Filmes

Crítica

O Galinho Chicken Little | Crítica

O galinho Chicken Little

Marcelo Hessel
10.11.2005
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h19
Atualizada em 21.09.2014 às 13h19

O galinho Chicken Little
Chicken Little
EUA - 2005
Animação - 77 min

Direção: Mark Dindal
Roteiro: Steve Bencich e Ron J. Friedman

Vozes no original: Zach Braff, Joan Cusack, Katie Finneran, Don Knotts, Garry Marshall, Catherine OHara, Amy Sedaris, Jeremy Shada, Harry Shearer, Patrick Stewart, Fred Willard, Steve Zahn

O Galinho Chicken Little (Chicken Little, 2005) é a primeira animação por computação gráfica que a Disney cria fora da parceria com a Pixar. Antes, juntos, esta produziu e aquela distribuiu Toy Story (1995), Vida de Inseto (1998), Toy Story 2 (1999), Monstros S.A. (2001), Procurando Nemo (2003) e Os Incríveis (2004). Oficialmente, a parceria chega ao fim na metade de 2006, quando estréia Carros. Renegociações acontecem há algum tempo, porém. E tudo pode ficar como está.

O fato é que, sem o controle de qualidade da Pixar, Chicken Little perde muito. Sobram lições de moral, mensagens edificantes, músicas melosas... Enfim, sobra a Disney.

Na história - adaptação de uma fábula infantil às telonas - o franguinho (voz de Zach Braff no original e de Daniel Cazuza Oliveira nas cópias em português) precisa recuperar sua reputação depois que virou piada quando achou que uma bolota caindo de um carvalho era um pedaço do céu que ruía. Nem seu pai acredita nele. Mas mal Chicken Little consegue se reanimar, um pedaço do céu cai, de verdade, na sua cabeça. E agora? Alienígenas, correria, referências musicais e tiradas adultas pontuam o desenho - que investe, mesmo, na importância da família e na comunicação entre pais e filhos.

Não que a exaltação dos bons valores seja um problema. Em Dumbo (1941) isso não era um obstáculo. Ruim mesmo é a inépcia da equipe de quatro roteiristas e do diretor Mark Dindal (A nova onda do imperador) em contar uma história sem que o discurso de auto-ajuda seja reafirmado o tempo inteiro. Sempre que começa a engatar, a narrativa é interrompida pelo dilema pai-filho e por canções melodramáticas - que a legendagem simultânea possibilita atestar o quanto são rasas. A ação fica toda picotada. Beira a gagueira, vinil arranhado.

E é aí que o script retrabalhado e enxugado à exaustão, marca do perfeccionismo da Pixar, faz mais falta. É fácil perceber a diferença assistindo, por exemplo, a Procurando Nemo: os conflitos pai-filho bóiam ao redor dos peixes como uma sugestão e se resolvem simbolicamente no decorrer da ação. O reencontro de Marlin e Nemo só vem para concretizar a conciliação, não para rediscuti-la. Na comparação, Chicken Little fica parecendo palavrório de terapia.

A história que se desenrola à parte não é ruim. As soluções visuais para mostrar o céu forrado de naves espaciais é muito criativa. A trilha sonora do fraco John Debney, que copia descaradamente os temas de Danny Elfman (especialmente de Marte Ataca! e Homens de preto), faz menção a essa tradição da ficção científica B, coisa que pode agradar os adultos - num desenho eminentemente infantil. E o peixe de escafandro que não fala (e por isso é o melhor personagem do desenho) é um achado.

No mais, vale atentar para o tipo de público que a Disney imagina ser seu alvo. Chicken Little já não é retratado como o nerd marginalizado, mas como uma espécie de indie. Sua camiseta curta listrada e seus óculos de armação verde não são fora de moda, são estilo (essa, no fundo, é a diferença entre nerds e indies). A excelente dublagem de Braff, síntese do elogio do loser de Scrubs e Hora de voltar, só reforça essa caracterização. Também não é por acaso o fato da cabeça do galinho ser tão desproporcional em relação ao corpo. Os jovens de hoje são cerebrais.

Por outro lado, há aqui tipos evidentemente sem salvação, como o gordo medroso com jeitos afeminados, encarnado no porco - que leva o nome de Runt of the Litter, carinhosamente traduzido como Raspa do Tacho. Obesos mórbidos não são mesmo o público-alvo, e a Disney deixa sua correção política de lado e faz piada ofensiva sem miséria, do começo ao fim do desenho, com o pobre Raspa.

Sem a Pixar, a Casa do Mickey não é só incompetente como também reacionária.

O Galinho Chicken Little
Chicken Little
O Galinho Chicken Little
Chicken Little

Ano: 2005

País: EUA

Classificação: LIVRE

Duração: 77 min

Direção: Mark Dindal

Elenco: Zach Braff, Garry Marshall, Don Knotts, Patrick Stewart, Amy Sedaris, Steve Zahn, Joan Cusack, Wallace Shawn, Harry Shearer, Fred Willard, Catherine O'Hara, Patrick Warburton, Adam West, Dan Molina, Joe Whyte, Mark Walton, Sean Elmore, Matthew Josten, Evan Dunn, Mark Dindal

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.