Filmes

Crítica

Madagascar 3 | Crítica

Primeiro filme 3D da franquia é uma molhada e colorida rave para menores

Marcelo Hessel
17.10.2014, às 12H01
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H42
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H42

No meio do escuro só dá pra ver pequenos pontos de luz e Julien, o Rei Lêmure, está com medo. Basta um lambuzado beijo de língua de urso, porém, e Julien se solta, o breu se torna um show dançante de estímulos sensoriais. Se os filmes de Madagascar funcionam como viagens de ecstasy para crianças, esse Madagascar 3 - Os Procurados, com suas muitas luzes e seus muitos suores, é o mais próximo que elas vão chegar de uma rave.

madagascar

None

madagascar

None

madagascar

None

A trama envolve novamente o desejo do leão Alex e seus amigos de voltar ao zoológico de Nova York; a ideia agora é seguir um circo itinerante na Europa que tem a promessa de excursionar pelos EUA. A principal novidade na franquia, porém, está no formato 3D. A DreamWorks pediu consultoria a Guillermo Navarro (diretor de fotografia vencedor do Oscar por O Labirinto do Fauno) na estereoscopia e faz de Madagascar 3 um tiroteio constante de coisas tela afora, em direção ao espectador.

Se manter interessada a garotada com déficit de atenção é um desafio para os contadores de história hoje em dia, a solução encontrada pelo filme não poderia ser mais fácil: interromper uma "história" na metade e "começar outra". Então, enquanto Alex e Gia conversam no primeiro plano, alguém lá do fundo do quadro dispara uma bala-humana entre os dois (que ao ganhar a prioridade do olhar passa a ser "outra história"). O mesmo se repete quando Melman e Gloria estão sobre a corda-bamba, também conversando, e outra bala-humana avança pra fora da tela. Madagascar 3 trata a contação de histórias tradicional como um jogo perdido - a única maneira de vencer, hoje, é contar (ou arremessar) várias ao mesmo tempo.

Essa estratégia da saturação se estende aos efeitos sonoros (carros batem em coisas e fazem barulho de pinos de boliche) e aos elementos visuais distribuídos na tela (pouca gente vai perceber, mas o skyline de Nova York já tem as novas torres do WTC, que sequer estão terminadas na realidade). Nesse sentido, poucas coisas combinam tanto com Madagascar quanto o circo, cuja imagem principal é a do picadeiro repleto de atrações simultâneas, das focas equilibristas ao carro lotado de palhaços, roubando atenção umas das outras.

Enquanto você, pai de família, não precisa se preocupar com os gastos com Rivotril que seu filho terá no futuro para controlar tanta ansiedade gerada por anos de hiperestímulos, repare como os personagens de Madagascar 3 realmente reagem aos excessos como se estivessem chapados: perdendo líquidos. É o leão marinho que não para de chorar, é a salivação do urso engolindo o lêmure, são os perdigotos descontrolados sempre que um bicho fica de frente com outro. A imagem do tigre que se lambuza de azeite pra atravessar o círculo de fogo sacramenta o negócio - Madagascar 3 é a maior suadeira.

Então a melhor recomendação que se faz aqui, por enquanto, é a mesma que se dá antes das raves: não esqueça de se hidratar.

Madagascar 3 | Vídeo-comentário
Madagascar 3 | Cinemas e horários

Madagascar 3: Os Procurados
Madagascar 3
Madagascar 3: Os Procurados
Madagascar 3

Ano: 2012

País: EUA

Classificação: 1 anos

Duração: 93 min

Direção: Eric Darnell, Tom McGrath, Conrad Vernon

Elenco: Ben Stiller, Sacha Baron Cohen, David Schwimmer, Frances McDormand, Chris Rock, Jada Pinkett Smith, John Di Maggio, Cedric the Entertainer, Jessica Chastain, Bryan Cranston, Martin Short

Nota do Crítico
Bom

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.