Filmes

Entrevista

Homem de Ferro 2: Omelete Entrevista Robert Downey Jr.

Ator fala sobre a sequência, Mickey Rourke e Os Vingadores

Érico Borgo
27.04.2010
01h12
Atualizada em
08.11.2016
03h04
Atualizada em 08.11.2016 às 03h04

Toda a excentricidade de Tony Stark pertence também ao Robert Downey Jr.. E vice-versa. Só assim para explicar o impecável terno de coloração escura que o ator usava com um tênis verde-limão. Acredite! Isso só não ficou mais marcado na minha memória do que o fato de Downey Jr. ter passado todo o começo do nosso bate-papo durante a última Comic-Con apoiado no meu ombro. Vai saber por quê!

Além de comentar as diferenças do primeiro filme para o segundo, o seu próprio envolvimento na produção e a experiência de trabalhar ao lado de Mickey Rourke, Downey Jr. também teve tempo de falar sobre um dos filmes mais aguardados da história do cinema: Os Vingadores, em que ele atuará como Homem de Ferro ao lado de vários outros heróis da Marvel. Veja como foi:

Homem de Ferro 2

None

Homem de Ferro 2

None

Homem de Ferro 2

None

Homem de Ferro 2

None

Homem de Ferro 2

None

Qual a diferença para você deste segundo filme depois do grande sucesso que foi o primeiro?

Além das questões que cercam o personagem, eu realmente queria tornar este segundo filme o mais bizarro possível, no bom sentido. Por incrível que pareça, dentro de uma franquia ou trilogia, eu sempre curto o segundo filme, como foi o caso de Máquina Mortífera, Duro de Matar e até Matrix, apesar da discussão que esta última preferência gera! (risos)

Se você gostou do original, gera uma grande expectativa para o próximo e, baseado nesse julgamento, a equipe de produção (atores, roteirista, direção, produção) precisa explorar muito bem o que vai acontecer. A opinião do estúdio e do público influenciam muito neste processo. Mas eu, o Jon (Favreau) e a própria Marvel confiamos muito uns nos outros, ao ponto de poder influenciar nas ações diretas do Tony. Por exemplo, eu sugiro que o Tony deve fazer algo muito estúpido e irresponsável, como uma festa de aniversário, sem nenhuma razão aparente. E estes acontecimentos estão muito presentes no arco dramático do segundo filme em que as decisões do personagem influenciam diretamente na ação. Ao final do primeiro filme, quando Tony diz "Eu sou o Homem de Ferro", todos se perguntam sobre o que virá em seguida!

O que melhorou do primeiro para o segundo filme?

Além do traje (risos), que ganhou melhorias técnicas, Tony tem algumas questões mal resolvidas, como o seu legado e o fato de nunca ter dito adeus ao pai e como isso influencia em suas decisões. Os caras da S.H.I.E.L.D. tinham negócios com o pai dele, então a pergunta é porque eles vieram atrás do Tony somente agora que ele se revelou o Homem de Ferro? Todos estes fatos estão publicados em diversos gibis. O que fizemos foi basicamente escolher aquilo que tivesse uma maior relevância dramática e para o entretenimento.

Antes do primeiro filme você vinha de um histórico de abusos, que de certa forma te prepararam para o papel. Como foi a preparação para o segundo, já que seu estilo de vida mudou?

Agora estou mais velho para estas coisas, além disso ao fazer Sherlock Holmes fiquei muito magro, tive então que engordar de novo para o papel. Parece uma afirmação tragi-cômica esta de que a minha vida privada estivesse me preparando para este papel. É a realidade  mais patética possível que já se viu (risos). Mas agora, não estou só me sentindo melhor, como vivendo melhor.

Que tipo de sentimentos a franquia tem te despertado?

São fases diferentes. Antes eu me questionava muito em como iria ser a minha performance e me focava somente nisto. Agora, além de focar em mim, tenho o interesse em todos à minha volta, os figurinistas, roteiristas. O que mais influenciou nesta mudança foi o fato de agora estar casado com uma produtora, então tenho aprendido muito como cada etapa do processo funciona, e principalmente como é lidar com crápulas como eu (risos), além de planejar e preparar tudo que deve ser feito.  O que mais melhorou foi o ambiente de trabalho. Ao final de um bom dia de filmagem, quando boas cenas tinham sido rodadas, ficamos satisfeitos pois todos puderam opinar e contribuir. Alguém sugere uma sequência de filmagens diferentes e o fazemos, pois isso é muito bom ver o filme nascendo a partir destas pequenas ações.

E como foi filmar com Mickey Rourke?

Bem, ele estava um pouco distante (risos), mas fizemos de tudo para que ele se integrasse ao processo. Ele foi uma excelente escolha para o papel. Todas as cenas em que estávamos atuando juntos, havia um conflito a ser filmado, assim estávamos o tempo todos nos preparando para a briga. Nossa ação juntos era totalmente antagônica. Mas ao final do dia íamos ao trailer um do outro para nos despedirmos e conversar um pouco.

Como foi trabalhar nas cenas de efeitos especiais nesta sequência, como a do voo por exemplo, foi mais fácil ou mais difícil que no primeiro?

Fizemos muito mais cenas neste estilo. Neste segundo filme eu usei o traje muito mais vezes que no primeiro. E mesmo com CG, às vezes ficávamos 3 ou 4 dias filmando a mesma cena, mas o resultado foi muito positivo!

Você está ansioso para fazer parte dos Vingadores?

Mesmo não sabendo muito bem o que vai ocorrer nos Vingadores, estou ansioso para contribuir com o meu melhor para ajudar neste que talvez poderá ser o melhor filme de time de super-heróis na história do cinema, se for bem feito, é claro. Portanto, acho que temos uma boa oportunidade aí, mas teremos que tomar muito cuidado e planejar muito bem para não ir tudo abaixo.

Homem de Ferro 2 estreia em 30 de abril no Brasil, uma semana antes do lançamento nos Estados Unidos.

Clique no link para a nossa página de notícias sobre Homem de Ferro 2

O filme também tem no Omelete o Homem de Ferro 2: Especial do filme

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.