Filmes

Crítica

Trocando os Pés | Crítica

Adam Sandler estrela a versão gourmetizada de Click

Marcelo Hessel
28.05.2015, às 16H14
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H35
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H35

Encarar Trocando os Pés (The Cobbler, 2014) como uma suposta volta do ator Adam Sandler às comédias dramáticas "de autor", na linha de Embriagado de Amor, Reine sobre Mim e Funny People, pode ser uma experiência bastante frustrante, especialmente para quem se nortear pelo nome, no cartaz, do diretor Tom McCarthy, que despontou com o sucesso indie O Agente da Estação.

Porque por trás da sua fachada de filme "sensível" - proposta muito evidente já na atuação desafetada de Sandler, grave e naturalista, como pedem os papéis "sérios" - Trocando os Pés não é mais do que uma versão gourmetizada de Click. Ambos os filmes jogam com uma mesma premissa de realismo fantástico (objeto mágico apresentado por um estranho dá a um homem muitas chances de mudar sua vida) para fazer um conto moral sobre responsabilidades e escolhas.

Aqui, Sandler vive Max, um sapateiro que não gosta do que faz. Sua lojinha no Lower East Side de Nova York está na família há quatro gerações e Max não poderia se importar menos com o peso desse legado. Quando descobre que, ao colocar sapatos dos clientes, ele pode se transformar em outras pessoas, Max decide usar a mágica para viver outras vidas. É o ditado "para conhecer um homem de fato é preciso se pôr 'nos seus sapatos'" encarado de forma literal.

E o que começa como um típico filme de seleção de Sundance - em que os simbolismos dão o tom da narrativa de forma didática (a relação com a mãe esclerosada como emblema de um passado que se apaga sem remorso) e estereótipos se revestem de uma suposta profundidade (como a garota engajada que no fundo só serve de MPDG para Max) - logo se transforma numa sucessão variada de gêneros, da comédia de erros à trama de golpe, e é sem muito critério que Trocando os Pés vai de uma cena de luto a outra de humor físico em minutos.

A impressão que fica durante o filme todo é que McCarthy parece pouco à vontade com essas mudanças de chave, e o fato de entrar com timidez nos gêneros com que flerta acaba transformando Trocando os Pés num filme essencialmente inócuo, apesar de tanta agitação. E sua única posição mais assertiva não deixa de ser bastante cômoda, por conservadora: o dinheiro novo representado pela mulher e pelo negro é vilificado, em oposição ao dinheiro velho dos antigos imigrantes, que por ser "tradicional" seria, portanto, mais "puro". Não se deixe enganar pela musiquinha de rua tipo chanson: não há ingenuidade nessa disputa entre o velho e o novo.

De resto, Method Man se revela um ator inesperadamente versátil e Trocando os Pés pelo menos faz uma propaganda digna dos Pickle Guys, ponto turístico roots do Lower East Side e um dos melhores lugares para comprar e comer picles que a colônia judaica novaiorquina pode oferecer.

Trocando os Pés (2015)
The Cobbler
Trocando os Pés (2015)
The Cobbler

Ano: 2014

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 99 min

Direção: Thomas McCarthy

Elenco: Dan Stevens, Steve Buscemi, Adam Sandler, Dustin Hoffman, Adam Shapiro

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.