Filmes

Entrevista

A Hora do Pesadelo: Omelete Entrevista Rooney Mara, Thomas Dekker e Kyle Gallner

Garotos do filme conversam sobre cenas deletadas, dublês e mortes

Steve Weintraub
09.05.2010
01h03
Atualizada em
23.12.2016
08h09
Atualizada em 23.12.2016 às 08h09

Direto de Los Angeles, o nosso correspondente Steve Weintraub, do site parceiro Collider, manda um descontraído bate-papo com três jovens atores do elenco do novo A Hora do Pesadelo. Entre os assuntos discutidos estão cenas que foram deletadas na edição, refilmagens, ação dos dublês e o que eles têm pela frente.

Assita à entrevista no link abaixo, no YouTube ou leia a transcrição.

A melhor parte é que essas cadeiras são muito confortáveis.

Thomas Dekker: É que esse tem grande orçamento. Foi pra isso que usaram o orçamento, para essas cadeiras. E o serviço de quarto.

Essas são coisas que não pude desfrutar nesse filme. Ok, vou entrar no assunto senão ficarei sem tempo. Conversei com todos vocês na WonderCon, mas agora eu vi o filme. Mas antes de falar sobre o filme, como foi a experiência da WonderCon para vocês? Vocês se divertiram ou foi só conversar com a imprensa?

Rooney Mara: Acho que a parte mais legal foi conversar com você.

TD: É.

Parabéns por essa resposta.

TD: Eu fui o único que passou a noite em San Francisco.

Kyle Gallner: Eu fiquei chateado, achei que íamos passar a noite em San Francisco. Mas quando chegamos lá foi basicamente só imprensa o dia inteiro.

TD: Foi oi e tchau WonderCon.

Isso entra no processo de publicidade, vocês gostam desse processo, faz parte do jogo...? Estou vendo um sorriso...

TD: De falar com você não, eu odeio essa parte. Eu gosto de você! Hm, não, eu gosto dessas coisas, é divertido, certo? É divertido refletir.

RM: É divertido estar com esses caras.

TD: É, é bom ter a companhia.

Ok, então vou entrar no filme. Eu assisti ontem a noite e também visitei o set de filmagens e tenho outros amigos que visitaram o set em outro dia. E tudo que nós assistimos não estava no filme.

RM: Uau. Estávamos despistando vocês.

Mas agora conversei com Sam e com Brad e Andrew e claramente há 10 ou 15 minutos, talvez, cortados do filme.

TD: Houve muitas substituições.

KG: Tivemos substituições, sim.

Como é isso para vocês, quando estão assistindo o filme e lembram "espera, não tinha aquela cena..."?

TD: Bom, eu estou no filme por, no máximo, 10 minutos, e isso não foi cortado. Então as minhas coisas ficaram iguais. E vocês?

RM: Você teve algumas cenas cortadas.

TD: Tive sim. E algumas coisas refilmadas.

KG: Bom, é uma questão que... Nós provavelmente ficamos mais atualizados que você. Então teve uma ou duas coisas que me surpreenderam, mas eu sabia que tipo, o ziper estava fora. E teve toda uma sequência que filmamos em uma igreja, isso saiu. Mas, é, nós sabíamos. Sabíamos mais ou menos o que ia acontecer.

TD: É meio esquisito quando isso acontece em qualquer filme. Você meio que sente falta de certos pedaços.

Eu não quero falar nada específico, não quero falar qual de vocês pode ter sido atacado pelo Freddy ou... Sabe, mencionar nada, mas sobre filmar cenas de morte. Obviamente vocês viram elas serem filmadas, alguns de vocês estavam envolvidos nestas cenas. Como é no set quando estão fazendo essas coisas? É divertido ou...? Vocês poderiam falar sobre esse aspecto da filmagem?

RM: Bom, quero dizer, com certeza é divertido se você está quase morto e aí... Karl e eu tivemos uma cena em que ele estava quase morto. Então ele tinha que ficar deitado no chão, durante três dias, enquanto eu era jogada pelo recinto. Então... Eu preferia que fosse eu que tivesse apenas que ficar lá deitada no chão.

TD: Para mim foi incrível fazer a cena de voar pelo quarto com Katie Cassidy. Essa é a cena que eu assisti um milhão de vezes no filme original então... E eu não tinha que fazer nada, só ficar lá de cueca e gritar. E essa foi uma experiência bem louca.

KG: E assistir essa cena também foi loucura.

TD: Loucura! Porque aquela garota estava literalmente...

KG: Aquela dublê estava simplesmente...

TD: É. O que você vê no filme não foi feito no computador. Ela foi arrastada por aquele quarto.

Quando vocês entraram neste filme... Eu acho que não perguntei isso para vocês na WonderCon. Vocês já tinham assistido todos os filmes anteriores, já tinham visto ou assistiram na época quando estavam fazendo os testes?

KG: Eu na verdade não tinha visto o filme até quando já estávamos quase acabando de filmar em Chicago. Eu não tinha visto antes de pegar o papel, então resolvi esperar. Para que não houvesse influência externa, sabe? Você quer tornar estes personagens mais seus. E eu sabia pela história e pelos pedaços que eu tinha visto que esse filme é diferente. Eu não teria que me diminuir e tentar interpretar outra pessoa, sabe? Um personagem que já havia sido criado.

Mais alguém?

TD: Eu já tinha visto todos.

RM: Todos? Eu só vi o primeiro.

Ok. Eu sei que tenho que encerrar com vocês mas eu definitivamente quero perguntar o que vocês vão fazer em seguida. Você já tem um filme que será exibido em Cannes.

TD: Sim.

Eu nunca sei qual é a pronúncia certa.

TD: Ah, tanto faz.

Então, o que é isso? É bem legal.

TD: É, estou bem animado com esse filme. É o filme que fiz com Gregg Araki. Com certeza um filme muito... único.

Gregg Araki faz filmes únicos?

TD: É, eu sei! Quem diria, certo? Não, mas é empolgante se você gosta do Greg Araki porque esse filme é definitivamente a volta dele ao seu eu verdadeiro, então estou muito animado por estar lá para representar isso. Então será divertido.

Legal, tenho que encerrar. Tenho outras perguntas, mas vocês aproveitem o resto da tarde.

TD: Nós vamos te ver de novo, mais tarde hoje, talvez?

Não, já encerrei.

TD: ACABOU?!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.