Filmes

Crítica

Procurando Dory | Crítica

Continuação é competente, mas não tem força para ser memorável

Natália Bridi
29.06.2016
15h59
Atualizada em
29.06.2018
02h44
Atualizada em 29.06.2018 às 02h44

Andrew Stanton ainda amargava o fracasso de John Carter - Entre Dois Mundos, a sua estreia como diretor de live action, quando anunciou um retorno às origens: a continuação de Procurando Nemo, animação que lhe rendeu o seu primeiro Oscar (o segundo viria com Wall-E).

A sequência tardia para o sucesso de 2003 tinha a clássica justificativa: a Pixar finalmente encontrara a história certa para continuar nas vidas de Dory, Marlin e Nemo. Desta vez, a “peixinha” sem memória seria protagonista, em uma busca por suas origens. A verdade, porém, é que Procurando Dory apenas retoma o caminho do filme original para procurar um novo público. Não chega a ser um “requel” (a tendência de misturar sequência e reboot que recentemente resultou em sucessos como Jurassic World e Star Wars: O Despertar da Força), mas não tem a força de um Toy Story 2 para expandir o seu mundo.

É claro que o alto padrão estabelecido pela Pixar esta lá. A narrativa vai além da busca de Dory por si mesma ou por seus pais, abordando questões como aceitação - de deficiências e personalidades - e família - a genética e aquela unida pela vida. O senso de humor permanece afiado, ainda que mais físico e menos cínico. As piadas são infantis, mas nunca caem na armadilha do “bobo pelo bobo”.

O estúdio também continua a mostrar o seu esmero estético, como uma evolução nas ferramentas de animação de movimento e luz na água. O carisma permanece uma constante no design de personagens, que incorpora as características de cada espécie à narrativa, seja pela ação ou pelo humor. Até mesmo a descontinuidade das recordações de Dory é traduzida visualmente, em um recurso que dá ritmo à trama entrecortada.

Ironicamente, porém, Procurando Dory falha em se tornar memorável. É uma animação competente, mas que não acrescenta nada a um universo que já parecia completo no filme original. Serve como um passeio entre personagens queridos, com acenos sentimentais e muitas risadas (ampliadas pela excelente dublagem na versão brasileira). O sucesso nas bilheterias (mais de US$ 400 milhões somados mundialmente em duas semanas) mostra que a história certa era mesmo um acerto comercial. Logo, logo a Pixar deve iniciar outra busca pelo lucrativo oceano criado por Stanton.

Procurando Dory
Finding Dory
Procurando Dory
Finding Dory

Ano: 2016

País: EUA

Classificação: LIVRE

Duração: 95 min

Direção: Andrew Stanton

Roteiro: Andrew Stanton

Elenco: Ellen DeGeneres, Albert Brooks, Idris Elba, Kate McKinnon, Bill Hader, Dominic West, Diane Keaton, Ed O'Neill, Ty Burrell, Eugene Levy

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.