Filmes

Crítica

Happy Feet - O Pingüim | Crítica

Happy Feet - O pingüim

Marcelo Forlani
23.11.2006
00h00
Atualizada em
21.09.2014
13h21
Atualizada em 21.09.2014 às 13h21

Happy Feet - O Pingüim
Happy Feet
Austrália/EUA, 2006
Animação/Musical
87 min.

Direção: George Miller
Roteiro
: George Miller, Judy Morris, John Collee, Warren Coleman

Vozes no original: Elijah Wood, Brittany Murphy, Robin Williams (Ramone), Nicole Kidman, Hugh Jackman, Carlos Alazraqui, Denise Blasor, Elizabeth Daily, Khamani Griffin

Quem for ao cinema para ver um filme sobre um filhote fofo de pingüim vai ter uma surpresa. Happy Feet - O Pingüim (2006) é isso, e muito mais. A tal ave do filme é só uma boa desculpa para uma história que ensina crianças (e adultos) uma importante lição sobre ecologia e outra contra a discriminação.

No melhor estilo A marcha dos pingüins, a animação mostra o curioso sistema de namoro e incubação destas aves que nadam, mas não voam. Para quem não viu o premiado documentário francês, os pingüins possuem cantos que são únicos. Inicialmente, eles servem para atrair o cônjuge. Depois, quando a fêmea sai para pescar e deixa o macho chocando o ovo, é o timbre da voz que vai ajudar os casais a se acharem novamente, mesmo no meio de centenas de outros pares. Na animação, eles chamam isso de canção do coração. E o problema do Mano (Elijah Wood), o protagonista da história, é que ele não sabe cantar. E quando tenta, causa mais arrepios do que arranhar a lousa com a unha. Seu negócio é outro. Ele é bom mesmo é com os pés! Ninguém consegue sapatear como ele!

Sua mãe, Norma Jean (Nicole Kidman), não vê problema algum nisso. Já o pai, Mênfis (Hugh Jackman), acha um absurdo ter um filho daquele jeito. E assim pensam também os demais habitantes da colônia dos pingüins imperadores - aqueles com a penugem meio alaranjada na área do peito - incluindo aí o Ancião (Hugo Weaving). Sim, estamos falando aqui de um caso de discriminação e que pode servir para qualquer situação - desde a homossexualidade até a diferença de raças.

Infeliz com tudo isso, Mano sai dali. E no meio dos pingüins Adelie ele vai fazer amizade com um grupo bem mais divertido, que não se preocupa muito com o status da cantoria. Declaradamente inspirados nos latinos, os adelies são festeiros e adoram os passos do Mano. Ramon (Robin Williams) e seus amigos decidem ajudar o desafinado amigo a conquistar o coração da amada Glória (Britanny Murphy) e o respeito dos demais pingüins. Porém, o plano não sai muito bem como planejado e ele se joga em uma aventura ainda maior, que o coloca em contato com outros animais, inclusive o temido Homo sapiens.

E é nesse ponto que a história ganha um clima completamente diferente. Sai a tradicional trama de superação, amadurecimento e redenção para se mostrar o que os humanos estão fazendo com o mundo. Um plástico que não é corretamente jogado no lixo pode matar animais na sua rua ou do outro lado do mundo.

Mas tudo acontece rápido demais e esta reviravolta parece perdida no meio daquela história, que até então era bastante infantil. Mas a mudança ganha algum sentido quando se sabe que o diretor e roteirista aqui é George Miller, que tem no currículo Mad Max e Babe, dois filmes completamente diferentes e que provam a enorme versatilidade do cineasta australiano - quer você goste dela, ou não.

E é com esta fórmula maluca, que soma animação computadorizada de alta qualidade, humor, eco-avisos e números musicais à la Moulin Rouge (misturando músicas antigas com atuais em novas roupagens e usando tudo isso para ajudar a contar a história), que Happy Feet surpreendeu, e com a ajuda de um certo menino-bruxo inglês deixou para trás Cassino Royale, a nova aventura do agente 007, nas bilheterias estaunidenses.

Em alguns momentos, seus 98 minutos podem parecer mais longos que uma viagem à Antártida, mas o visual e dois pingüins dublados por Robbin Williams valem qualquer esforço.

Happy Feet: O Pingüim
Happy Feet
Happy Feet: O Pingüim
Happy Feet

Ano: 2006

País: Austrália, EUA

Classificação: LIVRE

Duração: 98 min

Direção: George Miller, Judy Morris, Warren Coleman

Roteiro: John Collee, George Miller, Judy Morris, Warren Coleman

Elenco: Lombardo Boyar, Robin Williams, Johnny A. Sanchez, Carlos Alazraqui, Jeffrey Garcia, Elijah Wood, Brittany Murphy, Hugh Jackman, Nicole Kidman, Hugo Weaving, E.G. Daily, Magda Szubanski, Miriam Margolyes, Cesar Flores, Anthony LaPaglia, Fat Joe, Alyssa Shafer, Danny Mann, Mark Klastorin, Michael Cornacchia, Chris Edgerly

Nota do Crítico
Ótimo

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.