Alienígenas de Space Jam confrontando Mutano, Robin, Estelar, Ciborgue e Ravena em Teen Titans Go! See Space Jam

Créditos da imagem: Cartoon Network/Divulgação

Filmes

Crítica

Teen Titans Go! See Space Jam recapitula longa original com humor nonsense

Energia caótica da animação da DC cria bons momentos, mas não traz nenhuma novidade

Nico Garófalo
20.08.2021
19h42

25 anos depois de Michael Jordan e os Looney Tunes derrotarem os invasores da Montanha Bobolândia, Space Jam - O Jogo do Século enfim ganhou sua continuação com Space Jam - Um Novo Legado. Compreendendo o apelo que a sequência teria com o público infantil, a Warner viu a oportunidade de apresentar o clássico dos anos 1990 para uma nova geração de fãs, acostumada com produções de ritmo mais frenético, e, para isso, “alistou” a animação Jovens Titãs em Ação!, sucesso de audiência no Cartoon Network. O resultado foi Teen Titans! Go See Space Jam, uma recapitulação mais lunática do filme de 1996.

Focando quase exclusivamente em um novo público, o longa se dá ao luxo de deixar de lado algumas partes icônicas do filme original, como a trilha sonora e as participações de astros da NBA como Charles Barkley, Muggsy Bones e Larry Johnson. Em seu lugar, Robin, Estelar, Ciborgue, Ravena e Mutano fazem comentários sobre Space Jam - O Jogo do Século, incluindo curiosidades e referências a eventos da década de 1990. O humor nonsense dos Titãs até segura a barra dessa grande recapitulação, embora sua energia caótica não compense todos os cortes feitos. As músicas, em especial, fazem muita falta e a trilha genérica que as substituem passa longe da energia original.

O grande trunfo de Teen Titans! Go See Space Jam está na capacidade de fazer graça com os problemas de O Jogo do Século. Os efeitos especiais defasados, o uso de armas de fogo e as escolhas sem sentido da trama são apontadas sem a menor piedade por Mutano, Estelar e Ravena, que não perdoam nem mesmo a atuação travada de Jordan ou a ponta completamente fora de lugar de Bill Murray.

O trabalho de dublagem, tanto em português quanto no idioma original, é excelente, com destaque para a questionadora Ravena de Mariana Torres e o empolgado Ciborgue de Eduardo Borgerth. A adaptação brasileira dos diálogos traz um charme diferente para Teen Titans! Go See Space Jam, com piadas e trocadilhos que com certeza se perderiam na tradução.

Ainda assim, é difícil ignorar o fato de a produção ser basicamente um comercial de uma hora e meia. Mesmo que a bobeira de Jovens Titãs em Ação! seja inegavelmente contagiante e divertida, Teen Titans! Go See Space Jam funciona apenas no contexto específico de preparar uma nova geração para a franquia. Fora dele, o longa não funciona nem como uma produção isolada, nem como um especial da animação infantil dos heróis da DC.

Sem qualquer pretensão de criar algo profundo, Teen Titans! Go See Space Jam cumpre seu papel de ocupar a mente das crianças e de entregar um entretenimento nostálgico para os adultos. Fora isso, o longa é relativamente esquecível, com poucos momentos que justifiquem sua existência para fãs de Jovens Titãs em Ação! e de Space Jam.

Teen Titans Go! See Space Jam
Teen Titans Go! See Space Jam

Ano: 2021

País: Estados Unidos

Classificação: LIVRE

Duração: 83 min

Direção: Peter Rida Michail

Roteiro: Brady Klosterman

Elenco: Manolo Rey, Eduardo Borgerth, Luisa Palomanes, Mariana Torres, Charles Emmanuel

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.