Filmes

Crítica

S1m0ne | Crítica

<i>S1m0ne</i>

Érico "Orph" Assis
15.05.2003, às 00H00
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H14
ATUALIZADA EM 21.09.2014, ÀS 13H14

S1m0ne
S1m0ne
EUA, 2002 - 117 min.
Comédia/ficção

Direção: Andrew Niccol
Roteiro: Andrew Niccol

Elenco: Al Pacino, Benjamin Salisbury, Winona Ryder, Darnell Williams, Jim Rash, Ron Perkins, Jay Mohr, Catherine Keener, Evan Rachel Wood, Jeffrey Pierce

Lembra quando a imprensa internacional usou o gancho "cuidado, atores de carne e osso!" para falar de Final Fantasy, totalmente gerado em computador, com a última tecnologia em representação do "real"? S1m0ne (idem, de Andrew Niccol - 2002) vai um passo à frente e pergunta o que acontecerá quando este tipo de tecnologia realmente existir e convencer o público, substituindo atores por construções virtuais.

Mas não é tão sério quanto parece. Aliás, é uma comédia. Al Pacino interpreta Viktor Taransky, um diretor hollywoodiano que se esforça para fazer cinema de arte mas tem de lidar com aquelas estrelas e suas mil exigências, tratamentos especiais e outros esnobismos. Cansado dos estrelismos, e pressionado pelos produtores - entre eles sua ex-mulher, Elaine (Catherine Keener) - Taransky tem sua última chance em um presente dos céus. Às portas da morte, um de seus atores e grande admirador lhe entrega o software de manipulação que ele mesmo desenvolveu: o Simulation One.

Simulation One vira Simone. É o sonho de Taransky: uma atriz virtual, totalmente sob seu controle. Expressão, vestuário, voz - tudo perfeitamente como ele imagina, ao alcance de cliques. Seguem-se sucessos de bilheteria, Oscars, glamour, fãs ardorosos e a mídia impaciente por cavar fundo a vida da nova estrela.

A partir daí, o filme segue apenas este último aspecto, retratando a obsessão da mídia e de fãs que não vão descansar até conseguir um pedaço da nova carinha de Hollywood. Taransky trata-a como uma atriz real (e para quem está se perguntando: ela é de verdade, sim, e é interpretada pela modelo Rachel Roberts), mas tem de inventar diversas maneiras de mantê-la escondida - não só da mídia, mas também dos produtores de seu estúdio e dos atores com quem "contracena".

Andrew Niccol, diretor e roteirista de S1m0ne, vinha com um currículo promissor. Escreveu e dirigiu Gattaca, uma das melhores ficções-científicas já produzidas em Hollywood, e é o roteirista do polêmico O Show de Truman. Depois de duas obras tão importantes, S1m0ne desaponta. A crítica social e à manipulação da mídia, forte e inteligente em O Show de Truman, aqui perde a força e dá lugar a soluções arroz-com-feijão, tornando o filme previsível demais.

E ainda piora no final. Niccol resolve que tem de seguir a cartilha spielberguiana do drama familiar que dá ritmo à história, retratando a situação de Taransky com sua ex-mulher e filha, mas só consegue deixá-la exagerada e sobrepondo-se ao tema que deveria ser principal, o da mídia sedenta por uma atriz que não existe. O roteiro não consegue jogar bem com as duas linhas da história e acaba criando confusão ou minando suas expectativas. Por essas e outras, S1m0ne passou batido nos Estados Unidos, esquecido pelo público e rejeitado pela crítica, e chega ao Brasil com meio ano de atraso.

Por fim, mas não menos importante: Al Pacino está possivelmente no pior papel de sua vida.

Simone (2002)
S1m0ne
Simone (2002)
S1m0ne

Ano: 2002

País: EUA

Classificação: 16 anos

Duração: 117 min

Nota do Crítico
Ruim

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.