Filmes

Crítica

Steve Jobs | Crítica

Agilidade e drama pessoal marcam a primeira cinebiografia digna do criador da Apple

Thiago Romariz
14.01.2016, às 15H53

Steve Jobs não era uma pessoa simples ou fácil de lidar. As histórias que cercavam o criador da Apple se tornaram mitos tão grandes quanto o sucesso de suas invenções. Discutir a importância ou a influência que ele teve no mundo moderno demandaria um esforço suscetível a erros e reclamações de todos os lados.

Com isso em vista, Aaron Sorkin criou em Steve Jobs (2014) uma cinebiografia pautada pelo drama pessoal de Jobs, que durante anos negou a paternidade de sua primeira filha. A partir daí, o filme discute manias, criações e erros com uma agilidade capaz de dar espaço para Michael Fassbender e o elenco de apoio brilharem. São situações que distorcem a realidade e propositalmente constroem um retrato multifacetado de uma das mentes mais importantes dos últimos anos.

Sorkin adapta a biografia escrita por Walter Isaacson, jornalista que cobriu grande parte das apresentações de Jobs. O roteirista pega um livro extenso e transforma em um longa de três atos, focados nos lançamentos do Macintosh, da NeXT e do iMac. Dessa maneira, detalhes dos computadores são obrigatoriamente discutidos, mas servem de pano de fundo para o verdadeiro tema que o filme tenta discutir: a psicologia por trás das decisões e dos feitos de Jobs.

Entre surtos repentinos e sacadas geniais, Steve Jobs mostra a imponência de seu protagonista sem pudor, mas constantemente o rebaixa a um sujeito com problemas familiares. A sua adoção (e o uso de John Sculley, CEO da Apple, como uma figura paterna) é um caso tão discutido quanto a paternidade de Lisa - e combinados mostram-se o grande eixo da cinebiografia, pois, sem entrar no mérito de quem está certo ou errado, não simplifica a figura de Jobs em broncas, design e gagdets. Para isto existem inúmeros documentários produzidos depois da morte dele.

O roteiro de Sorkin não seria tão forte se o elenco não tivesse sido tão bem escolhido. De Michael Fassbender a Kate Winslet, passando por Seth Rogen, Michael Stuhlbarg e Jeff Daniels, ninguém se parece de verdade com seus personagens reais - e isso pouco importa. Tal qual a encenação exagerada de cada lançamento/ato, cada indivíduo carrega nas falas um caminhão de personalidade. É como se cada frase fosse pensada para definir uma pessoa, cada situação fosse feita para transmitir uma mensagem. A velocidade com que eles entram e saem de cena dão um ritmo equilibrado ao filme, que ao final não parece ter os 122 minutos descritos na ficha.

Esse aqui é um filme do diretor Danny Boyle, mas poderia ser assinado ao lado de Sorkin, que deixou sua marca em todos os quadros. Boyle tem o mérito de filmar sem exageros e usa bem os corredores e imagens projetadas para simbolizar dúvidas e pensamentos de Jobs. As idas e vindas na linha temporal, mescladas com os diálogos super rápidos de Sorkin, também são bem montadas, sem deixar o espectador perder o fio da discussão, que nem sempre é fácil.

Steve Jobs não vai ensinar o porquê de a Apple ser a maior empresa de tecnologia do mundo, nem os motivos que fizeram Jobs ser considerado um gênio. Aqui estão discussões pessoais de um cara tão inteligente quanto problemático. E mesmo que seja lotado de frases de feito e diálogos eloquentes, é um filme que sobressai pela dedicação com que discute os temas mais obscuros da vida de Jobs.

Steve Jobs (2015)
Steve Jobs
Steve Jobs (2015)
Steve Jobs

Ano: 2015

País: EUA

Classificação: LIVRE

Direção: Danny Boyle

Roteiro: Aaron Sorkin

Elenco: Michael Fassbender, Katherine Waterston, Kate Winslet, Seth Rogen, Jeff Daniels, Michael Stuhlbarg, Perla Haney-Jardine, Sarah Snook, Adam Shapiro

Nota do Crítico
Ótimo

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.