Filmes

Crítica

Velozes e Furiosos 6 | Crítica

Ainda Velozes, mas bem menos Furiosos

Érico Borgo
23.05.2013
16h20
Atualizada em
29.06.2018
02h47
Atualizada em 29.06.2018 às 02h47

Hollywood adora franquias, mas constantemente renega um de seus elementos fundamentais, a mitologia. Depois de dois ou três filmes é hora de se reinventar, de buscar reinícios visando maior abrangência de público. Afinal, quem vai lembrar de eventos passados se hoje em dia mal se retém o meme do dia?

velozes e furiosos

None

velozes e furiosos

None

velozes e furiosos

None

Tal como seus protagonistas, dirigindo na contramão dessa tendência está a série Velozes & Furiosos. No sexto capítulo, nunca fizeram-se tantas menções a situações e personagens aos filmes anteriores do que neste. Para efetivamente apreciar o longa é necessário, sim, ter assistido aos demais.

A própria premissa é derivada imediata do Velozes & Furiosos original. Depois do bem-sucedido golpe no Rio de Janeiro, a gangue de Dominic Toretto (Vin Diesel) está espalhada pelo mundo, desfrutando de seus milhões. Mas eis que o seu caçador em Velozes & Furiosos 5 - Operação Rio, o policial Luke Hobbs (The Rock), ressurge com uma proposta: que o grupo ajude-o a derrubar um novo e ameaçador oponente, o misterioso e cheio de recursos Shaw (Luke Evans). Como moeda de troca está um perdão governamental para toda a família Toretto e uma informação importante: a de que Letty (Michelle Rodriguez, personagem dada como morta no primeiro quarto filme) está trabalhando com Shaw.

O roteiro é muito bem amarrado dentro dos demais filmes, situando muito bem este na cronologia da franquia. Ao final, fica perfeitamente clara a intenção dos produtores - dentre os quais o próprio Diesel - e enxerga-se o mapa perfeito dos sete primeiros filmes (sim, sete, já que este entrega a ação no ponto em que começará o próximo, com Jason Stathan como um novo vilão).

Mas na mesma medida em que respeita a história estabelecida, a série segue em sua conversão constante para outro gênero. Já faz tempo que a franquia não é mais de corrida de rua, que abandonou a clandestinidade de um segmento específico em prol da ação mais convencional. Saiu o tuning, entraram as explosões e cenas de perseguição exageradíssimas, criadas para empolgar e encher os olhos - algo que era antes o papel dos carros e dos rachas de rua - em locações igualmente superelaboradas, dignas de James Bond (há cenas na Rússia, em Londres, na Espanha...)

No processo, Velozes & Furiosos ficou menos "marrenta" e muito, muito mais divertida. Tudo bem que o humor que realmente funciona é o absolutamente involuntário (os alívios cômicos não funcionam e ficam meio dignos de pena), já que são catárticos os momentos em que Diesel, o trapalhão do asfalto, puxa para si o papel de um super-herói dos motores, realizando feitos impossíveis em câmera lenta que deveriam arrancar suspiros, mas obtém gargalhadas.

Velozes & Furiosos 6 resulta em um entretenimento digno, muito bem coreografado, pontuado por canastrices (salva-se o competente Luke Evans, que leva a sério seu vilão e cria algo realmente ameaçador) e testosterona, que jorra até das mulheres, com um homérico quebra-pau entre Gina Carano e Michelle Rodriguez.

O retorno da namorada do protagonista, porém, faz explodir a tendência "família" de Velozes & Furiosos, insistentemente batendo na tecla da união entre a trupe Toretto, seu amor uns pelos outros, e na família enquanto motor de suas aventuras. Há agora um bebê Toretto, Vin Diesel preocupa-se com a vida humana e pede aos colegas para terem "cuidados com as pessoas na rua" e até compram-se os carros necessários para a caçada a Shaw. Ou seja, a velocidade continua intacta, mas a gangue virou família e a fúria foi domada.

Velozes e Furiosos 6 | Cinemas e horários

Velozes e Furiosos 6
Fast & Furious 6
Velozes e Furiosos 6
Fast & Furious 6

Ano: 2013

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 130 min

Direção: Justin Lin

Roteiro: Chris Morgan

Elenco: Paul Walker, Vin Diesel, Dwayne Johnson, Jordana Brewster, Luke Evans, Michelle Rodriguez, Tyrese Gibson, Gal Gadot, Sung Kang, Ludacris, Kim Kold, Thure Lindhardt, Elsa Pataky, Johannes Taslim, Shea Whigham, John Ortiz, Gina Carano, Clara Paget

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.