Filmes

Crítica

Invasão a Londres | Crítica

Continuação do filme com Gerard Butler poderia se chamar Desejo de Matar: Modern Warfare

Marcelo Hessel
07.04.2016, às 18H16
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H43
ATUALIZADA EM 29.06.2018, ÀS 02H43

Poucos filmes americanos de apelo mais popular se aproveitam hoje da classificação etária R (17 anos nos EUA) para abraçar um relato de vigor e violência como Invasão a Londres (London Has Fallen). A continuação de Invasão à Casa Branca (Olympus Has Fallen) é a resposta de Hollywood para os atentados que têm se repetido na Europa, com toda a prepotência que o poder bélico americano permite.

Essa sequência estrelada por Gerard Butler dialoga menos com o filme de 2013 do que com a tradição criada na Hollywood dos anos 70 dos justiceiros violentos como Dirty Harry e Paul Kersey, dedicados a endireitar o mundo sem meias palavras. Na trama, Mike Banning (Butler), chefe de segurança do presidente dos EUA (Aaron Eckhart), está prestes a pedir demissão para se tornar pai, mas a morte do Primeiro Ministro do Reino Unido cria uma situação extrema, em que os principais chefes de Estado do mundo viram alvo de um plano terrorista na capital inglesa, durante o velório.

Butler surge aqui como uma atualização de John McClane para a era de CoD: Modern Warfare: ele continua sendo o exército de um homem só, contra um grupo paramilitar mais numeroso e organizado, mas, ao invés de lidar com situações de improviso e precariedade como o astro de Duro de Matar, o protagonista de Invasão a Londres nunca se preocupa com arsenal ou munição, e seu nível de letalidade é tão alto com uma faca (que Butler parece enfiar nos inimigos em fastforward) quanto com projéteis. É o representante máximo da eficiência e também da inclemência, duas bases desse imaginário de guerra moderna.

Não por acaso, o clímax de Invasão a Londres transcorre numa operação de invasão de base com uma trucagem de plano-sequência que lembra bastante a estética dos games, com a câmera logo atrás de Butler, emulando o ponto de vista dos shooters. Nesses momentos, o filme parece dedicado a falar o idioma dos garotos, mas sua posição política não poderia ser mais velha: a defesa de um maniqueísmo que justifique o uso desmedido da força. Quando o presidente pergunta se seu segurança "tinha a necessidade" de matar um dos terroristas a sangue frio, Butler responde com a maior calma e a maior certeza: "Não tinha". O que importa é a demonstração.

E que demonstração: boa parte dos coadjuvantes mal aproveitados do filme, um elenco de renome que inclui Morgan Freeman, Jackie Earle Haley e Melissa Leo, está presente em cena apenas para dar seu aval embasado à intervenção violenta, justificando que "devemos aos nossos filhos e aos seus filhos" o uso de drones em áreas urbanas, porque "é um mundo perigoso" etc. Deve ser um discurso muito convincente mesmo, porque até a espiã inglesa não pensa duas vezes antes de atirar seguidamente num ex-amigo para ter certeza de que ele morreu mesmo.

É provável que muita gente se sinta incomodada, diante de Invasão a Londres, com uma demonstração tão despudorada e simplista de violência. Ainda assim, não deixa de ser curioso e até envolvente como o velho militarismo daqueles filmes de exército-de-um-homem-só pode se transformar e se reciclar nos dias de hoje para atender as fantasias da molecada que cresceu com Call of Duty.

Invasão a Londres (2015)
London Has Fallen
Invasão a Londres (2015)
London Has Fallen

País: EUA, Reino Unido

Classificação: LIVRE

Direção: Babak Najafi

Roteiro: Katrin Benedikt, Christian Gudegast

Elenco: Katrin Benedikt, Christian Gudegast, Gerard Butler, Morgan Freeman, Jackie Earle Haley, Charlotte Riley, Aaron Eckhart, Angela Bassett, Radha Mitchell, Melissa Leo, Colin Salmon, Robert Forster

Nota do Crítico
Bom

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.