Filmes

Crítica

Cidade Baixa | Crítica

<i>Cidade Baixa</i>

Marcelo Hessel
03.11.2005, às 00:00
Atualizada em 16.11.2016, às 01:03
Atualizada em 16.11.2016, às 01:03
Cidade Baixa
Brasil, 2005
Drama - 108 min.

Direção: Sérgio Machado
Roteiro: Karim Ainouz , Sérgio Machado

Elenco: Alice Braga, Wagner Moura, Lázaro Ramos, Harildo Deda, José Dumont, Maria Menezes, Débora Santiago, Ricardo Luedy, Olga Machado, João Miguel

O estroboscópio, peça onipresente nas boates-prostíbulos de Salvador, é um dos símbolos fortes do poderoso Cidade Baixa (2005). A luz pulsa o tempo todo como os altos e baixos do triângulo amoroso da história.

Menina com jeito de mulher, Karinna está deixando o quarto que tem foto de Rodrigo Santoro na parede. No bar, ela pergunta por carona de estrada e quem responde são os barqueiros Deco e Naldinho. Podem levá-la até Salvador em troca de sexo, oferecem. Começa aí, no primeiro minuto de filme, uma relação que vai gerar ciúme e rancor na capital.

Alice Braga, a pretendida de Buscapé em Cidade de Deus, é quem vive Karinna. Lázaro Ramos (O homem que copiava) e Wagner Moura (O caminho das nuvens) são Deco e Naldinho. Os personagens têm muito da personalidade dos atores. Karinna é meiga, mas determinada. Deco esconde medos por trás da carranca. E Naldinho banca o impulsivo. Os dois se conhecem de infância, administram o barco juntos, são inseparáveis, como os melhores amigos Lázaro e Wagner.

A idéia do estroboscópio se encaixa bem aqui. Como na lâmpada que alterna luz e escuridão em ritmo acelerado, a fim de garantir uma sensação truncada de movimento, Cidade Baixa avança enquanto força o espectador a preencher as lacunas, os escuros da trama. O que o roteiro oferece dos perfis de Deco e Naldinho - cumplicidade em vida e morte, juras de amizade - é proporcional ao que esconde - segredos de adolescência, rivalidades veladas, competição em todos os níveis.

Falou-se até aqui apenas dos personagens e das atuações porque todo o trabalho do diretor estreante em longas de ficção Sérgio Machado (do documentário Onde a Terra acaba) foi pensado em função do trio. No material cedido à imprensa, ele diz que não queria um tratado sociológico sobre a zona portuária ou os bares de Salvador, apesar de titular o filme com a região e enquadrar constantemente a população figurante. Queria falar de gente, de pessoas que sentiriam a mesma coisa - medo, decepção, desespero, paixão, raiva - se estivessem em qualquer outro lugar do mundo.

Esse investimento no pessoal começa pela preparação do elenco, papel de Fátima Toledo (de Cidade de Deus). Profissional de pouca visibilidade junto ao público, é ela quem esquenta os atores para a jornada carnal que na tela parece de verdade. Foi Fátima quem disse no primeiro dia de ensaio: Ninguém aqui vai compor personagem, vocês são vocês.

A opção pela câmera na mão e pela iluminação baixa também ajuda nesse privilégio da liberdade cênica. Sem tripés ou holofotes ao redor, os atores podem se movimentar, improvisar, extravasar - a câmera é quem corre para acompanhá-los. O resultado é uma película com tom de urgência, granulada, de cores vivas e tons que vão sem medo do preto completo ao branco cegante, novamente como a luz estroboscópica.

Em resumo, trata-se do tipo de filme em que tudo funciona em sintonia, desde o apego ao roteiro (co-assinado com Karim Aïnouz, diretor de Madame Satã) até a direção de fotografia firme (de Toca Seabra, que só pelos maravilhosos close-ups do final do filme já mereceria um prêmio). Mas mesmo com todo o altíssimo cálculo e cuidado, o que fica é a invenção do momento, aquele diálogo ou toque ou troca de olhares imprevistos, aquela tomada espirituosa que os atores não conseguiriam repetir uma segunda vez.

Desculpe se a sinopse foi breve. Não seria justo antecipar uma fração da experiência de conhecer Cidade Baixa no cinema, que é uma coisa indizível.

Cidade Baixa
Cidade Baixa
Cidade Baixa
Cidade Baixa

Ano: 2004

País: Brasil

Classificação: 16 anos

Duração: 93 min

Direção: Sérgio Machado

Elenco: Wagner Moura, Lazaro Ramos, Alice Braga, Harildo Deda, Maria Menezes, João Miguel, Débora Santiago, Divina Valéria, José Dumont, Dois Mundos

Nota do Crítico
Excelente!

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.