Filmes

Crítica

Planeta do Tesouro | Crítica

Uma mescla exemplar de animação tradicional e computação gráfica

Marcelo Hessel
10.01.2003
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h13
Atualizada em 21.09.2014 às 13h13

Trabalhar no setor de animação da Disney equivale a dirigir a seleção brasileira. A comemoração de um êxito dura até os preparativos do próximo desafio. Um resultado negativo significa cabeças a prêmio. Esse tipo de política pode simbolizar algumas injustiças ocasionais, como aquela que abate o subestimado Planeta do Tesouro (Treasure Planet, 2002), de Ron Clemens e John Musker.

O desenho foi orçado em 140 milhões de dólares, mas arrecadou nas bilheterias norte-americanas pouco mais de 35 milhões. Graças ao desempenho, a Disney cogita estabelecer um teto de 80 milhões por produção, o custo de Lilo & Stitch (de Dean deBlois e Chris Sanders, 2002). E o chefe da divisão, Thomas Schumacher, pensa em se demitir do cargo.

Uma mescla exemplar de animação tradicional e computação gráfica, a película não merecia tal destino. Curiosamente, o seu projeto data de 1985, época em que a dupla de diretores optou por produzir A Pequena Sereia (The Little Mermaid, 1989). Talvez, há duas décadas, sem a mesma concorrência de hoje, Planeta do Tesouro tivesse obtido sucesso.

A trama baseia-se no clássico A Ilha do Tesouro, que Robert Louis Stevenson (1850-1894) escreveu em 1883 e que a própria Disney traduziu em filme com atores reais, em 1950. A adaptação de 2002, porém, parte de uma premissa interessante: as velhas embarcações agora navegam movidas a laser pelo espaço sideral, alienígenas dos mais diversos gêneros e formatos figuram como piratas e até o tradicional papagaio transformou-se em uma simpática bolha mutante.

Essa mistura futurista-retrô serve de metáfora para o processo técnico. Planeta do Tesouro consegue aliar muito bem as partes criadas artesanalmente e aquelas geradas no computador. O maior exemplo é Long John Silver, o pirata cuja perna de pau e cujo gancho foram substituídos por partes biônicas: as partes humanas do seu corpo são feitas em animação tradicional, as mecânicas, digitalmente. Neste caso, fica difícil até distinguir as duas técnicas!

De resto, a história permanece encantadora e, inclusive, aceita de maneira pacífica os vícios da Disney, como a personagem cômica dispensável. Talvez Planeta do tesouro tenha falhado nas bilheterias por um motivo bem mais cruel. Não se trata do humor ligeiro de Lilo & Stitch, mas de um gênero edificante que já não agrada tanto o seu público-alvo.

Planeta do Tesouro
Treasure Planet
Planeta do Tesouro
Treasure Planet

Ano: 2002

País: EUA

Classificação: LIVRE

Duração: 95 min

Direção: Ron Clements, John Musker

Elenco: Joseph Gordon-Levitt, David Hyde Pierce, Emma Thompson, Roscoe Lee Browne, Martin Short, Laurie Metcalf, Patrick McGoohan, Michael Wincott, Brian Murray

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.