayne envolve-se amorosamente com Selina, sem saber que ela é a sua inimiga. Parece bom, não é mesmo? O filme até funciona, se você fizer vista grossa aos...

NOVOS PECADOS CAPITAIS:

Michael Keaton: Ora, para quê insistir no erro? Está certo que, neste filme, ele não está tão pamonha quanto no anterior e até faz biquinho de malvado. Mas que ele não leva o menor jeito pra coisa, não leva mesmo...

Origem do Pingüim: Bebê deformado é jogado num rio e encontrado por pingüins que vivem no esgoto e o adotam! Mais lógico, impossível. Imaginou se ele fosse encontrado pelas Tartarugas Ninja?

Origem da Mulher-Gato: Secretária debilóide cai de um edifício e não morre. É mordida por dezenas de gatos e...TCHARAM! Torna-se a Mulher-Gato! Costura um traje sado-masô, aprende artes marciais e a usar chicote num passe de mágica! Assim vai ter muito marmanjo jogando a mulher do prédio...

Excesso de personagens: Como contar com profundidade a origens de dois interessantes vilões e ainda por cima se aprofundar em outras personagens importantes, como o industrial Schreck? E sem deixar o Batman de lado? Resposta: Não tem como! Novamente, o morcego vai a escanteio.

Pingüins teleguiados: Não basta serem capazes de prover, ensinar a falar e vestir uma criança humana. Eles têm que lançar mísseis!

O Clímax: Batman rasga (ai, ai) sua máscara de plástico diante da Mulher-Gato e Schreck exclama: Bruce Wayne? Por que você está vestido de Batman? Mulher-Gato responde: Por que ele é o Batman, Imbecil! Como podemos perceber, o roteiro havia acabado pelo menos meia-hora antes. Os atores estavam improvisando suas falas. Ou não????

ALGUMAS VIRTUDES (ou quase):

1. A armadura do Batman: O rosto de Keaton já não dança mais no interior da máscara. E o novo desenho do traje até permite meia dúzia de movimentos semi-naturais. Robocop morreria de inveja.

2. O Visual do Pingüim e da Mulher-Gato: Tudo de acordo com a atmosfera do filme. Ambos ficaram muito bem resolvidos. Em especial o Pingüim, inspirado na personagem-título do filme O gabinete do Dr. Caligari

3. Danny Devito e Michelle Pffeifer: Ambos roubam a cena cada vez que aparecem. Ele, transbordando diálogos maliciosos. Ela, idem, só que com muito mais charme e sensualidade. Exatamente como o papel pede: Miau!

4. Ainda nem sinal do mala-sem-alça do Robin!

BAT- CURIOSIDADES:

O roteiro é levemente baseado no episódio Pingüim- O Candidato (Hizzonner the Penguin) da telessérie dos anos 60, onde o Pingüim candidata-se à prefeitura de Gotham.

O nome Max Schreck, personagem de Chistopher Walker, é o do ator que interpretou Nosferatu, no filme expressionista homônimo.

Depois de tanto rojão, Tim Burton largou a batuta e foi cuidar de sua vida. Os fãs respiraram aliviados, pois quem sabe agora, Batman poderia ganhar um filme decente. Ledo engano. Aguarde detalhes da tragédia...

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.