Foto de Scooby!

Créditos da imagem: Scooby!/Warner/Divulgação

Filmes

Crítica

SCOOBY! O Filme | Crítica

O grande mistério é: quantos easter eggs você vai conseguir achar no filme?

Marcelo Forlani
06.08.2020
12h56

Antes dos serviços de streaming por assinatura, as crianças já tinham o YouTube. Antes do YouTube, as crianças tinham os canais a cabo especializados em desenhos. Antes dos canais a cabo, as crianças tinham os programas infantis da TV aberta. Antes disso, eu não era nascido ainda. A minha infância teve muitas manhãs regadas a desenhos animados que traziam muitos clássicos dos anos 1960 e 1970 e as novidades produzidas durante os 1980s e 1990s.

Um selo de qualidade inegável vinha com o sobrenome de dois animadores: William Hanna (1910 - 2001) e Joseph Barbera (1911 - 2006). Dos estúdios da Hanna-Barbera saíram Os Flintstones, Os Jetsons, Manda Chuva, Zé Colmeia, Corrida Maluca e Scooby Doo, entre outros clássicos. As animações eram exibidas em loop na programação e vistas por crianças no mundo todo.

No início dos anos 1990, o estúdio foi comprado pela Turner, que usou seu catálogo no lançamento do Cartoon Network. Mas com a chegada de novas produções (Meninas Superpoderosas, Ben 10, O Incrível Mundo de Gumball, Hora de Aventura, Novos Titãs, etc.), os personagens antigos foram diminuindo sua rotatividade na grade do canal. Nesta semana, por exemplo, é possível ver apenas episódios do Scooby Doo (numa versão de 2015 - Be Cool Scooby Doo) e Tom & Jerry, que foram criados por Hanna e Barbera para a MGM, antes de abrirem seu próprio estúdio.

Tudo isso para dizer que a animação SCOOBY! O Filme (Scoob!, 2020), que chega agora aos serviços de streaming pagos, é uma válida e saudosa forma de reviver não só a turma formada por Fred, Velma, Daphne, Salsicha e Scooby, mas também de trazer de volta alguns personagens clássicos do vasto cardápio criado pela Hanna-Barbera. Quando foi mostrado o pôster do longa-metragem incluindo as figuras do Falcão Azul e Dinamite, o Bionicão, confesso que voltei aos meus 6 anos de idade. Era tudo o que eu precisava para me empolgar com esta nova animação da Mistérios S.A. Infelizmente não vi o filme nos cinemas, como estava programado, mas sim aqui em casa com a minha família e a diversão veio para todos.

A história começa com Salsicha criança e Scooby filhote se conhecendo, em uma confusão pela areia de Venice Beach, em Los Angeles, e que obviamente envolve comida. Salsicha, o solitário menino que era zoado pelos outros na escola, ganhava seu primeiro amigo de verdade. No feriado favorito das crianças, o Dia das Bruxas, eles conhecem Fred, Velma e Daphne e solucionam seu primeiro "caso paranormal". Está formada ali a Mistério S.A.

A aventura segue, no entanto, para um rumo que me deixou um pouco ressabiado - com a entrada de robôs alienígenas na trama, algo que não veríamos num episódio normal. Porém, tudo é melhor explicado depois e o desfecho coloca as coisas de volta aos seus lugares. E ainda temos os inúmeros easter eggs e participações especiais de personagens da Hanna-Barbera e até algumas celebridades, o que torna o desenho um “Onde está o Wally?” em movimento. É diversão garantida para os mais velhinhos e aula de história da animação para os que estão chegando agora.

Não há mistério que seja impossível de desvendar para esta turma, mas um deles é evidente. A Warner Bros. precisa manter seus personagens ativos em filmes para o cinema, séries, games e outras mídias… ou eles vão virar fantasmas, presentes apenas na mente dos mais velhos. E isso, nós sabemos, não gera interesse em produtos licenciados, parques temáticos e até mesmo mais filmes. Scooby! O Filme pode não ser perfeito, mas cumpre esta função de manter essa turma ativa.

Nota do Crítico
Bom