Filmes

Crítica

Millennium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres | Crítica

David Fincher enxerga em Lisbeth Salander uma heroína ao seu estilo - e a toma pra si

Marcelo Hessel
26.01.2012
21h42
Atualizada em
29.06.2018
02h38
Atualizada em 29.06.2018 às 02h38

Se você assistiu ao original sueco ou leu a trilogia do escritor Stieg Larsson, pode achar maçante Millennium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres, com seus 158 minutos dedicados à investigação de um crime cujo culpado você já conhece. A refilmagem de David Fincher vale a pena, porém, por resgatar vários elementos do livro que o filme sueco, bastante inferior ao remake, optou por substituir - falamos sobre isso no Da Frigideira.

millennium

None

millennium

None

millennium

None

Agora, questões. Fincher escolheu fazer de The Girl with the Dragon Tattoo o primeiro remake de sua carreira apenas para corrigir as más escolhas do outro filme? Seria uma forma de sinalizar à indústria que ele pode realizar filmes de encomenda com a mesma dedicação de seus projetos pessoais? (Assim como Millennium, os vindouros Cleopatra e 20.000 Léguas Submarinas também são projetos-de-produtor e seriam já os frutos a colher dessa disposição.) Ou há no material elementos que sempre interessaram ao cineasta? Embora Fincher não goste que apontem repetições de temas entre seus filmes, essa última opção parece digna de discussão.

Rooney Mara, a Lisbeth Salander de Fincher, é a mesma atriz que viveu a namorada de Mark Zuckerberg em A Rede Social, filme que reacendeu a acusação de misoginia que sempre recaiu sobre o diretor. Não parece coincidência que Fincher tenha escolhido fazer, em seguida, um filme justamente sobre misóginos, como este Millennium. Se a relação não é intencional, certamente há uma constante: Lisbeth é uma heroína tipicamente fincheriana, brutalizada por uma sociedade de homens como era, também, a Ripley de Alien 3 ou, em menor grau, a Jodie Foster de Quarto do Pânico.

Aquela Sigourney Weaver do primeiro longa do cineasta, aliás, com sua cabeça raspada, já passava uma imagem masculinizada que agora se repete com Mara, como se a única maneira de combater os homens fosse emulá-los - e então substituí-los. Até encontrar Mikael (Daniel Craig), Lisbeth caminhava para a substituição do homem (a vingança fálica contra o burocrata, o encontro com outra garota na balada). Lisbeth se apega a Mikael porque encontra nele algo que ela valoriza em si: uma morbidez, um orgulho de ser marginalizado, autosuficiente. São valores que Fincher, pelos seus filmes (a morbidez é declarada), também parece cultivar.

É muito boa a cena em que Mara começa a narrar, diante de fotos no computador, as maneiras como as vítimas foram mortas; Mikael pede-a que pare, apesar da visível empolgação de Lisbeth. É a mesma morbidez que, em outro momento, fará a hacker aceitar o jornalista como parceiro sexual digno: logo depois que ela sutura a ferida do tiro que ele tomou de raspão. O respeito à dor é caro para Lisbeth (a tatuagem feita em cima da ferida fresca no tornozelo), como já era para as demais heroínas masculinizadas de Fincher.

Em Millennium os poucos homens que não odeiam as mulheres são potenciais alcoólatras. Nunca bebeu-se tanto no cinema. A exceção é Mikael - que olha discretamente com reprovação quando Martin (Stellan Skarsgård) vira o jarro de vinho dentro da taça do jornalista, em outra boa cena. Mikael cai nas graças de Lisbeth também porque tem, ao contrário dos demais suecos, alcoólatras ou não, um certo domínio tecnológico - a manipulação das fotos feita por Mikael é passo crucial na resolução do crime.

Assim como a morbidez e a autosuficiência, o apreço pela tecnologia - e automaticamente o desprezo diante do que é institucional e "velho" - também é um traço do cinema de Fincher (particularmente em Clube da Luta). Embora o seu Millennium patine um pouco ao reiterar o choque do velho com o moderno - como o momento em que Lisbeth está entre um trem veloz e uma velha ponte de madeira, cena que não adiciona nada à investigação ou à trama em si - vale assistir ao remake só para acompanhar como a hacker desdenha de tudo que é "analógico", nem que seja só recusar-se a ajudar uma senhora a descer arquivos de papel de uma estante.

No fim das contas, Fincher adota Lisbeth porque é uma heroína bem ao seu gosto, castigada e petulante. Mas isso é misoginia? O remake não se encerra no mesmo tom irônico do outro filme (Lisbeth fingindo-se de loira, de "mulher normal"), e sim numa cena da hacker fragilizada por uma expectativa não correspondida. Termina como uma figura trágica, como já era antes, mas também inesperadamente emocional - e Lisbeth, enquanto personagem, tende a ganhar com isso.

Millennium | Trailer de oito minutos
Millennium | Trailer legendado
Millennium | Cinemas e horários

Millennium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres
The Girl With the Dragon Tattoo
Millennium - Os Homens que Não Amavam as Mulheres
The Girl With the Dragon Tattoo

Ano: 2011

País: EUA, Inglaterra

Classificação: 16 anos

Duração: 158 min

Direção: David Fincher

Roteiro: Steven Zaillian, Stieg Larsson

Elenco: Daniel Craig, Rooney Mara, Christopher Plummer, Stellan Skarsgård, Robin Wright, Steven Berkoff, Joely Richardson, Embeth Davidtz, Geraldine James, Goran Višnjić, Elodie Yung, Julian Sands, Ulf Friberg, Gustaf Hammarsten, David Dencik, Alan Dale, Yorick van Wageningen, Donald Sumpter, Bengt C.W. Carlsson, Tony Way, Inga Landgré

Nota do Crítico
Ótimo