Filmes

Crítica

O Diário de uma Babá

Diretores de Anti-herói Americano dão um passo para trás na carreira

Marcelo Hessel
10.01.2008
18h00
Atualizada em
21.09.2014
13h32
Atualizada em 21.09.2014 às 13h32

O Diário de uma Babá (The nanny diaries) é uma adaptação do romance best-seller escrito pelas ex-babás Nicola Kraus e Emma McLaughlin, que passaram o inferno cuidando dos filhos mimados das madames ainda mais mimadas da alta classe de Nova York. Como tal, o filme estrelado por Scarlett Johansson está mais para crônica-denúncia do que para comédia família.

E começam aí os problemas - mais exatamente, no esforço dos roteiristas/diretores Shari Springer Berman e Robert Pulcini de encaixar uma trama (com direito aos jovens amores impossíveis de toda comédia romântica) onde originalmente só existe a observação da realidade, típica da crônica.

nanny diaries

None

nanny diaries

None

Na história, uma estudante recém-formada saída de Nova Jersey, Annie (Scarlett), começa a trabalhar para uma família da Park Avenue nova-iorquina como babá. Com o tempo, descobre que a casa está em cacos: a mãe (Laura Linney) é ausente com o filho e se ressente da ausência do marido, o pai (Paul Giamatti) mal toca no filho e muito menos na esposa, a quem sempre troca por viagens de trabalho. O problema para Annie é que ela já se afeiçoou demais no filho do casal para pedir demissão.

O histórico de Berman e Pulcini levava a crer que eles se sairiam bem com mais um olhar sobre um estrato social dos EUA, depois de despontarem com Anti-herói Americano. Talvez seja a pressão de trabalhar com um grande estúdio - e com os grandes clichês dos filmes de gênero -, mas o fato é que Berman e Pulcini dão um passo para trás na carreira com O Diário de uma Babá. O lado cronista de Annie (narradora do filme e observadora exterior à neurose de Park Avenue) se sufoca com o lado personagem-funcional de Annie.

Em outras palavras: ao mesmo tempo em que conta para nós como é a vida das madames, Annie é "obrigada" a se apaixonar pelo galã, a brigar com a mãe que simboliza seu passado em Jersey, a discutir o futuro profissional com uma amiga... Pela maneira frouxa com que o casal de diretores conduz os conflitos de Annie, fica evidente que a Berman e Pulcini só interessava o que estritamente estava no livro das ex-babás.

Condução frouxa, no caso, significa que não há soluções visuais satisfatórias para a carga de texto que está sendo jogada na tela. O Diário de uma Babá é o típico filme sem inspiração que não perderia nada se fosse apenas um longo bloco de texto - não há imagens no filme que não poderiam ser traduzidas em palavras.

No meio de todo esse esquematismo, há alguns lances de criatividade, como a forma com que Giamatti é filmado, quase sempre em movimento, de relance, saindo do enquadramento quando a câmera o procura - uma tradução visual do comportamento evasivo do personagem. E há as referências ao Museu de História Natural, jogo de efeitos que não vai muito além do que prometia no início. É uma pena. O material merecia uma execução menos burocrática.

O Diário de uma Babá
The Nanny Diaries
O Diário de uma Babá
The Nanny Diaries

Ano: 2007

País: EUA

Classificação: 1 anos

Duração: 106 min

Direção: Shari Springer Berman, Robert Pulcini

Elenco: Scarlett Johansson, Laura Linney, Chris Evans, Paul Giamatti, Nicholas Art, Donna Murphy, Alicia Keys, Judith Roberts, Charlie Hewson, Alison Wright

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.