Filmes

Crítica

Alien X Predador | Crítica

<i>Alien X Predador</i>

Érico Borgo
02.09.2004, às 00H00
ATUALIZADA EM 08.11.2016, ÀS 19H06
ATUALIZADA EM 08.11.2016, ÀS 19H06

Alien X Predador
Alien vs. Predator

EUA, 2004 - 101 min.
Ficção/Suspense

Direção: Paul W. S. Anderson
Roteiro: Dan OBannon, Ronald Shusett, Paul W. S. Anderson

Elenco: Sanaa Lathan, Raoul Bova, Lance Henriksen, Ewen Bremner, Colin Salmon, Tommy Flanagan, Joseph Rye, Agathe De La Boulaye, Carsten Norgaard, Sam Troughton

A idéia de um encontro entre os Aliens e os Predadores - duas das raças alienígenas de maior sucesso nas telonas - não é nova. As criaturas já se encontraram nos videogames e também diversas vezes nos quadrinhos, onde enfrentaram o Exterminador do futuro, entre outros personagens. Entretanto, em Alien X Predador (Alien vs. Predator, 2004) é a primeira vez que tais máquinas de matar se encontram no cinema, onde foram criadas.

Infelizmente, o resultado está muito longe da genialidade claustrofóbica de Alien (de Ridley Scott, 1979), ou da aventura inteligente de Predador (de John McTiernan, 1986). A única razão da existência de AvP, como convencionou-se chamar o filme, é capitalizar em cima do que pode ser a nova onda do cinema: encontros entre franquias consagradas, algo que já provou ser lucrativo no ano passado, quando Jason encarou Freddy Krueger (aqui). Uma desculpa perfeitamente aceitável, vale lembrar, mas que poderia ter gerado um entretenimento muito mais digno do passado dos personagens.

Mas nem todo o filme merece uma crítica negativa. A estética da estrutura na qual a maior parte do filme se passa favorece as batalhas, que são o grande apelo do filme. Tecnicamente, a produção é esmerada... as criaturas estão perfeitas, tudo foi cuidadosamente construído. Além disso, o começo é bastante interessante, já que o diretor Paul W.S. Anderson (veterano em filmes do gênero, como Resident Evil, Mortal Kombat e Enigma do horizonte) soube criar o clima para o encontro, sem apressar a inevitável pancadaria.

A idéia geral também agrada. Nela, um súbito pulso de energia no coração da Antártida faz com que o excêntrico milionário Charles Bishop Weyland (Lance Henriksen) reúna uma equipe de cientistas para investigar sua descoberta: uma pirâmide milenar enterrada sob o gelo. A equipe é aquela genérica que você já conhece de outros filmes - o nerd assustado, o militar tenso e o arqueólogo charmoso, entre outros. A líder é a durona e corajosa Alexa Lex Woods (Sanaa Lathan), que tem a missão de manter todos vivos.

Eram os deuses Predadores?

Quando chegam ao local, os membros do grupo têm uma surpresa. A pirâmide é um amálgama de três culturas ancestrais distintas, quase um elo perdido arquitetônico. O mesmo pode ser dito sobre os hieróglifos que cobrem as paredes. Não tarda para que eles percebam que a estrutura é um local onde são realizadas cerimônias de iniciação, em que guerreiros precisam enfrentar ferozes "lagartos" para que ganhem um marca e sejam considerados adultos. O que eles não sabem, no entanto, é que o lugar foi construído pelos Predadores, uma raça guerreira interplanetária que foi reverenciada no passado da humanidade como deuses, e que dentro de suas paredes esconde-se uma rainha Alien, pronta para gerar filhotes que servirão de teste para os jovens caras de caranguejo.

A produção segue sem tropeços, até que nos 30 minutos finais escorrega de maneira vergonhosa, propondo algo que é comparável apenas ao híbrido alien/humano de Alien: A Ressurreição - aquele bicho rosado de olhos lacrimejantes que era feio de dar dó.

Com tal elemento dissonante, a trama desmorona e as gargalhadas são inevitáveis. Algo triste de se ouvir durante um filme que supostamente deveria ser de horror e ficção. Também não ajuda o fato da Fox - de olho numa bilheteria mais expressiva - ter retalhado a produção para que ela se adequasse à censura 13 anos, o que significa pouquíssimo sangue e violência. Sem sustos (o melhor deles é protagonizado por um pingüim!!!), nem momentos chocantes (já viu um alien sair do peito de alguém sem sangue?), fica ainda mais difícil digerir o finalzinho pífio da projeção.

Assim, fica aqui a dica: Se você conseguir resistir ao ímpeto de ver Aliens e Predadores se enfrentando nas telonas, dentro de alguns meses será lançada uma versão do diretor em DVD, completa com todas as nojeiras que Paul Anderson quis mostrar. Ela, sem dúvida, será bastante superior à apresentada nos cinemas, que traz apenas baba, muco e um ou outro sangue verde fosforescente pingando.

Alien vs. Predador
AVP: Alien vs. Predator
Alien vs. Predador
AVP: Alien vs. Predator

Ano: 2004

País: EUA

Classificação: LIVRE

Duração: 101 min

Direção: Paul W.S. Anderson

Roteiro: Paul W.S. Anderson

Elenco: Sanaa Lathan, Lance Henriksen, Colin Salmon, Raoul Bova

Nota do Crítico
Regular

Conteúdo Patrocinado

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados e cookies para as finalidades ali constantes.