Filmes

Notícia

Kung Fu Panda

Comédia de ação animada acerta em cheio no princípio budista da honestidade

Érico Borgo
03.07.2008
17h00
Atualizada em
21.09.2014
13h37
Atualizada em 21.09.2014 às 13h37

Enquanto a Pixar segue uma linha de animações mais complexas e inteligentes, cheias de significado e visualmente arrojadas, as demais produtoras seguem apostando no básico: Ação e muito humor. Vez por outra, porém, saem produções desse segundo escalão tão boas quanto às do estúdio ligado à Disney. A DreamWorks Animation já havia acertado em cheio com Shrek e agora cria um novo personagem com tanto potencial para tornar-se uma nova franquia milionária quanto o ogro verde: O panda Po.

Dublado pelo excelente comediante Jack Black, que lhe forneceu alguns dos movimentos e diálogos além da voz, o ursídeo protagoniza Kung Fu Panda. Com pouquíssimas pretensões narrativas a não ser 90 minutos de bem-humorada aventura, o filme destaca-se especialmente pela direção de arte. A técnica da computação gráfica é belíssima, atenta aos menores detalhes plásticos e extremamente colorida, estilizada mas com algo de oriental - obviamente aproveitando-se da ambientação na China, país do momento pela relevância econômica no planeta e pelos Jogos Olímpicos de Pequim.

panda

None

panda

None

1

None

O design dos personagens e sua pesquisa é igualmente digno de nota. Os "Cinco Furiosos" - Louva-a-Deus (Seth Rogen), Macaco (Jackie Chan), Garça (David Cross), Tigresa (Angelina Jolie) e Víbora (Lucy Liu) usam nomes de animais cujos movimentos inspiraram escolas do kung-fu. Já o diminuto Mestre Shifu (Dustin Hoffman) tem seu nome derivado do chinês "sifu", que significa "mestre" num sentido quase paternal. A coreografia dos cinco primeiros nas lutas é empolgante e criativa, digna de produções chinesas de artes marciais, imaginando como seria se os animais realmente lutassem o kung-fu que eles inspiraram os humanos a inventar.

Na história, co-dirigida por John Stevenson (Father of the Pride) e Mark Osborne (episódios de Bob Esponja), Po, um urso preguiçoso e comilão que ajuda o pai na sua vendinha de macarrão, descobre que é "O Escolhido" e, segundo uma profecia, deve salvar o Vale da Paz quando o leopardo Tai Long (dotado do icônico vozeirão de Ian McShane) escapa de sua prisão (seqüência, aliás, excepcionalmente bem feita). Cabe então à equipe de mestres transformar o gorducho panda no lutador que ele precisa ser para encarar seu destino e salvar seu lar.

Mas se o roteiro é despretensioso, fora uma ou outra cena inofensiva de "budismo pra ocidental ver" e umas lições de auto-afirmação dignas dos filmes da Xuxa, isso não significa que tenha momentos de puro brilhantismo. A cena com Po fora do templo onde está sendo conduzido o torneio para definir o Guerreiro Dragão é excelente por não mostrar nada do que está acontecendo lá dentro. A sugestão, através do som, um narrador e eventuais pirotecnias que escapam à edificação, é desesperadora. Assim como o Panda, que não consegue enxergar seus ídolos lá dentro, ficamos angustiados. Outro detalhe genial é a hilária relação do urso com o pai (um ganso!), que o filme deixa sem qualquer explicação, num delicioso momento nonsense. Se os dois são tão tapados e estão felizes daquele jeito, pra quê você vai querer saber suas origens? A cativante irrelevância desse momento é outro dos trunfos do texto, que inclui ainda outros detalhes divertidos, como o fato de todos os cidadãos serem "comida chinesa" (porcos, patos, coelhos...).

Ok, confesso que não entendi muito bem a referência culinária e tentei entendê-la questionando a bela Lucy Liu, que me devolveu a pérola "não os vejo como comida, sou vegetariana". Egocêntrica a moça... ora, se ela não os vê assim não significa que os produtores não tenham pensando nisso. É óbvia demais a relação para ser ignorada.

Comida chinesa e lições à parte, esta é uma comédia de ação animada sem vergonha de ser apenas isso: Uma comédia de ação animada. Dessa forma, de todos os princípios budistas, fica a certeza que ao menos um é perfeitamente entendido pela produção, o de que o homem deve viver uma vida honesta. Sim, porque honestidade não falta a Kung Fu Panda.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.