10 pérolas do cinema brasileiro que você precisa assistir

Créditos da imagem: Montagem/Reprodução

Filmes

Lista

10 pérolas do cinema brasileiro que você precisa assistir

Omelete selecionou filmes pouco falados, mas que merecem a sua atenção

Omelete
1 min de leitura
18.06.2024, às 12H21.

O Dia do Cinema Brasileiro é comemorado amanhã (19) e marca a celebração da sétima arte mesclada com o jeitinho brasileiro. Com mais de 100 anos de história, o cinema nacional é composto de clássicos atemporais e filmes populares, mas como em toda grande biblioteca, há títulos que acabam meio esquecidos e que merecem mais da nossa atenção.

Pensando nisso, o Omelete resolveu selecionar 10 pérolas do nosso cinema que podem estar fora do seu radar, mas que têm qualidade o bastante para entrar na sua lista. A intenção desta lista é apresentar filmes menos conhecidos pelo grande público, então não se incomode por não encontrar títulos mundialmente aclamados como Terra em Transe e Cidade de Deus, ou comédias que foram sucesso de público, como as franquias Minha Mãe é Uma Peça e Até Que a Sorte nos Separe.

A lista tem filmes para todos os gostos: dramas, comédia, animação, romance e mistério. Caso não tenha visto algum, vá ao streaming mais próximo e veja se está disponível no catálogo!

Boleiros - Era uma Vez o Futebol

Boleiros - Era uma Vez o Futebol é uma das principais referências no cinema nacional do que diz respeito a filmes inspirados em futebol. Sim, o íncone Amácio Mazzaropi já trabalha com o tema em suas comédias dos anos 1960, mas a obra de Ugo Giorgetti é até hoje citada por muitos cinéfilos futebolistas como o filme brasileiro mais completo sobre o esporte bretão.

Na trama do longa de 1998, seis amigos de longa data discutem o futebol e como ele (e seus ícones) foram mudando ao longo dos anos. Embora seja um filme de 26 anos atrás, Boleiros aborda temas que ainda são muito atuais, como racismo no esporte, o descaso com ídolos do passado, a rivalidade perigosa entre os torcidas e, claro, a paixão do brasileiro por seus times do coração.

O sucesso foi tanto que o longa ganhou uma sequência anos depois com Boleiros 2: Vencedores e Vencidos, de 2006, que reuniu parte do elenco original com novos rostos.

Onde assistir: Boleiros - Era uma Vez o Futebol está disponível para locação na Claro TV+. Já a continuação pode ser vista no catálogo do Prime Video.

Estômago

Estômago, dirigido por Marcos Jorge, foi lançado no mesmo ano que Tropa de Elite. Apesar de não ter conquistado a mesma notoriedade que o título estrelado por Wagner Moura, o longa ganhou o status de cult entre os cinéfilos brasileiros e, tamanha a sua qualidade, não poderia ficar de fora desta lista.

A trama conta a história da ascensão e queda Raimundo Nonato (João Miguel), um dos muitos migrantes do interior que partem em direção à cidade grande na esperança de conseguir uma vida melhor. Contratado como faxineiro em um bar, Raimundo logo descobre seu talento para a cozinha e, com suas coxinhas, transforma o boteco em um sucesso local. O filme foi inspirado no conto Presos pelo Estômago, de Lusa Silvestre.

Onde assistir: Netflix e Globoplay.

Marte Um

Lançado sem alarde em 2022, Marte Um ganhou status de grande filme do ano mesmo estar no radar do grande público. O longa dirigido pelo mineiro Gabriel Martis não só ganhou oito troféus no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2023, como foi o escolhido pela Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais para ser o representante do Brasil no Oscar 2023.

Marte Um acompanha a vida dos quatros membros de uma família periférica nos últimos meses de 2018, pouco depois das eleições presidenciais, e como eles lidam com as dificuldades criadas pelo cenário sociopolítico brasileiro.

Onde assistir: Globoplay.

Uma História de Amor e Fúria

Uma lista de filmes nacionais não poderia faltar uma animação. Dirigido por Luiz BolognesiUma História de Amor e Fúria levou o principal prêmio do Festival de Animação de Annecy 2013, da França e chegou a tentar uma indicação ao Oscar 2014, sem sucesso.

O filme se divide em quatro histórias, das disputas entre tupinambás e tupiniquins nos anos coloniais até uma fictícia guerra pela água potável, em 2096. Entre os dubladores estão nomes como Selton Mello, Camila Pitanga e Rodrigo Santoro.

O Palhaço

Segundo longa-metragem dirigido por Selton Mello, O Palhaço merece a sua atenção. Embora o título pareça uma inclinação à comédia, o longa retrata o drama do palhaço Benjamin (Mello) e uma crise existencial que parece não ter fim: ele acha que não tem mais graça.

Além de dirigir, Mello divide o protagonismo com o saudoso Paulo José, veterano que vive Valdemar, pai de Benjamin e dono do circo intinerante no qual trabalham. Juntos, eles viajam por cidades do interior e tentar levar um pouco de alegria aos habitantes da região.

Onde assistir: Globoplay.

Tatuagem

Com uma biblioteca tão vasta, o cinema brasileiro também conta com muitos títulos de qualidade que envolvem temas LGBTQIA+. Um deles é Tatuagem, filme que marcou a estreia de Hilton Lacerda na direção de um longa-metragem.

A trama, situada em 1978, conta a história de Clécio Wanderley (Irandhir Santos) é o líder da trupe teatral Chão de Estrelas, que realiza shows repletos de deboche e com cenas de nudez. A principal estrela da equipe é Paulete (Rodrigo Garcia), com quem Clécio mantém um relacionamento.

Um dia, Paulete recebe a visita de seu cunhado, o jovem Fininha (Jesuíta Barbosa), que é militar. Encantado com o universo criado pelo Chão de Estrelas, ele logo é seduzido por Clécio e não demora para que eles engatem um tórrido relacionamento.

Onde assistir: Netflix.

2 Coelhos

Para quem gosta de filmes de mistério com reviravoltas surpreendentes, 2 Coelhos é a pedida certa. Lançado em 2011, o longa de Afonso Poyart recebeu críticas positivas da imprensa especializada e chegou a ter um remake norte-americano ventilado nos EUA, mas o projeto nunca saiu do papel.

A trama acompanha Edgar (Fernando Alves Pinto), sujeito em crise que usa tecnologia, contraespionagem e um pouco de sorte para matar com uma cajadada os dois coelhos que o perseguem: o estado e os criminosos. Caco Ciocler e Alessandra Negrini também integram o elenco.

Onde assistir: Netflix, Max e Telecine.

Bossa Nova

Demorou, mas VEIO AÍ a comédia romântica da lista. E por tratar-se de um longa nacional, poucos títulos se encaixariam melhor do que Bossa Nova. O filme de Bruno Barreto une talentos brasileiros e norte-americanos para criar uma narrativa deliciosa de se acompanhar, com drama, romance e humor na medida certa.

Na trama, embalada por clássicos de Tom Jobim, nove personagens cruzam seus destinos e descobrem novas paixões. O ponto de encontro desses percursos é uma charmosa professora de inglês, Mary Ann Simpson (Amy Irving), ex-aeromoça, que vive no Rio há dois anos, desde que ficou viúva de um piloto brasileiro, e Pedro Paulo (Antônio Fagundes) recentemente separado. Alexandre Borges, Débora Bloch, Drica Moraes, Giovanna Antonelli, Rogério Cardoso, Sérgio Loroza, Pedro Cardoso e Stephen Tobolowsky completam o elenco.

Onde assistir: disponível para locação no Claro TV+.

Paraísos Artificiais

Longa que marcou a estreia de Marcos Prado, produtor de Tropa de Elite, na direção de longa-metragem e que José Padilha assina a produção executiva. Paraísos Artificiais é um drama sobre o acaso e como ele afeta a vida de três jovens cujos destinos se cruzam pela primeira vez em um festival de música eletrônica no Nordeste brasileiro.

Érika (Natália Dill) é uma jovem DJ que, acompanhada de Lara (Lívia de Bueno), vai a um festival de música eletrônica. Elas conhecem Nando (Luca Bianchi) em uma noite com drogas, álcool e experiências que marcarão a vida dos três jovens para sempre. Anos depois, Érika e Nando se reencontram, e sentimentos adormecidos são despertados.

Onde assistir: Globoplay.

A Partilha

Para mostrar mais uma vez que a lista a eclética, chegou a vez de um filme baseado em uma peça nacional. A Partilha, baseado na obra de Miguel Falabella e adaptada ao cinema por Daniel Filho, conta a história de quatro irmãs que se reúnem após a morte da mãe para decidir o que fazer com o apartamento em Copacabana, no Rio de Janeiro, no qual todas foram criadas.

Selma (Gloria Pires), Regina (Andrea Beltrão), Laura (Paloma Duarte) e Lúcia (Lilia Cabral) precisam decidir a partilha dos bens que receberam da matriarca, incluindo o enorme apartamento localizada na região nobre da capital fluminense. Enquanto decidem o que fazer, elas encaram uma sessão de nostalgia de memórias do passado e tentam resolver diversas questões que acabaram afastando-as com o tempo.

Onde assistir: disponível para compra no Prime Video.

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Omelete no Youtube

Confira os destaques desta última semana

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a nossa Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.