Filmes

Artigo

<i>Ed Wood</i> em DVD - 10 anos depois

<i>Ed Wood</i> em DVD - 10 anos depois

José Aguiar
17.08.2004
00h00
Atualizada em
08.12.2016
21h04
Atualizada em 08.12.2016 às 21h04
Ed Wood
Ed Wood
- EUA, 1994
Comédia / Drama - 100 min.
Direção: Tim Burton.
Roteiro:
Scott Alexander e Larry Karaszewski, baseados no livro de Rudolph Grey

Elenco:

Johnny Depp, Martin Landau, Sarah Jessica Parker, Patricia Arquette, Bill Murray, Jeffrey Jones, Vincent DOnofrio, Lisa Marie, G.D. Spradlin, Max Casella, Brent Hinkley, Juliet Landau.
Extras: Menu Interativo; Seleção de Cenas; Formato de tela: Widescreen Anamófico (1,85); Áudio: Dolby Digital 5.1 (Inglês), Dolby Digital 2.0 (Português e Espanhol); Legendas: Português, Inglês, Espanhol.
5 ovos!

Tim Burton é um cineasta irregular cujo inigualável talento em criar fábulas modernas só é maculado por besteiras comercialóides como Batman, Marte Ataca ou a equivocada refilmagem de O Planeta dos Macacos. Mas uma coisa nele é inegável: quando realmente se entrega de coração a um filme, o que vem pela frente é inesquecível. Que o digam O Estranho Mundo de Jack, Peixe Grande ou Edward Mãos de Tesoura.

Pois foi com outro Edward que Burton atingiu o ápice de sua carreira como diretor de cinema. Em 1994, ele contou ao mundo a vida do pior diretor de todos os tempos, Ed Wood.

Burton nunca escondeu sua paixão pelos filmes "B", pelas soluções típicas do trash e o charme artesanal de que só essas produções são capazes. Aqui, numa só tacada, ele homenageou o gênero com um todo, resgatando dois ícones perdidos do cinema: Wood e o insuperável Bela Lugosi.

No papel principal, a costumeira contraparte de Burton nas telas: Johnny Depp, de dentadura e casaco angorá, personificando à perfeição o amor sem freios nem senso crítico de Wood pela sétima arte, numa das atuações mais divertidas de sua carreira. O diretor trash vive no fundo do poço e é lá que ele encontra Bela Lugosi, o mais famoso Drácula das telas. Como os projetos do cineasta são ruins, toscos, ingênuos e não funcionam, Lugosi se torna a esperança de atrair investimento a eles. Mas o astro decadente mal é lembrado pelos produtores e sua vida só encontra algum alento na amizade e nos filmes fuleiros de Wood.

Magistralmente interpretado por Martin Landau, Lugosi é um homem real, frágil, vitimado pelo vício e nem por isso digno de pena. Landau recebeu o merecido Oscar de ator coadjuvante por seu desempenho ímpar. A impressionante maquiagem minimalista do mestre Ricky Baker, que literalmente transformou Landau em Lugosi, também foi premiada com o prêmio da Academia.

Desfilam ainda pela tela outros tipos impagáveis do universo de Wood, como o tosco gigante sueco Tor Jonson, a ex-apresentadora de filmes de horror Vampira e o amigo homossexual que pretende trocar de sexo, brilhantemente interpretado por Bill Murray. Como se não bastasse essa trupe de desajustados, o próprio Ed era um travesti. Mas nada se compara à sutileza do encontro entre Ed Wood e Orson Welles (considerado um dos maiores cineastas de todos os tempos) numa mesa de bar discutindo seus problemas comuns. Evento que rende a Ed fôlego para concluir aquela que é a sua obra máxima, a ficção científica Plano 9 do espaço sideral (Plan 9 From Other Space - 1959). Impagável.

Ed Wood (1994) é uma obra de amor ao cinema com um todo. Não apenas aos vencedores, aos astros milionários ou aos diretores de prestígio e seus incontáveis prêmios. É um filme sobre os sem talento, os esquecidos, os que perderam seu espaço mas que também fazem parte da história da sétima arte. Apesar disso, Ed Wood é um filme sobre o otimismo de quem acredita em si mesmo. Mesmo que não tenha muito talento para a coisa...

Bem servido de extras, que incluem vários making ofs, videoclipe trash e comentários (legendados em português) do diretor, produtores e (segundo a voz gutural de Martin Landau) também de milhares de demônios. E o DVD possui ainda um dos mais divertidos e toscos menus dos últimos tempos. Só ficou faltando mesmo material extra sobre os verdadeiros astros da fita. Afinal, um documentário a respeito das pessoas reais que inspiraram a produção seria mais que adequado. Mas para consolo dos fãs, também está sendo lançado no Brasil um box com os principais filmes do inesquecível mestre do lixo, Ed Wood.

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.