Filmes

Crítica

Projeto Flórida | Crítica

Famoso por rodar filme com celular, Sean Baker prova ter sensibilidade rara e necessária para o cinema

Natália Bridi
09.09.2017
01h20
Atualizada em
22.01.2018
14h40
Atualizada em 22.01.2018 às 14h40

Se com um celular ele fez Tangerine, imagina o que ele pode fazer com o equipamento completo”, diz alguém na plateia do Festival de Toronto em antecipação por The Florida Project, o sexto longa-metragem de Sean Baker e o primeiro depois do inesperado sucesso do seu filme rodado com um iPhone 6. Com acesso a mais recursos graças à fama, Baker não decepciona e aproveita o alcance das novas lentes para buscar beleza em lugares inesperados.

Logo, a sua temática permanece a mesma. Baker olha para aquilo que a grande maioria não quer ver. The Florida Project é sobre as famílias que vivem em motéis baratos na beira da rodovia de Orlando. Ironicamente, o motel que recebe a história se chama Magic Castle, nome que lembra o parque da Disney localizado na cidade. Na primeira cena, Moonee (Brooklynn Prince), a princesa desse castelo roxo é apresentada. Ela vive intensamente as suas férias de verão com as outras crianças da vizinhança, seja cuspindo em carros, invadindo casas abandonadas ou juntando moedas para comprar sorvete.

Dessa rotina colorida, o roteiro de Baker e Chris Bergoch extrai histórias difíceis. São famílias inteiras confinadas a pequenos quartos, lutando como podem para pagar a conta de US$ 35 por noite. A câmera capta seus rostos cansados, as marcas de uma vida complicada. Não existe maquiagem. Halley (Bria Vinaite), a jovem mãe de Moonee, é um desses retratos sem retoques de uma adolescência perdida pela maternidade e uma vida adulta que não tem recursos para se realizar. Imatura e amorosa, ela só quer o bem da filha, mesmo que não saiba como cuidar de si mesma.

Assim como Bobby (Willem Dafoe), o gerente do castelo que pacientemente lida com a inquietude das crianças e dos “hóspedes”, Baker nunca julga seus personagens. Ele os observa e protege, buscando pequenas alegrias em uma jornada sem perspectiva positiva, seja nas brincadeiras das crianças, seja na beleza improvável escondida naquela região esquecida do reino mágico. Motéis, lojas de presente e construções abandonadas ganham a mesma imponência das atrações de um parque temático.

Mesmo que torne fantástica uma realidade crua, The Florida Project imprime um naturalismo notável em todos os seus diálogos e situações (incluindo uma cena perfeita sobre o amor dos brasileiros pela Disney). Mérito da direção e também de um elenco de extrema competência, com Dafoe em uma atuação contida e profunda, com a novata Vinaite incorporando todas as camadas da sua complicada personagem e Brooklynn Prince revelando ser uma força da natureza, que aos seis anos domina o filme como uma atriz veterana.

Baker, que além de diretor e roteirista também é montador, sabe como usar situações aparentemente banais para criar uma narrativa complexa e aproveita ao máximo as paisagens e os personagens da sua história. Essa é muito mais do que a prova de que seu talento vai além da audácia de fazer um longa-metragem com um celular. The Florida Project é exemplo de uma sensibilidade rara e necessária para o cinema.

Projeto Flórida
The Florida Project

Ano: 2017

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 104 min

Direção: Sean Baker

Roteiro: Sean Baker, Chris Bergoch

Elenco: Macon Blair, Caleb Landry Jones, Willem Dafoe, Macon Blair, Caleb Landry Jones, Willem Dafoe, Willem Dafoe, Brooklynn Prince, Bria Vinaite, Caleb Landry Jones, Valeria Cotto, Christopher Rivera, Macon Blair, Karren Karagulian, Sandy Kane, Carl Bradfield, Sabina Friedman-Seitz, Gary B. Gross, Aiden Malik, Sonya McCarter, Mela Murder, Josie Olivo, Rosa Medina Perez, Jasineia Ramos, Kit Sullivan, Patti Wiley, Jason Blackwater, Jim R. Coleman, Kelly Fitzgerald, Krystal Gordon, Betty Jeune, Joanne Moreno, Lauren O'Quinn, Edward Pagan, Samantha Parisi, Cecilia Quinan, Shail Kamini Ramcharan, Giovanni Rodriguez, Adina Sutton, Bronwyn Valley

Nota do Crítico
Excelente!