Filmes

Crítica

Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário | Crítica

Reboot da saga das 12 casas tem dificuldade para agradar fãs e atingir novo público ao mesmo tempo

Bruno Silva
17.10.2014
15h28
Atualizada em
29.06.2018
02h34
Atualizada em 29.06.2018 às 02h34

Nos últimos anos, quem gosta de Cavaleiros do Zodíaco precisou ter a cabeça aberta para acompanhar a direção que a franquia tomou com seus últimos lançamentos. Isso tem motivo: embora a paixão do fã brasileiro continue forte, a Toei também precisa conquistar o novo público japonês. E lá, Saint Seiya é um anime que, apesar de conhecido, fez sucesso há quase 30 anos - ou seja, não está nada fresco na cabeça dos jovens.

cdz2

None

cdz1

None

cdz3

None

cdz4

None

Todo esse contexto serve para amenizar o impacto que alguns dos fãs mais dedicados da saga provavelmente vão sentir após sair da sessão de Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário no cinema. O reboot em computação gráfica nos cinemas foi pensado principalmente em um público mais jovem, que pode até saber da importância histórica do anime e do mangá, mas provavelmente nunca viu nada da série.

Some-se isso à dificuldade de adaptar uma saga de 74 episódios em um filme de uma hora e meia e o resultado é uma história que, apesar de ser a mesma na essência, é contada de uma forma muito diferente. Atena ainda é atingida por uma flecha do mal e Seiya e seus amigos ainda precisam atravessar as 12 casas protegidas pelos Cavaleiros de Ouro para salvá-la, mas a batalha não é tão mortal quanto no desenho animado.

A primeira parte do longa sintetiza os acontecimentos que fizeram Seiya, Shiryu, Hyoga, Shun e Ikki se unir em torno de Atena, sem tocar em quase nenhum detalhe explorado no anime e no mangá. Sacrifícios compreensíveis - afinal, o que importa é a subida das 12 casas. Mas até mesmo a cruzada dos Cavaleiros de Bronze pelo Santuário sofre muitas alterações.

Sem dar spoilers, temos lutas com oponentes diferentes, deixando de lado muitos momentos épicos que faziam a diferença no desenho animado. Partes importantes da história que não deviam ficar de fora acabaram cortadas e o que entrou no lugar não tem um impacto equivalente ao anime e o mangá. O filme ficou fácil de entender, mas lhe falta uma das principais qualidades de Cavaleiros: a emoção.

Mas nem todas as alterações propostas são ruins. Uma das boas novidades é a visual. Embora as armaduras reformuladas não tenham agradado tanto os fãs, tudo fica muito bem na animação, em uma estética que parece unir os cenários e detalhes de Final Fantasy com as caras e expressões faciais de um filme da Pixar - uma combinação inusitada, mas que funciona para Cavaleiros. Vale destacar também os belos efeitos visuais dos golpes e das lutas, apesar do uso exagerado do slow-motion.

Os personagens também estão mais rejuvenescidos, e têm uma personalidade levemente diferente do anime. Alguns traços foram mais acentuados (Seiya é mais brincalhão, Shiryu é mais sisudo), e os Cavaleiros de Ouro também passaram por várias mudanças - algumas delas, interessantes, como as de Aldebaran e Mu, e outras questionáveis, como a do Máscara da Morte. Mas o filme é curto e tudo acontece de forma muito rápida para que os personagens sejam plenamente desenvolvidos.

O outro ponto positivo, claro, é a dublagem brasileira, sem dúvida um dos destaques do filme, que soube adaptar as mudanças propostas pela direção japonesa sem deixar de lado as expressões consagradas do anime. Era de se esperar, afinal, quase todos os atores interpretam seus personagens há 20 anos - os estreantes Mauro Castro e Silvia Goiabeira também fazem excelente trabalho como Camus e Miro, respectivamente.

Lenda do Santuário caiu naquele estranho limbo dos reboots que tentam, ao mesmo tempo, alcançar um público novo e agradar os fãs já existentes, mas não conseguem nenhum dos dois objetivos com êxito. Se você é fã ardoroso, vai ter que manter a cabeça aberta para aceitar o que mudou. A mensagem principal do desenho - confie em seus amigos, nunca desista -, ainda está intacta. Só prepare-se para vê-la de um jeito bem diferente do que você está acostumado.

Cavaleiros do Zodíaco - A Lenda do Santuário | Cinemas e horários

Nota do Crítico
Regular