Filmes

Crítica

Beautiful Boxer | Crítica

<i>Beautiful Boxer </i>

Mario "Fanaticc" Abbade
05.10.2004, às 00H00
ATUALIZADA EM 07.11.2016, ÀS 23H00
ATUALIZADA EM 07.11.2016, ÀS 23H00

Beautiful Boxer
Tailândia, 2003
Drama - 118 min.

Direção: Ekachai Uekrongtham
Roteiro: Ekachai Uekrongtham, Desmond Sim Kim Jin

Elenco: Asanee Suwan, Sorapong Chatree, Orn-Anong Panyawong, Kyoko Inoue, Sitiporn Niyom, Yuka Hyodo, Keagan Kang, Nukkid Boonthong

A vida do transexual Parinya Charoenphol é uma história que já nasceu para virar filme. Na Tailândia, ele é afetuosamente conhecido como Nong Toom - exímio lutador de boxe tailandês que passou por uma cirurgia de mudança de sexo. Assim, com esta ótima matéria-prima, Ekachai Uekrongtham estréia com o pé direito em sua carreira de diretor de longas-metragens.

Em Beautiful Boxer, o contato com a biografia do transexual vem por meio de uma entrevista que ele concede a um jornalista. No bate-papo, todas as passagens importantes são relatadas e aprendemos que, desde a infância, Nong Toom acredita ser uma mulher aprisionada em um corpo masculino. Assim, ele decide aprender e dominar um dos esportes mais viris do planeta, o muay thai, também conhecida como boxe tailandês. Seu objetivo é disputar o torneio nacional, tornar-se campeão e assim viabilizar seu sonho: uma operação de troca de sexo.

A escolha do ator para personificar a história foi perfeita e corajosa. Asanee Suwan é lutador de boxe tailandês na vida real e se entrega ao papel. Ele interpreta a feminilidade de Nong Toom com dignidade e graça. Sua performance é naturalista. Um trabalho feito com o coração. Ele chegou a fazer aulas de balé clássico para suavizar seus passos no ringue. Não à toa, foi o vencedor do prêmio Supannahongsa (considerado o Oscar tailandês) de Melhor Ator.

O cineasta Ekachai Uekrongtham fez um filme sentimental sem cair no melodrama. Estão lá várias cenas clichês, mas o uso do humor abrandou as emoções. Ele teve uma ótima idéia ao colocar uma mulher sem face acompanhando todas as fases da vida de Nong Toom, uma metáfora para demonstrar que Nong sempre se sentiu mulher.

As cenas de lutas são filmadas como um balé bruto, sem truques ou ângulos rebuscados. Essa escolha garante um ar documental à produção. As paisagens da Tailândia também são um caso à parte, pois o diretor as usa para equilibrar as emoções do protagonista. A cada tom dominante, percebemos a mensagem. As cenas mais claustrofóbicas, por exemplo, remetem à prisão que Nong Toom sentia por estar no corpo errado.

Beautiful Boxer é genuinamente comovente. Uma declaração orgulhosa de ruptura para a comunidade gay da Tailândia. Mesmo assim, não é um filme direcionado à platéia gay. Talvez, com uma distribuição em massa, possa se tornar um novo Billy Elliot. É uma biografia que lança um raro olhar na luta de um indivíduo para ser verdadeiro com suas crenças, não importando o custo.

Beautiful Boxer
Beautiful Boxer
Beautiful Boxer
Beautiful Boxer

Ano: 2004

País: Tailândia

Classificação: LIVRE

Duração: 118 min

Nota do Crítico
Ótimo

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.