Filmes

Crítica

Um Conto do Destino | Crítica

Akiva Goldsman não consegue se conectar com o público na sua passional estreia como diretor no cinema

Natália Bridi
20.02.2014
22h59
Atualizada em
21.09.2014
15h14
Atualizada em 21.09.2014 às 15h14

Akiva Goldsman leu Winter's Tale, o denso livro de Mark Helprin que dá origem a Um Conto do Destino, à época do seu lançamento, no início da década de 80. Da leitura passou a uma perseguição, que se estenderia por quase 30 anos, buscando transformar o romance em filme. Quando os direitos retornaram ao autor, depois de décadas circulando por Hollywood, o roteirista conseguiu abordar Helprin diretamente e conquistou, finalmente, o privilégio de levar a história ao cinema.

um conto do destino

None

um conto do destino

None

Em 2010, enquanto escrevia o script, sua esposa, a produtora Rebecca Spikings-Goldsman, faleceu repentinamente. A história do ladrão órfão Peter Lake e seu amor que cria milagres, supera o mal, a morte e o tempo, passou então a ser a sua razão de viver. Na tentativa de dar lógica à perda, porém, Goldsman criou um filme tão pessoal que foi incapaz de se relacionar com o público, sendo ojerizado pela crítica e ignorado nas bilheterias dos EUA.

Ou, talvez, o filme seja inteligível apenas para um público específico. “É um conto de fadas para um certo tipo de adulto”, explica o roteirista, que também produz e faz sua estreia como diretor de longa-metragem em Um Conto do Destino. Uma história para quem, como ele, precisou lidar com a morte de alguém querido. Esse caráter peculiar, contudo, condicionado pela natureza complexa do realismo fantástico do livro de Helprin, precisava de um certo distanciamento para funcionar no cinema. A dor real impossibilitou o autoquestionamento necessário para tornar o universo mítico verossímil e seus personagens tridimensionais.

Os atores - amigos e antigos colaboradores como Russell Crowe e Jennifer Connelly de Uma Mente Brilhante - se esforçam para entender e traduzir a paixão da adaptação. Até Will Smith, que não costuma aceitar ser mero coadjuvante, participa do longa em solidariedade ao roteirista de Eu, Robô e Eu Sou a Lenda. Lealdade e dedicação que não superam as carências do filme. O elenco parece perdido, especialmente o protagonista Colin Farrell, tentando decifrar e se relacionar com uma história realista de anjos, demônios e cavalos voadores pelas ruas de Nova York.

Falta vigor à fantasia de Um Conto do Destino, sobra verdade em Akiva Goldsman. Ainda que nem todos compreendam o filme, sua busca chegou ao fim. Agora é possível seguir em frente.

Um Conto do Destino
Winter´s Tale
Um Conto do Destino
Winter´s Tale

Ano: 2014

País: EUA

Classificação: 12 anos

Duração: 120 min

Direção: Akiva Goldsman

Elenco: Jennifer Connelly, Will Smith, Russell Crowe, Colin Farrell, Matt Bomer, Jessica Brown Findlay, Kevin Durand, William Hurt, Eva Marie Saint, Kevin Corrigan, Lucy Griffiths, Graham Greene

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.