Filmes

Crítica

Kinsey - Vamos Falar de Sexo | Crítica

<i>Kinsey - Vamos falar de sexo</i>

Marcelo Hessel
28.04.2005
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h18
Atualizada em 21.09.2014 às 13h18

Kinsey - vamos falar de sexo
Kinsey

EUA,
2004
Drama - 118 min.

Direção e roteiro: Bill Condon

Elenco: Liam Neeson, Laura Linney, Chris ODonnell, Peter Sarsgaard, Timothy Hutton, John Lithgow, Tim Curry, Oliver Platt, Dylan Baker, Julianne Nicholson, William Sadler, John McMartin, Veronica Cartwright, Kathleen Chalfant

Hollywood adora um gênio incompreendido. Ainda mais se for um talento nato. Não é bem o caso de Alfred Kinsey, o homem-à-frente-do-seu-tempo da vez na cinebiografia Kinsey - Vamos falar de sexo? (Kinsey, 2004). Conhecido como Doutor Sexo, ele revolucionou o estudo biológico das relações humanas ao falar em aulas concorridíssimas de masturbação, sexo fora do casamento e homossexualismo nos castiços anos 1940. O caso é que Kinsey não se interessou no assunto por um relampejo divino, mas por um inconveniente... pessoal.

Contrário aos anseios do seu pai (John Lithgow, de 3rd rock from the sun, ator subestimado), pastor puritaníssimo, o adolescente Alfred parte para a biologia, área não muito promissora financeiramente. Na faculdade se interessa por um tipo peculiar de inseto, cujos espécimes coleciona em viagens por todo os Estados Unidos. Quando junta os milhares, vira autoridade. O problema é que a entomologia não entusiasma o mundo como Kinsey (Liam Neeson) esperava.

Entusiasma, no entanto, uma aluna sua, Clara (Laura Linney). As afinidades são evidentes e os dois logo se casam. Mas na noite de núpcias se acomete sobre o casal um infortúnio comum: simplesmente não se encaixam. Clara se machuca a ponto de impossibilitar a relação. Ora, pensa ele, humanos não são muito diferentes dos insetos. À procura de especialização, Kinsey então descobre que a escassa literatura sobre o assunto não passa de crendices e aproximações. Começa aí a sua epopéia por desmontar tabus, via fisiologia.

E o Doutor não apenas resolve o seu problema, claro, como também se põe a serviço de tantos mais.

Falibilidade

Até esse ponto, o roteirista e diretor Bill Condon - que já desvendou a sexualidade de mitos em outro bom filme, Deuses e monstros (1998) - ocupa um tempo considerável para o seu primeiro ato, a apresentação dos personagens e das situações. Já começa a pesar a favor do diretor, nova-iorquino que nasceu em 1955, um ano antes da morte de Kinsey, a precisão na escrita de diálogos. É um acadêmico, no melhor sentido do termo. Ainda que não seja um virtuose atrás da câmera, sabe muito bem aquecer temas antes de abordá-los.

Por exemplo, o cineasta faz pensar que o dilema principal aqui é a superação, por parte de Kinsey, da mentalidade atrasada resumida na figura de seu pai. No fundo, não é. Isso seria martirizar o gênio, coisa que todo filme desse subgênero facilmente faria. Aos poucos Condon o eleva, mas encurrala o doutor e expõe a sua falibilidade como pesquisador ao criar-lhe um conflito conjugal.

Na sua ânsia profissional Kinsey não se furta a provar do mesmo sexo. Também se coloca como cobaia para testar uma voluntária que diz chegar ao orgasmo em segundos. E conta à Clara com a maior naturalidade. Ela condescende - afinal, é tudo pela ciência. Daí, a virada. Esperta, a esposa atiça o ciúme ao lhe dizer que ela também tem direito a novas experiências - já que o doutor sempre defendeu a natureza animal da nossa poligamia.

Pronto. A crença de Kinsey na comprovação empírica - que desde o começo descarta, entre outras coisas, o amor - não sabe explicar os sentimentos que afetam a ele e começam a atingir a sua equipe de modernos pesquisadores. Que por vezes a narrativa se desvie de volta ao endeusamento do mito não é defeito tão grande. O que tende a ficar na cabeça do espectador é o texto comovente aos pés de uma árvore secular - mistura de explicação fisica e metafórica - que fecha com inteligência o filme.

Kinsey - Vamos Falar de Sexo (2004)
Kinsey
Kinsey - Vamos Falar de Sexo (2004)
Kinsey

Ano: 2004

País: EUA, Alemanha

Classificação: 16 anos

Duração: 118 min

Direção: Bill Condon

Roteiro: Bill Condon

Elenco: Liam Neeson, Laura Linney, Chris O'Donnell, Peter Sarsgaard, Timothy Hutton, John Lithgow, Tim Curry, Oliver Platt, Dylan Baker, William Sadler, John McMartin, Veronica Cartwright, Kathleen Chalfant, Heather Goldenhersh, Benjamin Walker, Matthew Fahey, Will Denton, John Krasinski, Arden Myrin, Katharine Houghton, David Harbour, Bill Buell, Kate Jennings Grant

Nota do Crítico
Ótimo