Host, filme de terror do Shudder

Créditos da imagem: Host/Shudder/Divulgação

Filmes

Crítica

Host combina possessão, found footage e a ansiedade da pandemia

Gravado via Zoom durante a quarentena, projeto experimental é terror simples e altamente efetivo

Arthur Eloi
10.02.2021
12h38

Dentre todas as incertezas para 2021, uma coisa é certa: será um ano de várias produções feitas durante a quarentena. Quando ficou claro que a pandemia de Covid-19 não seria algo passageiro, muitos cineastas aprenderam a se adaptar com projetos menores. Um dos primeiros hits do tipo foi, sem dúvidas, o terror Host (ou Cuidado Com Quem Chama), lançado lá fora pelo Shudder logo em julho de 2020. Chegando apenas em dezembro ao Brasil nas plataformas de VOD, e só em fevereiro à Netflix, nem mesmo os meses de atraso foram capazes de diminuir o impacto de sua inventividade e diversão macabra.

Gravado inteiramente à distância, o filme de Rob Savage traz ambientação bastante comum para qualquer um que não vê amigos ou família há meses: um grupo de amigas entediadas numa chamada de Zoom. Tentando trazer alguma novidade no meio da quarentena, elas decidem tentar uma sessão espírita virtual, mas sem levar nada muito a sério. Isso rapidamente se torna um problema quando percebem que uma entidade se manifestou do além, e que tem intenções perversas para quem lhe perturbou.

Com apenas 55 minutos de duração, Host é extremamente sucinto, e não desperdiça um segundo sequer. Ainda que se apoie totalmente no conceito de “possessão demoníaca digital”, dedica sua abertura para oferecer um mínimo desenvolvimento das personagens. Saber mais sobre a relação interpessoal das amigas entediadas, e como cada uma lida com situações aterrorizantes, só enriquece a virada sombria.

Não há como negar que os sustos são o verdadeiro foco do projeto. De certa forma, é possível dizer que o filme é baseado em fatos, já que o diretor teve essa ideia após realmente assustar suas amigas entediadas numa chamada de Zoom. As vítimas da pegadinha viraram o elenco do projeto, e é visível que a produção - mesmo que à distância - partiu da vontade de um grupo de colegas se divertirem um pouco.

Todas as situações horripilantes de Host são altamente inventivas. Cada personagem ganha um pouco dos holofotes com a entidade focando uma por vez. Os ataques sobrenaturais sabem explorar muito bem os cenários, as personalidades e as relações de cada uma. Mesmo elementos que parecem encheção de linguiça no começo são brutalmente aproveitados no final, de forma que o média-metragem conclui sem pontas soltas, com sacadas bastante divertidas e surpreendentemente sangrentas.

Após Amizade Desfeita e Buscando, é uma das obras que melhor soube usar a noção de found footage via tela de computador, constantemente criando tensão por meio de interferências na imagem, problemas na conexão e tudo aquilo que fica fora do limitado enquadramento de webcams comuns.

Host é um projeto absurdamente simples e de baixo custo que soube tirar o máximo proveito de uma premissa sagaz. Mesmo com pouco, o filme impressiona, aterroriza e entende muito bem como cutucar a ferida deixada pela ansiedade coletiva trazida por meses de isolamento sem data para acabar. Mesmo com as vacinas no horizonte, ainda há incontáveis chamadas virtuais na esperança de reconquistar um pouco de sanidade para aguentar a reta final. O grande triunfo de Host, um projeto experimental de gente comum que já não aguenta mais ficar em casa, é levantar a ideia de que uma dessas reuniões pode ganhar ares sombrios num piscar de olhos. E que tudo fica mais complicado quando se está sozinho, trancado.

Cuidado com Quem Chama
Host
Cuidado com Quem Chama
Host

Ano: 2020

País: Reino Unido

Classificação: 16 anos

Duração: 55 min

Direção: Rob Savage

Roteiro: Jed Shepherd, Gemma Hurley, Rob Savage

Elenco: Radina Drandova, Emma Louise Webb, Jemma Moore, Haley Bishop, Caroline Ward

Nota do Crítico
Ótimo

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.