Filmes

Crítica

O Rei Leão

Preso ao fotorrealismo, remake substitui a expressividade pelo deslumbre

Marcelo Hessel
11.07.2019
13h19
Atualizada em
18.07.2019
17h33
Atualizada em 18.07.2019 às 17h33

Azeitada para atender a nostalgia do seu público sem quebrar os moldes, a máquina de remakes da Disney tem em O Rei Leão seu maior desafio. Reescalar elenco, atualizar o texto e regravar as canções de Elton John são questões periféricas se comparadas com a principal: como manter a expressividade dos personagens - tanto na tragédia de matriz shakespeariana quanto nos números musicais - dentro de um projeto cuja principal novidade é o fotorrealismo dos leões de Jon Favreau.

Não é apenas a questão de transformar um clássico da animação tradicional em um longa em live-action com computação gráfica. Quando fez seu Mogli, Favreau contava com um protagonista humano expressivo e algumas escolhas pontuais de caricatura e fisionomia, como do Rei Louie e de Baloo, para sustentar a entrega da dramaturgia e da graça. No caso de O Rei Leão, essa transição é mais problemática (antes de mais nada porque exige que seus animais de CGI façam um Hamlet convincente) e não acontece de forma tão suave quanto em Mogli.

Assim como no seu filme anterior, Favreau aposta primeiro no deslumbre. Detalhes da natureza aparecem na tela com uma riqueza de texturas que era impossível no filme de 1994, e se esses travelings (do rato, do pêlo do leão, dos insetos) acontecem frequentemente em planos-sequências em O Rei Leão é porque Favreau pretende preservar até o limite do corte esse interesse do olhar do espectador. É como Simba encantado com o bater das asas de um besouro: um efeito hipnotizador, que encanta enquanto dura.

O deslumbre obviamente não sustenta o filme. Dos remakes da Disney, talvez este seja aquele em que o serviço da dramaturgia mais depende da nostalgia para funcionar. Favreau sabe disso e faz mudanças mínimas e respeitosas, sem desconstruir o original. O texto não muda demais; é atualizado em questões mais sensíveis (quando Simba pergunta se o reino será seu, Mufasa responde que o reinado é uma responsabilidade, não uma posse) e em momentos mais leves (como no segmento da floresta, agora sustentado em piadas autorreferentes). A seleção de canções é refeita na base do prestígio de Beyoncé e Donald Glover - não há nostalgia que resista à tentação da venda casada com o mercado fonográfico, afinal - e as interpretações também não fogem muito do original nos arranjos.

O resultado é o que se esperaria dessa receita protocolar. O Rei Leão transcorre como se fosse aquele experimento de assistir a O Mágico de Oz acompanhado de Dark Side of the Moon, mas com um especial do Disneynature passando enquanto toca por cima o áudio do filme de 1994. Os travelings de Favreau são bons para deslumbrar nas tomadas de paisagem e nas cenas de ação, mas os close-ups não funcionam como deveriam, e o diretor visivelmente lhes diminui a frequência nos momentos emocionais.

Está se tornando uma unanimidade dizer que Timão e Pumba roubam o filme e as razões são evidentes. Os dois personagens formam a resistência, são o bastião do antropomorfismo e do cartunesco. Suas fisionomias naturalmente se prestam à expressividade (o sobe e desce do suricate, as jogadas de pescoço; o focinho proeminente e os dentes de Pumba, que parece estar rindo o tempo todo). As cenas na floresta e no deserto se valorizam com eles num efeito de contágio; além da caracterização dos personagens, o texto se oxigena, preparado para fazer piada com o original (só Simba engorda na montagem do salto temporal), e Favreau parece mais ágil, confiando no close-up cômico de Timão e na correria com câmera na mão com Pumba. Até uma canção surpreende, na coreografia e na função de "The Lion Sleeps Tonight".

Timão e Pumba são também exemplos felizes de como injetar personalidade nos animais a partir das escolhas de vozes. Billy Eichner faz a sua melhor variação de Nathan Lane para recriar um Timão dândi e a interpretação de Seth Rogen como Pumba deixa mais que claro que "Hakuna Matata" sempre foi um grande código para o estilo de vida canábico. Se toda a sequência na floresta parece um filme de Judd Apatow, muito disso se deve à participação de Rogen.

Num filme fotorrealista em que as vozes têm o fardo pesado de carregar a interpretação nas costas, esse tipo de escolha desequilibra a balança. Glover, particularmente, termina eclipsado, sem encontrar um casamento específico de sua persona com seu Simba, e a Disney por tabela está cavando uma nova polêmica ao dar para a alemã de origem ugandense Florence Kasumba, a única atriz com um sotaque mais "exótico", o papel de Shenzi. Não que isso vá reacender toda a discussão sobre o Apartheid e a apropriação cultural que cercou o filme de 1994. Os tempos são outros, hoje a Disney assume para si não uma cultura específica mas todo o discurso politicamente correto e assim se blinda da problematização. Resta ao público, de mãos dadas com o conglomerado, assistir a O Rei Leão pelo que ele tem a oferecer, uma grande demonstração de extravagância.

Nota do Crítico
Bom