Filmes

Crítica

Muito Barulho por Nada | Crítica

Joss Whedon cria versão informal para a comédia de Shakespeare

Natália Bridi
22.08.2013
20h59
Atualizada em
29.06.2018
02h40
Atualizada em 29.06.2018 às 02h40

Terminadas as filmagens de Os Vingadores, Joss Whedon tinha, por contrato, algumas semanas de folga antes de se dedicar à pós-produção do blockbuster que alçaria seu nome do cult ao mainstream. Para aproveitar melhor as curtas férias, escolheu ficar em casa. Para descontrair, chamou os amigos e fez Muito Barulho Por Nada.

Muito Barulho Por Nada

None

Muito Barulho Por Nada

None

Muito Barulho Por Nada

None

A nova adaptação da comédia clássica de Shakespeare (levada ao cinema em 1913, por Phillips Smalley, e em 1993, por Kenneth Branagh) é definida por essa informalidade. Antigos colaboradores e parentes formam o elenco, a casa de Whedon em Santa Mônica, na Califórnia, faz as vezes de locação e o resultado é um filme intimista e despretensioso, que constantemente leva o espectador a um sorrisinho de aprovação.

Familiaridade que não está apenas nos atores ou nos cenários, mas principalmente no texto. Whedon, que costuma promover leituras shakespearianas aos domingos, é fluente no cinismo do bardo inglês.  A inspiração percorre todos os seus trabalhos, desde os prolixos diálogos de Buffy: A Caça Vampiros, e surge em Muito Barulho Por Nada espontaneamente, algo raro nas adaptações de Shakespeare ao cinema. Suas falas, mesmo que em inglês arcaico, são ditas, não declamadas.

Por espelhos e janelas conta-se uma história de amor feita de manipulação e mal-entendidos. Na semana que antecede seu casamento, Cláudio (Fran Kranz, de Dollhouse e O Segredo da Cabana) e Hero (Jillian Morgese, que serviu de figurante em Os Vingadores), auxiliados pelo governador Leonato (Clark Gregg, o agente Coulson de Vingadores e Agents of SHIELD) e pelo príncipe Dom Pedro (Reed Diamond, de Dollhouse), decidem conspirar para unir em matrimônio os inimigos declarados Beatriz (Amy Acker, de Angel, Dollhouse e O Segredo da Cabana) e Benedito (Alexis Denisof, de Buffy, Angel, Dollhouse e Os Vingadores).

O amor é joguete das aparências, em 1598 ou em 2013, e Whedon trabalha com destreza os absurdos e soluções do destino da peça (momentos coroados pela participação de Nathan Fillion, de Buffy, Firefly, Serenity: A Luta Pelo Amanhã e Dr. Horrible, como Dogberry).  Sua falta de cerimônia - com o texto, com a locação e com o elenco – cria um filme leve como uma comédia romântica, ainda que densamente shakespeariano.

Alternando momentos de “amadorismo” e de sofisticação visual, Muito Barulho Por Nada é uma versão sem precedentes. Se o filme de Branagh tem um quê de definitivo, por seu apuro e profissionalismo, a adaptação informal de Whedon – que assina até a trilha sonora - é, sobretudo, sincera. Uma qualidade essencial aos cínicos.

Muito Barulho por Nada
Much Ado About Nothing
Muito Barulho por Nada
Much Ado About Nothing

Ano: 2012

País: EUA

Classificação: 12 anos

Duração: 107 min

Direção: Joss Whedon

Roteiro: William Shakespeare, Joss Whedon

Elenco: Amy Acker, Alexis Denisof, Nathan Fillion, Clark Gregg, Reed Diamond, Fran Kranz, Jillian Morgese, Sean Maher, Spencer Treat Clark, Riki Lindhome, Ashley Johnson, Emma Bates, Tom Lenk, Nick Kocher, Brian McElhaney, Joshua Zar, Paul M. Meston, Romy Rosemont, Elsa Guillett-Chapuis, Adam Carver, Kim Alu, Salvador Alvarez, Joren Anderson, Cas Austin, Donovan Ayub, Brent Ballatore, Chloe Ballatore, Arthur Bateman, Josh Berman, Joel Blacker, Sara Blindauer, Alex Bloomingdale, Samar Bloomingdale, Brett Ryan Bonowicz, Karen Bracher, Mark Bracher, Weston Bradley, Silas Briton, Amy McIntyre Britt, Susan Budd, Ronnie Campagnone, Joseph Carnegie, Naomi Chan, Martin Charles, Kai Cole, Anya Colloff, Julia Dalzell, Mike Danner, Jacob Darby, Kelsey Darragh, Giulia Davis, Tim Davis, Jenny DeArmitt, Sara Dorfman, Brandon Elonzae, Elsi Eng, Chris English, Sasha Feiler, Amanda Fein, Kara Fein, Mike Ferman, Ben Fickes, Peter Frederiksen, Ashley Friedlander, David Fury, Andrea Garcia, Kristen Garemani, Noyan Garemani, Catherine Garrison, Anna Geare, Margie Glick, Steve Glick, Caroline Goddard, Drew Goddard, Rachel Goldman, Elliot Graham, Drew Greenberg, Anna Grimm, Micki Grover, Mimi Haddon, Cailey Hall, Alisha Hallett, Elin Hampton, Brin Hill, Sabrina Hill, Naiby Hilton, Andrew Hoegl, Matthew Hood, Tamar Malley Hu, Nelly Imame, Tarik Inhaddou, Mulu Johnson, Jeannette McNeil Jones, Daniel S. Kaminsky, Mike Kaminsky, Nathan Kelly, Tom Kemper, Carla Kettner, Rachel Klauber-Speiden, Alan Klyce, Paren Knadjian, Andrew Knauer, Holly Knight, Diego Kontarovsky, Gudni Kristjansson, Catherine Kyritsis, Joel Landson, Aileen Latcham, Paul Leslie, Joanne Levin, Jenny Lynn, Noah Maffitt, Cairin Malley, Amanda Neuderyd Marlow, Nicki Maron, Henry Mason, Dex Matthews, John McCracken, Bryce McLeay, Kara McVey, Robert Millar, R. Emerson Moncure, Ryan Moore, Glen Moorman, Josh Newlight, Nina Newlight, William Nicholas, Sadin Thomas Oel, Grant Olsen, Cathy Pack, Missy Parker, Sean Parks, Sarah Petrie, Noelle Piche, Allison Post, Amanda Powers, Craig Pratsch, Danita Rafalovich, Lisa Randolph, Kate Register, Lisa Rosen, David Rothenberg, Sean Russell, Jenev Schilling, Mila Shah, Jessie Sherman, Stacy Shirk, Adam James Shirley, Lysandra Silber, Althea Sircar, Becky Sloviter, Corissa Pacillsa Smith, David Solomon, Kimberly Source, Adrienne Spiridellis, Evan Spiridellis, Karyne Steben, Sarah Steben, Laura Stokes, Bo Sundius, Maurissa Tancharoen, Casey Taylor, Lauren Taylor, Kimberly Tien, Ricky Titus, Riley Trela, Alison Trope, T. Miguel Vanegas, Sorrina Vasquez, Jed Whedon, Zack Whedon, Natalie Whittle, Aimee Williams, Malika Williams, Joshua Zepeda, Joan Zoloth, Debbie Van Zyl

Nota do Crítico
Ótimo

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.