Filmes

Crítica

Billy Elliot | Crítica

Macho Macho Man

Marcelo Forlani
19.03.2001, às 00H00
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H11
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H11

Billy Elliot quebra dois tabus que, apesar do passar do tempo, continuam presentes na cabeça de muitos homens:

- "Macho que é macho não chora vendo filme"
- "Balé é coisa de menina"

Billy Elliot

None

Billy Elliot

None

Billy Elliot

None

Numa determinada época da vida, todo menino já pensou desta forma. Ou pior ainda: sofreu com quem pensava assim. Depois, se aprende que uma coisa não tem nada a ver com a outra e que a masculinidade não é nem um pouco afetada por se emocionar no cinema, não gostar de futebol ou dançar balé.

Difícil dizer se foi proposital ou não, mas o trailer pouco mostra. A edição "vende" apenas a história de um menino que descobriu na dança a sua vocação. Billy Elliot é muito mais do que isso.

Chorar e rir com a vida do garoto de 11 anos, que mora numa pequena cidade do norte da Inglaterra, não é tarefa das mais difíceis. Isso, porque a direção do estreante Stephen Daldry é impecável. Vindo do teatro, como seu conterrâneo Sam Mendes (Beleza Americana), Daldry fez todos atuarem de forma convincente, desde o jovem protagonista Jamie Bell até sua esclerosada avó, Jean Heywood (indicada ao Oscar de atriz coadjuvante). Não é à toa que foi indicado ao prêmio de melhor diretor. O filme concorre também ao Oscar de roteiro adaptado.

A Inglaterra de 1984/1985, cenário de Billy Elliot, era palco da greve dos mineradores de carvão. A trilha sonora do filme, com o punk local do The Clash e outras preciosidades, é perfeita como fundo musical para os protestos e confrontos com a polícia. Não poderia ser diferente, afinal, um filme de dança tem que ter música!

Jamie Bell desponta como promessa a uma nova safra de jovens atores. Os dois têm mais em comum do que se poderia imaginar. Assim como seu personagem, ele aprendeu a dançar enfrentando o preconceito de outros meninos e foi encorajado por uma professora que acreditava em seu dom. Nos testes para o papel principal do filme, ele enfrentou a concorrência de outros 2000 jovens dançarinos - feito comparável à sua tentativa de ingressar na Academia Real de Balé da Inglaterra. Ambos adoram chutar uma bola de futebol, fato que pode deixar os machões de plantão em parafuso: como ele pode gostar de futebol (coisa de menino), se ele faz balé (coisa de menina)?

Billy Elliot tem lá os seus clichês, mas isto não diminui nem um pouco todas as suas virtudes (e são muitas!). Pena que a Academia de Artes, que foi tão justa no ano passado ao premiar Beleza Americana, tenha voltado a errar em nem ao menos ter colocado O MAIS BELO FILME DO ANO na lista dos seus cinco melhores. Talvez, este sacrilégio se torne uma dádiva. Afinal, se ele tivesse sido indicado ao prêmio máximo do Oscar, todos estariam falando dele e Billy Elliot é um filme que merece ser visto sem muito pré-conhecimento... E tem mais: se o filme é feito para deixar você feliz, qual o problema? Ser feliz não é coisa pra macho?

Billy Elliot
Billy Elliot
Billy Elliot
Billy Elliot

Ano: 2000

País: EUA

Classificação: 12 anos

Duração: 111 min

Direção: Stephen Daldry

Roteiro: Lee Hall

Elenco: Jamie Bell, Julie Walters, Jean Heywood, Jamie Draven, Gary Lewis, Stuart Wells, Nicola Blackwell, Janine Birkett, Joe Renton, Colin MacLachlan, Trevor Fox, Charlie Hardwick

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.