Filmes

Crítica

Fúria de Titãs 2 | Crítica

Continuação melhora no 3D, mas perde em personalidade

Marcelo Hessel
17.10.2014
13h47
Atualizada em
29.06.2018
02h48
Atualizada em 29.06.2018 às 02h48

Quando a Warner Bros. trocou Louis Leterrier por Jonathan Liebesman na direção de Fúria de Titãs 2 (Wrath of the Titans), a ideia era fazer uma continuação mais suja e "realista" do que o Fúria de Titãs fantasioso de Leterrier. Esse objetivo foi alcançado, mas o resultado é igual a todos os outros filmes de ação sujos-e-realistas que Hollywood lança regularmente desde que Ridley Scott estabeleceu essa estética como padrão em Gladiador e Falcão Negro em Perigo, em 2000 e 2001 (aliás, Liebesman diz em entrevistas que a ideia é emular justamente Gladiador).

fúria de titãs

None

fúria de titãs

None

fúria de titãs

None

A trama começa dez anos depois do primeiro filme. Após derrotar o Kraken, Perseu (Sam Worthington), o semideus filho de Zeus (Liam Neeson), leva uma vida de pescador e cria sozinho o seu filho de dez anos, Hélio. A descrença dos homens enfraqueceu os deuses, porém, e quando Hades (Ralph Fiennes) e Ares (Édgar Ramírez) fazem um trato com Cronos para capturar Zeus, o inferno do Tártaro periga se alastrar pela Terra.

Novamente Perseu reúne, então, aliados e artefatos contra criaturas mitológicas para salvar o dia. É a estrutura consagrada dos épicos de travessia, e assim como no filme de 1981 e no de 2010 a grande atração de Fúria de Titãs continua sendo os monstros (desta vez, quimera, minotauro, ciclopes e o próprio titã Cronos). A possibilidade de vê-los no IMAX - e em uma conversão para 3D de qualidade - seria o principal atrativo de Fúria de Titãs 2.

O problema é que não dá pra ver muita coisa num filme de ação sujo-e-realista dirigido por Liebesman - que depois de Invasão do Mundo parece ter se especializado em efeitos visuais desfocados (que obviamente custam menos que efeitos em foco). Com exceção de Cronos, que enche a tela com gosto, em seus gestos lentos de lava e cinzas, os demais não oferecem a mesma graça dos velhos monstros de stop-motion de Ray Harryhausen. No caso do minotauro, só dá pra vê-lo direito quando o monstro já foi derrotado.

A culpa não é, em si, da estética suja-e-realista, e sim da falta de talento de Liebesman para filmar a ação. Nos momentos em que ele opta por um plano-sequência (quando Perseu ataca a quimera ou quando os makhai avançam sobre o exército humano), ainda dá pra acompanhar o que acontece no quadro (quase sempre as criaturas avançam frontalmente em direção à câmera, movimento que facilita a conversão ao 3D mas que se desgasta com a repetição do seu uso). Já cenas mais picotadas que exigem vários pontos de vista (como a luta na entrada do labirinto) são uma confusão de perspectivas.

Somam-se a isso os clichês da moda (efeitos de áudio como os zunidos dos filmes de guerra; Agenor apresentado como se fosse um Jack Sparrow grego) e temos aí um épico genérico com elenco competente que atende a um desejo muito específico do público - filmes sujos-e-realistas são mais "respeitáveis" do que os fantasiosos e cartunescos - mas o Fúria de Titãs de Leterrier, apesar de seus defeitos, tinha muito mais personalidade.

Fúria de Titãs 2 | Omelete entrevista Sam Worthington e Liam Neeson
Fúria de Titãs 2 | Cinemas e horários

Fúria de Titãs 2
Warth of the Titans
Fúria de Titãs 2
Warth of the Titans

Ano: 2012

País: EUA

Classificação: 12 anos

Duração: 99 min

Direção: Jonathan Liebesman

Elenco: Liam Neeson, Sam Worthington, Ralph Fiennes, Rosamund Pike, Bill Nighy, Toby Kebbell, Danny Huston, Édgar Ramírez, John Bell, Lily James, Spencer Wilding, Martin Bayfield

Nota do Crítico
Regular

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.