Almodóvar e outros 300 cineastas protestam contra extinção do INCAA na Argentina

Créditos da imagem: Reprodução

Filmes

Notícia

Almodóvar e outros 300 cineastas protestam contra extinção do INCAA na Argentina

Presidente argentino Javier Milei cortou investimentos da indústria audiovisual do país

Omelete
2 min de leitura
22.01.2024, às 17H07

O diretor brasileiro Kleber Mendonça Filho (Bacurau), o espanhol Pedro Almodóvar (Dor e Glória), o mexicano Alejandro González Iñárritu (O Regresso) e mais de 300 cineastas assinaram uma petição contra a decisão do presidente da Argentina Javier Milei de cortar os investimentos destinados à indústria audiovisual no país. Com um decreto, o político acabou com o Instituto Nacional de Cinema e Artes Audiovisuais (INCAA) e com a Escola Nacional de Experimentação e Realização Cinematográfica (ENERC).

Diversos artistas ao redor do globo também assinaram a petição em protesto. O texto inclui as assinaturas de atores como Gael García Bernal (Mozart in the Jungle) e Diego Luna (Andor).

Em comunicado, a recém-formada coligação Cine Argentino Unido, liderada por associações de profissionais de cinema, afirmou: "A Argentina construiu uma indústria cinematográfica vibrante, heterogénea e dinâmica desde o seu início. Desde 1944, o país conta com instituições estatais que regulam e promovem a atividade cinematográfica utilizando os recursos gerados pela exploração audiovisual. Hoje, a indústria cinematográfica envolve dezenas de milhares de empregos de qualidade e forma profissionais que colaboram em coproduções em todo o mundo [...] Nada disso teria sido possível sem políticas públicas de promoção da cultura e sem a Lei do Cinema que prevê verbas específicas para a atividade."

"O cinema argentino é uma indústria próspera que gera milhares de empregos, exporta conteúdo e traz investimentos estrangeiros para o país. A implementação deste projeto de lei terá um efeito devastador, incalculável e irreparável em toda a cultura e na soberania nacional, especialmente para os trabalhadores que dependem das indústrias culturais, resultando em milhares de novos desempregados", continua o texto.

A medida, no entanto, ainda pode ser derrubada. À Variety, a cineasta Celina Morga, integrante da coaligação, disse que o grupo está conversando com membros do Congresso argentino para que o decreto de Milei contra a indústria cinematográfica seja barrado em votação.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.