Filmes

Crítica

Crítica: Shrek 2

Shrek 2

Marcelo Forlani
17.06.2004
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h16
Atualizada em 21.09.2014 às 13h16

Só tem uma coisa mais perigosa que percorrer desertos escaldantes, escalar as montanhas mais altas e enfrentar dragões que soltam fogo pelas narinas: conhecer os sogros! Foi a partir desta premissa que o roteirista e diretor Andrew Adamson começou a pensar em Shrek 2. O projeto recebeu sinal verde logo depois que o primeiro filme iniciou seu domínio nos cinemas americanos. No total, Shrek (de Adamson e Vicky Jenson - 2001) fez 455 milhões de dólares nos cinemas do mundo todo (para um custo de 60 milhões) e faturou o primeiro Oscar para um longa-metragem de animação, surpreendentemente desbancando a Disney. Tirou também o posto de desenho mais visto, que até então pertencia a O Rei Leão (The Lion King - 1994).

A resposta da Casa do Mickey veio em dose dupla. Naquele mesmo ano de 2001 Monstros S.A. (Monsters Inc.) recuperou para a Disney a primeira posição entre as animações mais populares e em 2003 veio do fundo do mar um sucesso ainda maior: Procurando Nemo (Finding Nemo).

Shrek 2

None

Shrek 2

None

Shrek 2

None

Shrek 2

None

Agora, três anos após o ogro verde ter conquistado o coração da Princesa Fiona, ele volta aos cinemas e bagunça toda a ordem de novo. Em apenas três semanas em cartaz nos Estados Unidos, o filme não só recuperou para a Dreamworks a posição de animação mais assistida, como bateu recordes de filmes normais, como por exemplo, quando quebrou a barreira dos 300 milhões de dólares mais rápido que o Homem-Aranha (Spider-man - 2002).

Mas para que tantos números?, você pode estar pensando. Por um único motivo: Shrek 2 merece cada centavo e recorde conquistado. A segunda aventura do ogro, agora casado com Fiona, e o fiel escudeiro Burro consegue elevar o patamar alcançado no primeiro filme.

Tudo começa logo após o casamento. Nos primeiros cinco minutos, já disponibilizados na internet (veja aqui), vemos um pedaço da lua-de-mel, desde o momento em que o noivo carrega a esposa no colo para dentro do quarto, até um romântico passeio pelos campos floridos - em câmera lenta, claro. Quando retornam para o conforto do pântano, agora livre de todas aquelas criaturas dos contos de fadas, recebem a notícia que vai mudar tudo: os pais de Fiona vão dar um baile para comemorar o casamento e abençoar o matrimônio. Só tem um problema: eles pensam que ela está apaixonada pelo Príncipe Encantado, não por uma criatura verde. Chegando ao reino de Tão Tão Distante (uma cópia de Los Angeles, com direito a Rodeo Drive, limusines e lojas para todos os lados) começa o novo desafio de Shrek: agradar sua amada esposa conquistando a simpatia dos sogros. A mãe de Fiona não é a bruxa malvada que muita gente tem como sogra, mas o pai é aquele sujeito que não engole o genro por nada e este vai ser apenas o menor dos problemas que Shrek vai ter de enfrentar.

O toque de mágica

Na área tecnológica, não há inovações que saltem tanto aos olhos quanto as texturas dos tecidos e pele, ou as feições conseguidas anteriormente. Agora, a diferença está nos detalhes. Houve apenas um aperfeiçoamento do que já era bom. Desta vez, os preguiçosos desenhistas tiraram os confortáveis calçados dos personagens e deixaram seus pés à vista em algumas cenas. Fumaças, diferentes pontos de luz, cabelos com mais volume e movimento... são estas as novidades, que de tão iguais à realidade, acabam passando desapercebidas.

O grande destaque, mais uma vez, é o roteiro, que consegue unir ação, comédia, drama e até um pouco de romance. As piadas estão em todos os lugares, inclusive nos mínimos detalhes. Pode ser o nome de um lugar, um posicionamento de câmera, um quadro na parede, uma foto pendurada em cima da cama... As referências a filmes também aumentaram. Entre muitos outros, foram parodiados os grandes sucessos Homem-Aranha, O Senhor dos Anéis, Alien - o oitavo passageiro, E.T., Caça Fantasmas, Indiana Jones e Missão: Impossível, mas também não faltaram brincadeiras com programas de televisão, como o famoso tapete vermelho do E!, Meu pequeno pônei e até a série COPS, em que a câmera acompanha policiais em caçadas a marginais.

Os novos personagens (Rei e Rainha, Gato de Botas, Fada Madrinha, Príncipe Valente e Irmã feia) são mais interessantes que o antigo Lord Farquad e justificam não só o que aconteceu no primeiro filme, como a forma como esta seqüência vai terminar. Finalmente saberemos quando começou a maldição que transformava Fiona em uma ogra à noite e como ela foi terminar na torre mais alta do castelo guardado pelo dragão.

Shrek 2 é um filme que merece ser visto mais de uma vez. Na primeira, você vai dar muitas risadas. Na segunda, vai descobrir coisas que não tinha percebido na vez anterior e vai dar mais risadas ainda. A boa notícia é que a versão brasileira está muito boa. Bussunda melhorou muito sua atuação e desta vez não atrapalha. O burro é mais uma vez dublado por Mario Jorge de Andrade, profissional que sempre faz a voz do Eddie Murphy nos filmes da Sessão da tarde e, por isso, sabe manter toda a verborragia do personagem. E, de bônus, temos um Gato de Botas que fala um portuñol divertidíssimo (voz de Alexandre Moreno). Dá até para dizer que, para nós brasileiros, é melhor que o Antônio Banderas, que emprestou a voz na versão americana. Por outro lado, no som original temos Cameron Diaz fazendo Fiona, John Cleese no papel do Rei e até Larry King, que faz a voz da Irmã Feia (no Brasil, dublado pelo também jornalista Pedro BBB Bial). Dublado, ou legendado, faça sua escolha, mas não se esqueça de uma coisa: para viver feliz para sempre você terá que ficar no cinema até o fim da sessão. Quem sair logo que os créditos começam vai ser amaldiçoado e perderá a última piada.

Shrek
Shrek
Shrek
Shrek

Ano: 2001

País: EUA

Classificação: LIVRE

Duração: 89 min

Direção: Andrew Adamson, Vicky Jenson

Roteiro: Ted Elliott, Terry Rossio, Joe Stillman, Roger S.H. Schulman

Elenco: Mike Myers, Eddie Murphy, Cameron Diaz, John Lithgow, Vincent Cassel, Peter Dennis, Clive Pearse, Jim Cummings, Bobby Block, Chris Miller, Cody Cameron, Kathleen Freeman, Conrad Vernon

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.