Filmes

Crítica

Sangue Negro | Crítica

Paul Thomas Anderson mira o passado do drama épico hollywoodiano e dá um passo à frente na carreira

Marcelo Hessel
14.02.2008
16h00
Atualizada em
21.09.2014
13h33
Atualizada em 21.09.2014 às 13h33

O fato de Sangue Negro (There Will Be Blood, 2007) estar sendo comparado a Cidadão Kane é um evidente exagero, justificado pela ansiedade da mídia em eleger novos clássicos adultos numa Hollywood cada vez mais infantilizada. É um exagero, mas há na comparação certa razão: o incensado drama épico de Paul Thomas Anderson trata, como a obra-prima de Orson Welles, de um homem que tem tudo e ao mesmo tempo não tem nada.

O barão do jornalismo Charles Foster Kane e o pioneiro do petróleo Daniel Plainview, protagonista de Sangue Negro, personificam o sonho americano. Empreendedores natos, vencem em ambiente hostil, mas algo lhes dói na alma, esse algo que lhes falta e que o dinheiro não pode comprar. O grande mistério de Cidadão Kane é entender o significado da palavra "Rosebud", que Charles Kane balbucia no leito de morte. Qual seria o "Rosebud" de Daniel Plainview?

sangue negro

None

sangue negro

None

sangue negro

None

Haverá sangue

Livremente inspirado no romance Oil!, escrito em 1927 por Upton Sinclair (1878-1968), Sangue Negro começa em 1898, Novo México. Daniel está em sua modesta mina de prata lutando com uma picareta para tirar algo mais do que algumas faíscas da pedra. Anos depois, por uma sorte subterrânea, brota petróleo de um dos seus buracos. Daniel se reinventa como prospector - aquele profissional que encontra terrenos metalíferos e monta ali postos de perfuração.

Acompanhado do filho de um amigo morto em serviço, bebê que Daniel adota para posar de homem de família nas mesas de negociação, o prospector chega a Little Boston, na Califórnia, onde ouviu dizer que há um oceano de petróleo debaixo da terra. Daniel tem no filho adotivo um trunfo de retórica, mas não é o único. Em Little Boston ele encontra no pastor Eli Sunday (Paul Dano) um rival da oratória à sua altura. E um rival que também tem ambições de prosperar.

Até aí tudo é introdução. As tramas começam a se mover de fato quando Daniel não deixa Eli benzer o bendito poço em Little Boston. A partir daí, como a aterrorizante trilha sonora de Jonny Greenwood já antevia, e como diz o imbatível título original do filme, "haverá sangue".

Ler Sangue Negro como uma confluência histórica de duas forças formadoras dos EUA - a religião e o petróleo - é uma das muitas possibilidades de interpretação que se abrem. Filme poderoso, daqueles que não deixam o espectador sem opinião ao fim da sessão, é também um filme que cresce dentro da gente com o tempo - e com o tempo surgem novas interpretações.

Força da natureza

O que permanece é a questão: que espécie de "Rosebud" persegue Daniel? Interpretado como se fosse uma força incontrolável da natureza pelo londrino Daniel Day-Lewis, Daniel Plainview sofre, coincidentemente, das mesmas carências afetivas de Charles Kane. Aos poucos, por baixo dos "grandes temas" de formação dos EUA, Sangue Negro se revela um filme sobre a família.

Ou, no caso, sobre a ausência dela. O plano em que a câmera pega o rosto de Daniel no mar depois de pressentir a mentira do irmão não sairá da minha memória tão cedo.

Dizer que Paul Thomas Anderson é o melhor diretor estadunidense a surgir nos últimos 15 anos seria incorrer num exagero parecido com aquele que chama Sangue Negro de novo Cidadão Kane. Mas dos melhores cineastas hoje em atividade em Hollywood, PTA é certamente o mais afirmativo. Ele abandona o filme-coral que o marcou no início da carreira - Boogie Nights, Magnólia - e, numa espécie de evolução no trabalho com o som e a imagem de Embriagado de amor (em que o cineasta já arriscava conciliar música climática com longos planos em profundidade), dá um largo passo à frente na carreira ao mesmo tempo em que olha para trás, para o passado do épico hollywoodiano.

Nesse ponto, não é exagero dizer que o retrato crítico do empreendedorismo em Sangue Negro segue - e honra - uma filiação que remete a clássicos como Assim Caminha a Humanidade, ...E o Vento Levou, A Morte não Manda Recado, O Poderoso Chefão 2 e o próprio Cidadão Kane.

Assista a clipes do filme

Sangue Negro
There Will Be Blood
Sangue Negro
There Will Be Blood

Ano: 2007

País: EUA

Classificação: 14 anos

Duração: 158 min

Direção: Paul Thomas Anderson

Elenco: Daniel Day-Lewis, Paul Dano, Dillon Freasier, Ciarán Hinds, Kevin J. O'Connor, Hope Elizabeth Reeves, Colleen Foy, Barry Del Sherman, David Willis, Hans Howes, Sydney McCallister, Paul F. Tompkins

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.