Filmes

Artigo

Enfys Nest e o futuro de Star Wars no cinema após Han Solo

[Cuidado com spoilers abaixo]

Camila Sousa
28.05.2018
17h27
Atualizada em
28.05.2018
18h01
Atualizada em 28.05.2018 às 18h01

[O texto abaixo contém spoilers de Han Solo - Uma História Star Wars]

Quando a divulgação de Han Solo – Uma História Star Wars começou, Enfys Nest era descrito como um dos vilões da trama. O pirata comandava os Cavaleiros da Nuvem e prometia estar em um duelo nos moldes do Velho Oeste com o contrabandista. Por tudo isso, a revelação de que Enfys Nest é uma guerreira lutando a favor da Rebelião contra o Império pegou todos de surpresa.

Divulgação

Interpretada pela atriz inglesa Lily Newmark, a personagem tem poucos momentos em tela sem sua máscara: após a descoberta, ela motiva rapidamente seus cavaleiros, coordena um ataque contra as forças de Dryden Vos (o verdadeiro vilão) e tenta convocar Han Solo para seu movimento depois que tudo dá certo.

Apesar disso, a personagem representa um ponto que poderia ser muito mais explorado nos filmes de Star Wars: a luta das pessoas comuns contra quem age pelo lado sombrio da Força. Em uma entrevista recente, Donald Glover definiu a história dos Skywalkers como a Bíblia de Star Wars: eles são quase como a família real, aquela história que PRECISA ser contada e continuará sendo através de Leia e Kylo Ren (neto de Anakin Skywalker). Mas, enquanto esse ainda pode ser o cerne principal da franquia, há uma galáxia inteira de possibilidades narrativas.

Como mostrado em Rogue One - Uma História Star Wars, as pessoas comuns - que não são Jedi, Sith, ou Cavaleiros de Ren - são muito importantes para várias tramas desenvolvidas nos filmes. Esse conceito também aparece em Os Últimos Jedi, quando o garotinho simples consegue usar a Força para levantar uma vassoura e tem a Rebelião como sua grande inspiração.

“Sinto que somos apenas apostadores e piratas do espaço, em essência, então você pode fazer muita coisa e se divertir muito”, definiu Glover, ressaltando como novos personagens dão essa abertura para que Star Wars explore vários outros lados da guerra. A general Leia sempre foi a grande representante da Rebelião e da Resistência, mas quem será que trabalha nos bastidores junto com ela? Quem são as pessoas que mantém a esperança nas bases mais distantes da galáxia?

O garoto que representa a esperança em Os Últimos Jedi

Divulgação

Claro, esses conceitos foram explorados por anos no Universo Expandido (agora Legends) de Star Wars e também estão presentes e livros e animações. Mas há um grande público que consome a franquia apenas pelo cinema e eles também merecem saber tudo o que esse universo tem a oferecer. Felizmente, o primeiro passo para isso já foi dado: a nova trilogia de filmes desenvolvida por Rian Johnson.

Anunciada em novembro, ela é descrita como separada dos longas principais, com novos personagens e ambientada “em um canto da galáxia jamais explorado por Star Wars”. Essa pequena descrição já demonstra como esses filmes têm o potencial de começar uma renovação da franquia na tela grande. Ao invés de um filme do Boba Fett, que tal conhecermos mais sobre as Enfys Nests espalhadas pela galáxia? Han Solo – Uma História Star Wars está em cartaz nos cinemas.