Filmes

Artigo

Glauber Rocha: uma câmera na mão e o Brasil na cabeça

Glauber Rocha: uma câmera na mão e o Brasil na cabeça

Roberto Elísio dos Santos
22.08.2006, às 00H00
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H20
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H20

Barravento

Deus e o diabo na terra do Sol

Terra em transe

Idade da Terra

Glauber Rocha

Há 25 anos o Brasil perdeu seu cineasta mais polêmico, um dos idealizadores do Cinema Novo, movimento que, na década de 1960, propunha um cinema engajado na realidade do país e voltado para a transformação da sociedade.

Os artistas geniais costumam romper as normas estabelecidas em seu tempo e, muitas vezes incompreendidos e perseguidos, acabam se imortalizando por causa de sua obra. É o caso de Wolfgang Amadeus Mozart, compositor do século XVIII nascido há 250 anos, e também do cineasta baiano Glauber Rocha, guardadas as devidas diferenças. Cinéfilo, crítico, teórico e diretor de cinema, escritor (autor do romance Riverão Sussuarana), Glauber comandou o programa televisivo Abertura, transmitido em 1979 pela extinta Rede Tupi, e foi polemista até sua morte, causada por problemas pulmonares, em 22 de agosto de 1981.

Glauber começou sua carreira como diretor de cinema em 1958, com o curta-metragem O Pátio, de forte inspiração concretista, mas já trazendo a influência da montagem dialética desenvolvida pelo cineasta russo Sergei Eisenstein, a partir da década de 1920. A obra de Glauber Rocha foi realizada no período que antecede ao golpe militar de 1964 e se estende até a abertura política, no início da década de 1980, espelhando e refletindo esse contexto histórico.

O cinema brasileiro já passara a retratar a realidade social do país com os filmes de Nelson Pereira dos Santos (diretor de Rio, 40 Graus e Rio, Zona Norte) e de Roberto Santos (autor de O Grande Momento), que bebiam da fonte do Neo-realismo Italiano. Na área teatral, o Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes, o Arena e o Oficina foram grupos que levaram aos palcos as questões urgentes do país, ao mesmo tempo em que divulgavam uma dramaturgia realizada por jovens autores brasileiros, como Oduvaldo Vianna Filho, Gianfrancesco Guarniere, Augusto Boal, entre outros. A MPB, em especial a Bossa Nova, também abraçava as causas sociais do país em músicas "de protesto" apresentadas em shows ou em festivais televisivos.

Assim, no início dos anos 1960, Glauber propôs a criação de um cinema brasileiro que mostrasse a miséria da maior parte do povo e que, para isso, utilizasse imagens e elementos culturais das classes exploradas. Tratava-se de uma arte "nacional-popular", com filmes orientados politicamente realizados em um momento de acirramento ideológico. Ao afirmar que cinema se faz com "uma câmera na mão e uma idéia na cabeça", o artista defendia a utilização dos meios de produção artística a serviço da transformação social.

Fome de cinema

Depois de dirigir o longa-metragem Barravento, em 1961, que já abordava a dicotomia misticismo-engajamento político, Glauber Rocha realizou sua obra-prima, Deus e o Diabo na Terra do Sol. Tendo como ambientação o árido sertão nordestino, o filme acompanha a trajetória do vaqueiro Manuel e sua mulher. Depois de matar o coronel que o explorava e enganava, o sertanejo passa a seguir os beatos em busca de salvação divina.

Quando Antonio das Mortes dizima o líder, Manuel passa a integrar o bando de Corisco, que também acaba chacinado pelo matador. Ao final, livre da influência de Deus (representado pelo beato) e do Diabo (encarnado pelo cangaceiro), o homem corre para fazer seu destino, enquanto a música de Sérgio Ricardo apregoa que "o sertão vai virar mar e o mar, virar sertão", prenunciando a transformação que um dia acontecerá na vida do povo excluído.

Em 1965, Glauber publicou o ensaio A Estética da Fome, no qual defendia que o cinema realizado no Terceiro Mundo fosse um reflexo de sua realidade pobre. Para ele, tentar imitar o glamour de Hollywood, como já havia sido feito no Brasil pela produtora Vera Cruz e pelas chanchadas (comédias populares produzidas na década de 1950), só distancia os filmes da denúncia da violência e da miséria que assola os países subdesenvolvidos.

Como conseqüência da ditadura militar iniciada em 1964 - que frustrou os sonhos da esquerda brasileira - o filme Terra em Transe, de 1967, tem como protagonista não um personagem do povo, mas o poeta revolucionário Paulo Martins, um jornalista de classe média envolvido com um político populista, que se torna governador da província de um país fictício, Eldorado. Reflexão amarga sobre a derrota da esquerda, seu fluxo narrativo obedece aos delírios do protagonista, ferido mortalmente. Na enxurrada de recordações do protagonista podem-se ver as contradições de um país de terceiro mundo e da pequena burguesia urbana, dividida entre o sonho revolucionário romântico e os desejos mesquinhos da realidade.

Antonio das Mortes volta com seu trágico destino de matador de cangaceiro no filme O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, realizado em 1969 e vencedor do Festival de Veneza. Alegórico, é uma síntese dos filmes anteriores, denunciando o papel do imperialismo multinacional e das elites locais na manutenção do subdesenvolvimento do Terceiro Mundo e da pobreza da população, alienada pela religião ou refém da violência anárquica do cangaço.

Exílio e morte

Com o agravamento da situação política no Brasil, a partir de dezembro de 1968, quando foi promulgado o Ato Institucional 5, Glauber continuou sua carreira no exterior, ao longo da década de 1970. Em Cuba, realizou o documentário intitulado História do Brasil; no Congo, dirigiu o longa-metragem O leão das sete cabeças, novamente denunciando a exploração causada pelo imperialismo multinacional nos países do Terceiro Mundo, colonizados e empobrecidos. Na Europa, fez os filmes Cabeças cortadas e Claro, participando, ainda, de Vent D´Est, de Jean-Luc Godard, um dos cineastas que o inspirou, ao lado do espanhol Luis Buñuel e do italiano Píer Paolo Pasolini.

No final dos anos 1970, com o início da abertura política, Glauber voltou ao Brasil e surpreendeu a esquerda ao elogiar o governo militar. Seu último filme, A Idade da Terra, de 1980, um delírio místico sobre o Terceiro Mundo, não agradou à crítica brasileira e estrangeira. À frente de seu tempo, e extremamente hermético, disputou o Festival de Veneza, que premiou Atlantic City, de Louis Malle, uma produção mais tradicional. No início de 1981, o cineasta brasileiro foi viver com a família em Portugal, mas, gravemente doente, só retornou um dia antes de sua morte, deixando o país mais pobre cultural e intelectualmente.

Para assistir em DVD:

Para ler:

  • AVELLAR, José Carlos. Deus e o Diabo na Terra do Sol: a linha reta, o melaço da cana e o retrato do artista quando jovem. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.
  • BENTES, Ivana e ROCHA, Glauber. Cartas ao mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
  • GOMES, João Carlos Teixeira. Glauber Rocha, esse vulcão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
  • Pierre , Sylvie. Glauber Rocha. Campinas: Papirus, 1996.
  • ROCHA, Glauber. O século do cinema. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.
  • ROCHA, Glauber e XAVIER, Ismail. Revisão Crítica do Cinema Brasileiro. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.
  • ROCHA, Glauber. Revolução no Cinema Novo. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

Roberto Elísio é jornalista, com pós-doutorado em Comunicação pela ECA-USP, professor da Universidade IMES e autor dos livros Para reler os quadrinhos Disney (Editora Paulinas), As Teorias da Comunicação: da fala à internet (Editora Paulinas) e História em Quadrinhos Infantil: leitura para crinaças e adultos (Editora Marca de Fantasia) e organizador, com o professor Waldomiro Vergueiro, de O Tico-Tico 100 anos: centenário da primeira revista de quadrinhos do Brasil (Opera Graphica).

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.