Filmes

Crítica

Deus é Brasileiro | Crítica

Épico sertanejo com o escracho religioso

Marcelo Hessel
30.01.2003, às 00:00
Atualizada em 13.11.2016, às 08:05
Atualizada em 13.11.2016, às 08:05

Carlos José Fontes Diegues nasceu em 1940, em Maceió. Ainda era pequeno quando se mudou para o Rio de Janeiro e se interessou pelo cinema. Desde 1959 já produzia curtas-metragens. Mas foi em 1962, aos 22 anos, que iniciou o seu primeiro longa, Ganga Zumba. Graças ao momento histórico e geográfico, e à sua ideologia, Cacá Diegues teve a oportunidade de participar do movimento do Cinema Novo. Em meio à repressão como cotidiano e ao experimentalismo como forma de expressão, desenvolveu uma obra frequentemente política, como em Os Herdeiros (1969) e em Bye bye Brasil (1979).

É preciso lembrar as origens do diretor antes de se debruçar sobre a sua produção atual. No livro de depoimentos O Cinema da Retomada, organizado por Lúcia Nagib, Diegues defende que mantém as suas posições políticas, mas cada vez mais enxerga o cinema como uma manifestação prioritariamente artística. A respeito do ponto alto de sua carreira, nos anos 60 e em meados dos 70, diz: "Meu cinema não é tributário nem do passado nem do futuro, não estou fazendo filmes para serem entendidos depois de mim, nem como nostalgia do passado, faço filmes para o presente".

Diante de tal explicação, fica mais fácil entender o novo longa do diretor, Deus é Brasileiro (2002), uma comédia bem próxima da temática folclórica e da abordagem popularesca que marcam Diegues desde Tieta (1996) e Orfeu (1998). Baseado no conto O Santo Que Não Acreditava em Deus, publicado por João Ubaldo Ribeiro em 1991, o filme traz Antônio Fagundes no papel do Todo-Poderoso, numa viagem providencial pelo Nordeste do país. Ao lado do malandro Taoca (Wagner Moura), o seu guia no Agreste, Deus procura um certo Quinca das Mulas (Bruce Gomlevsky), homem que seria elevado à condição de Santo - e cuidaria das obrigações divinas enquanto Ele desfrutaria as suas férias intergalácticas.

Escolhido para figurar na coletânea Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século, o ótimo texto de Ubaldo trata a figura de Deus com um divertido deboche: impaciente e mal-humorado, Ele xinga Taoca, se nega a realizar milagres e reclama quando os homens, incapazes, jogam todas as suas lamúrias no colo do Criador. A grande fonte da graça do filme, assim, fica por conta da adaptação fiel das tiradas inspiradas do conto. Além disso, as belas locações e as interpretações primorosas de Fagundes e do soteropolitano Moura (jovem revelação do teatro, cada vez mais à vontade no cinema) sustentam a porção "comédia" do filme.

Mas Deus é Brasileiro almeja mais, como numa mistura do clima épico sertanejo de Central do Brasil com o escracho religioso de O Auto da Compadecida. A certa altura, a busca pelo santo adquire um tom de espirituoso road-movie. À medida que os personagens percebem as várias faces da realidade na região, se constrói uma obra mais vigorosa, que expõe os problemas do sertão, ao mesmo tempo que exibe a chegada da modernidade. Em certa vila, os moradores conseguem conversar com os mortos através de um site. Em outra localidade, o grupo Cordel do Fogo Encantado apresenta a sua música regional de vanguarda em uma feirinha. E assim, a rota de descobertas segue com figuras e situações enriquecedoras.

Os problemas da adaptação surgem na conclusão. Diegues cria coadjuvantes, como a revoltada Madalena (Paloma Duarte), afim de estender a história além do original, mas não consegue encontrar um final satisfatório para a tensão entre a moça e Deus, uma relação conflituosa construída ao longo do filme. Após o encontro com Quinca, aquilo que no conto é uma passagem poética, na tela se transforma num desfecho incompleto - não se sabe o que aconteceu com as férias pretendidas por Deus. Se por um lado há um alívio causado pelas boas risadas e instigado pelo retrato do sertão, há também uma leve sensação de desamparo, como se o tradicional final feliz não tivesse sido tão feliz assim.

Deus é Brasileiro
Deus é Brasileiro
Deus é Brasileiro
Deus é Brasileiro

Ano: 2002

País: Brasil

Classificação: 12 anos

Duração: 110 min

Direção: Carlos Diegues

Roteiro: João Emanuel Carneiro

Elenco: Antônio Fagundes, Wagner Moura, Paloma Duarte, Bruce Gomlevsky, Stepan Nercessian, Castrinho, Hugo Carvana, Chico Assis, Thiago Farias, Susana Werner, Toni Garrido

Nota do Crítico
Bom

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.