Filmes

Crítica

O Veneno da Madrugada | Crítica

O Veneno da madrugada

Marcelo Hessel
16.03.2006
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h19
Atualizada em 21.09.2014 às 13h19

O Veneno da Madrugada
Brasil, 2006
Drama - 118 min

Direção: Ruy Guerra
Roteiro: Ruy Guerra e Tairone Ferrosa, baseado em livro de Gabriel Garcia Márquez

Elenco: Leonardo Medeiros, Juliana Carneiro, Fábio Sabag, Zózimo Bulbul, Jean Pierre Noher, Rejane Arruda, Luah Galvão, Nílton Bicudo, Danielle Barros, Maria João Bastos, Amir Haddad, Emílio de Melo, Murilo Grossi, Rui Resende, Antônio Melo, Fernando Alves Pinho, Luís Luque, Mário Paulucci, Chico Tenreiro, Rui Polonah, Tonico Pereira, Fabiano Costa

É sempre bom ver um filme que nega regras, que evita facilitar a vida espectador. Mas às vezes é difícil saber o que separa o provocador, o interessante, do hermético, incompreensível.

A audição é o primeiro desafio de O Veneno da madrugada (2006), filme de Ruy Guerra baseado no romance La mala hora, de Gabriel García Márquez. O título sugere uma história por becos urbanos escuros, mas na verdade se passa em um vilarejo enlameado, molhado, minúsculo - e cacofônico. O barulho da chuva se mistura ao dos bichos, este ao das pessoas que grunhem mais do que se comunicam.

O alcaide sem nome (Leonardo Medeiros, de Cabra-Cega) fala mal porque lhe doem os dentes que ele se recusa a arrancar. Cabelo grudado na testa, oficial de justiça em uma terra mandada pelo coronelismo, ele anda de um lado ao outro ininterruptamente atrás de algo. Aos poucos, descobrimos que pretende embaralhar as terras dos dois grandes proprietários do lugar: a viúva Assis (Juliana Carneiro da Cunha, de Lavoura Arcaica) e Dom Sabas (Amir Haddad).

Acontece que o alcaide, símbolo embriagado de um fiapo de lei, não tem descanso. Alguém está espalhando bilhetes que revelam intimidades dos outros moradores. O padre Angel (Fábio Sabag) suplica que a leviandade cesse, o corno Roberto (Emílio de Melo), filho da víúva, implora que os bilhetes parem antes que sua honra já combalida seja manchada de vez. Tudo isso ocorre nas 24 horas que separam a manhã de um sábado e o dia seguinte - domingo de apocalipse, de hecatombe, em que só permanecem no mesmo lugar que começaram as ratazanas gordas que infestam a igreja.

Se parece vertiginoso, ou no mínimo diferente, parte do débito vai na conta de Guerra, outra na de García Márquez. O mestre do realismo mágico oferece, de seu livro, a narrativa desconstruída que permite ao cineasta ir e voltar no tempo e repassar cenas sob perspectivas diferentes. Guerra, amigo pessoal do escritor, conhece seu universo como poucos - ele já havia dirigido adaptações de outros dois livros do colombiano, Erêndira (1983) e A fábula da Bela Palomera (1987). O veterano Guerra, que não tinha um filme lançado comercialmente desde Estorvo (2000), adaptação do romance homônimo de Chico Buarque, tem mesmo predileção pelas obras literárias cheias de fluxos de consciência, teoricamente inadaptáveis em termos visuais. Talvez por isso ele se sinta tão à vontade para tomar licenças criativas.

Muitas funcionam. A fotografia primorosa de Walter Carvalho traduz desde o primeiro instante a claustrofobia tão cara a Guerra. Quando surgem as cenas iluminadas, é bom atentar - talvez aí esteja a senha para reparar em um ou outro personagem banhado de luz, a quem é dado a curta chance de um pouco de ar. Mas aí já começa o desafio de compreender (explicar talvez seja pedir um pouco demais) o que O Veneno da madrugada quer nos dizer.

Libelo antireacionarismo? Reflexão sobre um povo condenado? É possível, já que a paisagem tem toda a cara de América do Sul, o filme faz menção a guerrilhas e Dom Sabas parece a mistura de ACM com Jabba the Hutt. Manifesto pessimista sobre uma herança maldita? C.Q.D. não-linear de um destino escrito em bola de cristal? Pode ser também. Cabe ao espectador decidir se O Veneno da madrugada fica do lado dos provocadores ou dos herméticos, se faz algum sentido ou se faz sentido nenhum. Vale dizer só que o filme não aceita meio termo.

O Veneno da Madrugada
O Veneno da Madrugada
O Veneno da Madrugada
O Veneno da Madrugada

Ano: 2005

País: Brasil

Classificação: 14 anos

Duração: 118 min

Direção: Ruy Guerra

Roteiro: Gabriel García Márquez

Elenco: Leonardo Medeiros, Juliana Carneiro da Cunha, Rejane Arruda

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.