Jair Bolsonaro considera extinguir a Ancine

Créditos da imagem: Reprodução

Filmes

Notícia

Jair Bolsonaro considera extinguir a Ancine

Presidente teria considerado absurdos projetos aprovados pelo órgão oficial

Mariana Canhisares
20.07.2019
12h01

O presidente Jair Bolsonaro considera fazer mudanças drásticas na Agência Nacional do Cinema (Ancine), de acordo com a colunista da Folha de S.Paulo Mônica Bergamo. Entre as medidas possíveis, ele cogita extinguir o órgão oficial ou privatizá-lo, além da possibilidade de transferi-lo do Rio de Janeiro para Brasília, diretamente para a Secretaria de Comunicação (Secom), dentro do Ministério da Cidadania.

A insatisfação de Bolsonaro se deve à disputa de cargos na área da cultura e a relatos de projetos aprovados pela Ancine que o presidente entende como absurdos. Um exemplo é o reality Born to Fashion, cuja premissa é revelar modelos trans. Outro título citado foi o filme Bruna Surfistinha, lançado em 2011, que narra a história de Raquel Pacheco, antiga garota de programa que ganhou fama ao desenvolver um blog sobre seus clientes.

O presidente admite que nunca assistiu ao longa. "Eu não, pô. Vou perder tempo com Bruna Surfistinha? Eu estou com 64 anos de idade. Se bem que eu tenho uma filha de oito anos, sem aditivo", disse na última sexta-feira (19) durante participação no culto na Igreja Sara Nossa Terra. Porém, para ele, Bruna Surfistinha seria um exemplo de produção audiovisual que não deveria receber patrocínio federal por fazer o que ele considera como "ativismo".

"Não somos contra essa ou aquela opção, mas o ativismo não podemos permitir em respeito às famílias. É uma coisa que mudou com a chegada do governo", disse.

A lista da Ancine enviada para a avaliação do presidente, revelada por Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo deste sábado, inclui ainda a sitcom Dra. Darci, estrelada pelo comediante Tom Cavalcante, e a adaptação do bestseller O Sol na Cabeça, de Geovani Martins.

A decisão sobre o destino da Ancine originalmente seria tomada na última quinta-feira (18), quando Bolsonaro se encontraria com o ministro da Cidadania Osmar Terra. Porém, até o momento, nenhuma anúncio oficial foi feito. Procurada pelo Omelete, a Ancine não deu posicionamento oficial até a publicação desta matéria.

Criada em 2001, a Ancine é uma agência reguladora com a função de fomentar, regular e fiscalizar as produções cinematográfica e videofonográfica no Brasil.